Primeiro casamento gay coletivo em Manaus será ato contra preconceito

União reunirá 15 casais homossexuais e terá a participação também de heterossexuais. Solenidade pretende ser manifestação contra a homofobia

Por: Gisele Rodrigues

Manaus – O primeiro casamento gay coletivo da Região Norte irá unir 15 casais, no dia 16 deste mês, em Manaus. A união é promovida pela  Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em parceria com o Fórum Amazonense LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais) e será em conjunto com casais heterossexuais.

“Quando abrimos as inscrições e verificamos os documentos, constatamos que casais heterossexuais queriam participar do casamento. Foi uma surpresa muito boa”, disse a coordenadora do Fórum LGBT, Sebastiana Silva. “Eles disseram que queriam lutar contra o preconceito”, revelou Sebastiana.

Documentos

No início do processo, de acordo com a presidente da Comissão da Diversidade Sexual da OAB-AM, Alexandra Zangerolame, 69 casais procuraram o órgão para participar da cerimônia, mas por questões burocráticas não efetivaram a participação. Eles perderam o prazo por não estarem com a documentação em dia.

“Encontramos casais que não estavam divorciados, documentos que não se encontravam em boas condições de visualização e casais que são de outro Estado e precisavam retirar segunda via da Certidão de Nascimento”, disse.

Contrato

Conforme Alexandra Zangerolame, antes da Resolução nº 175/2013, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que determinou a oficialização homoafetiva nos cartórios de todo o País, o casamento de homossexuais era oficializado por contrato de união estável. Porém, a modalidade não garante os mesmos direitos de um casamento em cartório.

Segundo Zangerolame, para ter os direitos garantidos, o companheiro tinha que procurar a justiça. Atualmente, com a ação promovida pela OAB, segundo ela, os noivos podem adotar sobrenome do companheiro e obter mesmos direitos dos casais heterossexuais.

Mesmo sem um número exato de uniões civis homoafetivas realizadas no Amazonas, a vice-presidente da Associação de Registro Civil de Pessoas Naturais do Amazonas (Arpen-AM), Juliana Follmer, disse que mais de 30 uniões civis homoafetivas já foram realizadas no 8º Cartório de Registro Civil, onde é tabeliã.

Fonte: D24am

+ sobre o tema

‘Eu era neonazista até ser presa e me apaixonar por uma negra’

Angela King lembra quando foi a um bar já...

Evento estudantil sofre ‘ataque de intolerância’, segundo organização

A 3ª Semana Cultural do Curso de Direito da...

Skinheads suspeitos de agressão homofóbica em Fortaleza são notificados para depor

Garoto foi agredido em praça em Fortaleza em 'presumido...

Família real britânica terá seu primeiro casamento gay

Primo da rainha Elizabeth II será conduzido no altar pela...

para lembrar

Por quê criminalizar a Homofobia?

A maioria dos brasileiros assiste passivamente cenas diárias de...

Tolerância a ofensas prejudica candidatos, por Renato Janine Ribeiro

Por Renato Janine Ribeiro Aécio Neves e Eduardo Campos quiseram...

Héteros fazendo papel de gays são mais frequentes que gays interpretando héteros

De Daniel Day Lewis a Oscar Magrini, muitos atores...

Preconceito e assassinatos: A cada hora, um gay sofre violência no Brasil; denúncias crescem 460%.

Neste ano, em um levantamento até outubro, os episódios...
spot_imgspot_img

Homofobia em padaria: Polícia investiga preconceito ocorrido no centro de São Paulo

Nas redes sociais, viralizou um vídeo que registra uma confusão em uma padaria, no centro de São Paulo. Uma mulher grita ofensas homofóbicas e...

ONG contabiliza 257 mortes violentas de LGBTQIA+ em 2023

Em todo o ano passado, 257 pessoas LGBTQIA+ tiveram morte violenta no Brasil. Isso significa que, a cada 34 horas, uma pessoa LGBTQIA+ perdeu...

Justiça manda Governo do RJ pagar R$ 80 mil a Cacau Protásio por ataques em gravação em quartel dos bombeiros

A Justiça do Rio de Janeiro determinou, em segunda instância, que a atriz Cacau Protásio seja indenizada em R$ 80 mil por ataques e...
-+=