quinta-feira, outubro 6, 2022
InícioArtigos ExclusivosColetiva Negras que MovemQuase um ano depois, servidora negra exonerada pela UFPE não reaveu cargo...

Quase um ano depois, servidora negra exonerada pela UFPE não reaveu cargo e relata meses de incertezas e vulnerabilidade

A bióloga Nívia Tamires de Souza Cruz viu sua nomeação em cargo público da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) ser anulada no dia 7 de outubro de 2021, mesmo após três anos do chamado estágio probatório. A coluna Negras Que Movem contou a história da bióloga em fevereiro deste ano. Hoje, após quase um ano da exoneração, ela nos relata o andamento do processo, informando que não reaveu o cargo e apontando racismo estrutural no caso em questão. 

Veja, abaixo, o relato de Nívia:

Entre 2014 e 2015 dediquei e organizei minha vida e da minha família para passar em um concurso público e assim construir uma vida estável para mim e para meus filhos. Nesse movimento de muito gasto de energia e de tempo, passei em três concursos públicos. Inicialmente assumi como professora na rede municipal de Jaboatão dos Guararapes e na rede estadual de Pernambuco. Em novembro de 2016 fui convocada para o cargo de Bióloga, nível superior, pela Universidade Federal de Pernambuco onde passei em 1° lugar, através da política de cotas raciais. Para admissão na instituição, exonerei dos cargos supracitados, objetivando atender a exigência de não acúmulo de cargos públicos. Por fé pública ingressei como servidora na UFPE.

Em três anos desempenhando a função de bióloga pude construir uma rotina e um planejamento familiar. Neste período ingressei no mestrado em Sociologia nesta Universidade para estudar o impacto do racismo ambiental na vida da mulher pescadora de Serrambi/PE, resultado da consciência racial desenvolvida e o desejo de possibilitar um retorno social.

O processo de exoneração que me destituiu do cargo de servidora pública estável em 2021, mesmo após o estágio probatório, destituiu por completo meu direito legítimo de dignidade humana, lançando-me numa situação de vulnerabilidade socioeconômica. Essa conduta do Estado, exercida por um funcionalismo heteronormativo branco, sob a égide da “imparcialidade” e “legalidade” incide sobremaneira sobre à população negra.

A cota racial através da qual ingressei no serviço público federal é o reconhecimento do racismo estrutural que constitui a sociedade brasileira e a busca em reparar as atrocidades cometidas pelo Estado. A exoneração por mim sofrida agride diretamente a política de cotas, a minha e outras trajetórias de vidas negras, indo em sentido contrário a construção de uma sociedade menos desigual.

Entendo como incoerentes, e, de certo modo perversas, as ações praticadas pela  Universidade. A começar pela produção de discursos “bonitos” e bem articulados de uma gestão democrática que prioriza as políticas afirmativas. Paralelo a isso, sou exonerada enquanto funcionária efetiva, tendo minhas conquistas e possibilidades e aspirações econômica, profissional, acadêmica e principalmente pessoal/maternal arrancadas, amparadas em interpretações e/ou argumentações técnicas e demasiado ambíguas.

Entramos com os embargos sobre o qual houve uma audiência pública na Justiça Federal. Nela estiveram presentes a Articulação Negra de Pernambuco (ANEPE), Movimento Negro Unificado (MNU), União de Negras e Negros pela Igualdade (UNEGRO) e Comissão de Direitos Humanos, Sindicato dos Trabalhadores das Universidades Federais de Pernambuco – SINTUFEPE e Comissão Cidadania, Direitos Humanos e Participação Popular (ALEPE). Nessa audiência, o juiz deu prazo de 30 (trinta) dias ao procurador da AGU e da UFPE para manifestarem intenção de acordo, objetivando a solução do meu caso.

Não houve nenhuma manifestação da UFPE mesmo tendo o Ministério Público Federal emitido um Termo de Recomendação orientando a minha reintegração. Seguimos agora para o TRF5 para um novo julgamento, ou seja, sigo numa batalha que parece não ter fim. Nas reuniões com as entidades e movimentos antirracistas que vem me acompanhando a  universidade afirma estar sendo obrigada a cumprir ação judicial e que tem interesse na manutenção do meu cargo. No entanto, diante da justiça, a Instituição deixa de agir.

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE.

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench