Resistência e Construção da Cidadania é tema de palestra em museu de Salvador

A programação do 2º Seminário Painel Memória do Centro Histórico de Salvador, contou, na manhã desta quinta, 26, com palestra proferida pelo Superintendente de Apoio e Defesa aos Direitos Humanos da Secretaria da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos – SJCDH, Ailton Ferreira.

O seminário, realizado no Museu Eugênio Teixeira Leal, no Pelourinho, foi organizado pelo CONSEG – Conselho Comunitário Social e de Segurança Pública do Centro Histórico de Salvador, contou com o apoio da SJCDH, da Secretaria Municipal da Reparação e do Centro de Culturas Identitárias da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia – SECULT, com o objetivo de promover palestras que relatassem a herança cultural brasileira, transmitida pela participação africana, europeia e indígena, através da história baiana dos séculos XVIII, XIX e XX. Segundo Rose Kalile, presidente do CONSEG, esse seminário também objetiva melhorar as condições de segurança e cidadania no Centro Histórico de Salvador.

Fatos Históricos – Sob o tema “Resistência e Construção da Cidadania”, a palestra de Ailton Ferreira percorreu aspectos históricos das lutas contra o racismo e dos movimentos contra a escravidão. Personagens atuantes em batalhas como a Revolta dos Alfaiates, dos Malés e da Chibata, além da criação de instituições representativas do movimento negro como a Sociedade Protetora dos Desvalidos, a Irmandade de Nossa Senhora da Boa Morte, em Cachoeira e dos Homens Pretos, em Salvador, foram relembrados nas palavras do sociólogo.

Segundo Ferreira, para extirpar o racismo da sociedade brasileira é preciso se dar conta que ele é fruto da rejeição. “Durante muito tempo os negros não tiveram sua imagem associada à condições sociais elevadas nem à boa estética”, lamentou. Para o sociólogo, o aparecimento de associações – a exemplo dos Blocos Ilê Ayê, Olodum, e Os Negões, e de instituições como as secretarias federal, estadual e municipal da reparação e Fundação Palmares, dão uma nova tônica na afirmação e construção da cidadania para o povo negro. “Atualmente nossa sociedade vem melhorando e construindo um país diverso. Hoje, com a estrutura que temos, podemos atender não somente aos negros, mas aos idosos, indígenas, pessoas com deficiência e o público LGBT”, disse afirmando que mesmo assim muito ainda precisa feito em favor dessas comunidades.

 

 

Fonte: SJCDH

+ sobre o tema

A saúde privada oferece assistência de qualidade?

Nota do Brasil Debate A saúde, direito social garantido pelo artigo...

“Quando o Crato voltou a ser senzala”

Por Raquel Arraes No dia 06 de fevereiro...

Internautas protestam contra trabalho escravo em grife de luxo

Gregory informa que só compra "peças prontas e acabadas"...

Site com vagas de empregos para negros é inaugurado em São Paulo

SP ganha site com vagas de emprego exclusivas para...

para lembrar

Queda nas coberturas vacinais

Akira Homma, cientista da Fiocruz, defende a busca de...

Saúde Mental: “Que a gente possa se ajudar mais”

Naturóloga do Grajaú, Ingryd Oliveira fala sobre saúde mental...

Esgotamento mental é um dos sinais do adoecimento do nosso modo de vida

Os primeiros raios de sol surgem pela janela depois...

O calvário dos meninos que se confessaram ao papa

Eles vivem um inferno na terra. O artigo...
spot_imgspot_img

NOTA PÚBLICA | Em repúdio ao PL 1904/24, ao equiparar aborto a homicídio

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns vem a público manifestar a sua profunda indignação com a...

Nota pública do CONANDA contrária ao Projeto de Lei 1904/2024

O Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente – CONANDA, instância máxima de formulação, deliberação e controle das polícas públicas para a...

Marcelo Paixão, economista e painelista de Geledés, é entrevistado pelo Valor

Nesta segunda-feira, 10, o jornal Valor Econômico, em seu caderno especial G-20, publicou entrevista com Marcelo Paixão, economista e professor doutor da Universidade do...
-+=