Sede de antiga colônia nazista será demolida

Prédios de tijolos com suástica de antiga colônia nazista darão lugar à plantação de cana-de-açúcar

As construções remanescentes de uma colônia nazista que funcionou na década de 1930 na Fazenda Cruzeiro do Sul, em Paranapanema, a 260 km de São Paulo, serão destruídas. O novo proprietário decidiu limpar as terras para facilitar o cultivo de cana-de-açúcar. Está prevista a derrubada dos prédios das oficinas, da cocheira e da pequena igreja. A antiga piscina de alvenaria será soterrada.

Os tijolos usados nas construções trazem impressa a suástica, símbolo do nazismo de Adolf Hitler. O antigo proprietário da fazenda, José Ricardo Rosa Maciel, e sua mulher, Senhorinha, contaram que o comprador consultou os órgãos do patrimônio histórico antes de fechar o negócio para se certificar de que as construções não são tombadas.

Como a venda foi feita com cláusula de confidencialidade, eles não revelaram o nome do novo dono. “Ele vai arrendar as terras para o plantio de cana mecanizado, por isso precisa do terreno desimpedido”, disse a mulher. A prefeitura de Paranapanema informou que as terras são particulares e o município não tem condições de desapropriá-las, apesar do interesse cultural.

A fazenda foi comprada no início do século passado por Luis Rocha de Miranda, simpatizante do movimento fascista Ação Integralista Brasileira (AIB). A propriedade tinha geradores de energia elétrica, pista de pouso cimentada, uma estação de trens particular e silos aéreos importados dos Estados Unidos.

Segundo o pesquisador Sidney Aguilar Filho, professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), a fazenda foi palco de um esquema escravista nos anos 1930. Os irmãos Rocha Miranda trouxeram 50 meninos do orfanato Romão Duarte, do Rio de Janeiro, poucos meses depois de Hitler ter tomado o poder na Alemanha, em 1933. Os garotos tiveram os nomes trocados por números e seriam obrigados a aderir a ritos nazistas.

Com o fim da AIB após a instalação do Estado Novo por Getúlio Vargas, em 1937, as crianças foram libertadas e as marcas do nazismo no local foram suprimidas. Nos anos 1960, a fazenda foi adquirida pelo alemão Amdt Von Bohlen und Halbach, servindo como local de férias para a família, mas acabou vendida anos depois. Os tijolos com a suástica foram descobertos anos mais tarde por Maciel, que adquiriu a propriedade, quando demolia uma granja de porcos.

Aguilar Filho transformou as pesquisas feitas no local na tese Educação, autoritarismo e eugenia – Exploração do trabalho e violência à infância no Brasil (1930-1945). Ele disse que será “uma calamidade” se a demolição ocorrer. “É um patrimônio público, seja ou não reconhecido pelo Estado. O que aconteceu ali é uma história inconveniente, mas que precisa ser contada.” Segundo ele, a pesquisa sobre a célula nazista e a história dos meninos escravos não está completa. “Ainda há muito a ser contado sobre as relações do Estado brasileiro com o regime nazista.”

Estudo. A tese de Aguilar Filho analisa aspectos da educação brasileira entre 1930 e 1945 a partir de relatos de vida de 50 meninos “órfãos ou abandonados” sob guarda do Juizado de Menores do Distrito Federal. Eles foram retirados do Educandário Romão de Mattos Duarte, da Irmandade de Misericórdia do Rio de Janeiro, e levados a uma propriedade no interior de São Paulo – a Fazenda Cruzeiro do Sul.

A transferência dessas crianças de 9 a 11 anos foi respaldada pelo Código do Menor de 1927. Por uma década, as crianças foram submetidas a uma educação baseada em longas jornadas de trabalho agrícola e pecuário sem remuneração. Foram submetidas a cárcere, castigos físicos e constrangimentos morais em fazendas de integrantes da cúpula da Ação Integralista Brasileira, simpatizantes do nazismo.

Fonte: Estadão

 

+ sobre o tema

13 de Maio – A Resistência

Os africanos escravizados no Brasil não demoraram muito para...

A Carta de Willie Lynch

QUEM ERA WILLIE LYNCH? Willie Lynch foi um proprietário de...

Racismo Uma História

Racismo Uma História. O filme aborda o cruel legado...

Santa Catarina no Atlântico Negro – Por Beatriz Gallotti Mamigonian

Protagonismo e transformações culturais marcam a presença africana no...

para lembrar

Tese de doutorado revela práticas nazistas no Brasil

Foi pela indicação de uma aluna, que mencionou em...

“Ei, homem branco, salva a tua raça”: a proliferação de páginas nazistas no Facebook

por Marcos Sacramento A Comissão de Igualdade Racial da OAB-RJ vai...

Aluno envolvido em trote com saudação nazista é expulso da UFMG

Outros 3 estudantes foram suspensos por um semestre, diz...

Neonazismo na Uninove do campus Barra Funda: “Lugar de negro macaco é na senzala”

A mensagem foi escrita no banheiro da faculdade Uninove...
spot_imgspot_img

Líder neonazista se declara gay, revela herança judaica e abandona movimento no Reino Unido

Kevin Wilshaw, de 58 anos, passou toda a vida adulta promovendo o supremacismo branco, mas foi alvo de abusos dentro do próprio movimento no Opera...

Brasileiro manda carta de apoio a nazistas e eles respondem “não aceitamos latinos”

Brasileiro residente de Santa Catarina enviou carta de apoio ao nazismo alemão e obteve uma resposta nada agradável  Do: portal Metropole A Policia investiga o caso da...

Neonazismo na Uninove do campus Barra Funda: “Lugar de negro macaco é na senzala”

A mensagem foi escrita no banheiro da faculdade Uninove no campus Barra Funda; relatos apontam ainda que um indivíduo com uma suástica tatuada no...
-+=