Quem é Francia Márquez, advogada e ex-trabalhadora doméstica que pode ser primeira mulher negra a ocupar a vice-presidência da Colômbia

Enviado por / FonteG1, por Victor Cinzento

Ativista, ela já foi reconhecida com o prêmio Goldman por lutar contra o garimpo e a mineração na região em que morava.

Ativista em defesa dos direitos humanos e do meio ambiente, a advogada Francia Márquez pode se tornar a primeira mulher negra a ocupar o cargo de vice-presidente da Colômbia.

Nascida no distrito de La Toma, no oeste do país, Francia foi a líder de um movimento popular contra a exploração mineral na região, luta que concedeu a ela o reconhecimento com o prêmio Goldman (considerado o “Nobel do Meio Ambiente”) em 2018.

Depois de passar mais de 10 anos trabalhando em movimentos sociais, Francia havia lançado sua pré-candidatura à presidência da Colômbia em 2021. Entretanto, com o avanço da campanha, ela passou a ser parte da chapa de Gustavo Petro, candidato da esquerda que chegou ao segundo turno contra o político de direita Rodolfo Hernández neste domingo (29). As pesquisas apontam Petro como favorito.

Quem é Francia Márquez?

Mulher, de 40 anos, formada pela Universidade Santiago de Cali em direito, Francia é mãe solo de dois filhos e tem uma história de vida muito ligada ao ativismo social.

Quando jovem, ela trabalhou como garimpeira de ouro e como empregada doméstica, função que exerceu para pagar seus estudos.

Uma pintura de parede em Suarez mostra Francia Márquez — Foto: Raul ARBOLEDA / AFP

Quando maior de idade, liderou movimentos contra a expansão da mineração na região e foi crescendo dentro do cenário político colombiano.

Durante a campanha, ela prometeu, se eleita, ajudar na criação e manutenção de direitos para mulheres, negros, indígenas, camponeses e para a população LGBTQIA+.

Carreira política

“Para mim, ocupar um cargo no Estado não é o fim da trajetória. O fim pra mim é dignificar a vida, é cuidar da vida, é viver em um lugar mais justo e digno para todos. O fim é diminuir a mortalidade negra. Chegar à presidência da Colômbia é um meio, ocupar o Estado é um meio para seguir movendo essa luta que queremos como povo e como humanidade”, disse Francia Márquez antes de se unir à chapa de Petro.

Em 2014, como presidente da Associação de Mulheres Afrodescendentes de Yolombó, ela organizou a “Mobilização das mulheres negras pelo cuidado da vida e dos territórios ancestrais”, movimento que reuniu pessoas do norte de Cauca e avançou até Bogotá (capital) para exigir seus direitos.

Francia Márquez segurando o prêmio Goldman para o Meio Ambiente, em 2018 — Foto: Divulgação

Em 2018, após receber o prêmio Goldman pelo Meio Ambiente, Francia se lançou como candidata a comandar a Câmara das Comunidades Afrodescendentes.

Em 2021, antes de apresentar a pré-candidatura à presidência da república foi líder do comitê nacional de paz, reconciliação e convivência do Conselho Nacional de Paz.

+ sobre o tema

Naruna Costa é a primeira mulher negra a ganhar o prêmio APCA de melhor direção

Ano passado, Bia Lessa foi a primeira mulher a...

Martelo machista massacra 100 mil mulheres brutalmente

De 1980 até hoje, 100 mil mulheres foram brutalmente...

Superexploração do trabalho expressa racismo e machismo

Não foi à toa que esse governo, ao tomar...

Luana Génot: estar em um relacionamento inter-racial não é sinônimo de que o racismo acabou

Temos colocado a discussão sobre o racismo estrutural em...

para lembrar

Manifesto: Marcha das Mulheres Negras de São Paulo

Neste 25 de julho, nós mulheres negras e indígenas...

Brasileira ganha concurso em Harvard com diagnóstico rápido de doença no útero

Ideia da estudante é baratear exames e deixar mais...

Violência e invisibilidade marcam realidade de lésbicas no Brasil

Ausência de estatísticas e atenção impedem superação de dificuldades Do...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=