Selo Negro lança segunda edição do “Dicionário escolar afro-brasileiro”

Além de abordar temas como escravidão, racismo e desigualdade social, Nei Lopes apresenta biografias de personalidades negras que se destacaram e se destacam na política, nas artes plásticas, na religião, na música, nos esportes, no ensino e em muitas outras esferas da vida cotidiana brasileira

No Folha do Estado

iStockphoto

Partindo do pressuposto de que a igualdade social pode ser alcançada especialmente pela educação, o escritor, cantor e compositor Nei Lopes apresenta aos estudantes o Dicionário escolar afro-brasileiro (176 p., R$ 47,00), segunda edição revista e atualizada, da Selo Negro Edições. Escrito com leveza, em linguagem clara e acessível, o livro traz verbetes com informações sobre o universo dos afrodescendentes no Brasil, com uma visão crítica e atualizada de temas fundamentais para a compreensão da situação do negro no país.

Militante de longa data e profundo conhecedor da cultura afro-brasileira, Nei conseguiu a proeza de unir sua erudição ao didatismo. “É um trabalho diferente em forma e conteúdo, pois traz informações mais pertinentes ao universo e à área de interesse do estudante, dando ênfase à luta contra o racismo no Brasil por intermédio de suas organizações de militância e das iniciativas daí decorrentes”, diz o autor.

O objetivo da obra, segundo Nei, é elevar a autoestima do jovem afrodescendente, dando visibilidade às personalidades negras que tanto fizeram pelo país, porém foram esquecidas no conteúdo escolar. “Na minha infância, não havia referência ao negro brasileiro, não havia exemplos positivos. Eles existem e o repertório é grande. O jovem precisa saber disso”, afirma o autor, lembrando que o resgate histórico dessas raízes poderá promover profundas mudanças sociais.

Além de abordar de forma aprofundada temas como escravidão, racismo e desigualdade social, o livro apresenta biografias de personalidades negras que se destacaram e se destacam na política, nas artes plásticas, na religião, na música, nos esportes, no ensino e em muitas outras esferas da vida cotidiana brasileira.

O estudante encontrará, por exemplo, informações sobre Abdias Nascimento, político, artista e escritor brasileiro nascido em Franca, interior de São Paulo, em 1914. Ele foi o organizador do 1º Congresso do Negro Brasileiro e fundou e dirigiu o jornal Quilombo e o Museu de Arte Negra. Há também verbetes sobre cantores, como Silvio Caldas, Pixinguinha e João da Baiana, atrizes, como Zezé Mota, e artistas, como Arthur Bispo do Rosário.

Apesar de ter sido escrito especialmente para o estudante brasileiro, o Dicionário pode ser lido por educadores, pesquisadores, militantes pelos direitos civis da população negra e qualquer pessoa que se interesse pela verdadeira história do Brasil.

O autor – Nascido na zona suburbana carioca em maio de 1942, Nei Lopes bacharelou-se pela antiga Faculdade Nacional de Direito da atual UFRJ, aos 24 anos de idade. No início dos anos 1970, abandonando advocacia, passou a se dedicar à carreira artística, tornando-se compositor profissional de música popular. Na década seguinte, destacou-se também por sua militância pelos direitos civis do povo negro, publicando a partir de 1981 alguns livros pioneiros, como Bantos, malês e identidade negra, O negro no Rio de Janeiro e sua tradição musical, Sambeabá e Novo dicionário banto do Brasil, além de artigos e ensaios no exterior e coletâneas de contos e poemas, sempre evidenciando sua condição de brasileiro afrodescendente. Sua obra mais abrangente é a Enciclopédia brasileira da diáspora africana, publicada pela Selo Negro Edições. Na música popular, é autor consagrado em parcerias e interpretações de grandes nomes do cenário artístico do país, sendo também intérprete de suas obras.

+ sobre o tema

Projeto de escolas cívico-militares é aprovado na Alesp após estudantes serem agredidos por policiais

O projeto de lei que prevê a implementação das escolas...

Educação domiciliar e seus impactos para a convivência democrática

A educação domiciliar, também conhecida internacionalmente como homeschooling, tem...

Candidatos do Rio Grande do Sul terão isenção no Enem

O ministro da Educação, Camilo Santana, anunciou que todos...

Liberdade para Ensinar e Aprender: Pesquisa Nacional Analisa Violências Sofridas por Educadores/as no Brasil

O Observatório Nacional da Violência contra Educadoras/es (ONVE), sediado...

para lembrar

Projeto Asas desenvolve lideranças nas periferias

Diante da dificuldade que o Brasil tem de criar...

Trabalho sobre ações afirmativas leva estudantes da UERJ a Harvard

Três alunos da faculdade de pedagogia do campus Baixada...

Para projeto contra preconceito, professor lista 360 termos racistas

Incomodado com o uso de palavras preconceituosas por seus...

Mais de 70% das cidades não cumprem lei do ensino afro-brasileiro

Sete em cada dez secretarias municipais de educação não...
spot_imgspot_img

FGV e Fundação Itaú oferecem bolsas de mestrado em comunicação digital e cultura de dados

A FGV-ECMI (Escola de Comunicação, Mídia e Informação da Fundação Getúlio Vargas) vai oferecer 30 bolsas integrais para o mestrado em comunicação digital e...

Projeto de escolas cívico-militares é aprovado na Alesp após estudantes serem agredidos por policiais

O projeto de lei que prevê a implementação das escolas cívico-militares na rede estadual e municipal de ensino foi aprovada na noite desta terça-feira (21) na...

Educação domiciliar e seus impactos para a convivência democrática

A educação domiciliar, também conhecida internacionalmente como homeschooling, tem sido objeto de debate em diversos contextos nacionais e internacionais, mobilizando famílias, a sociedade e...
-+=