quarta-feira, janeiro 20, 2021

Tag: Roseli Fischmann

Roseli Fischmann – Foto: Francisco Emolo/Acervo USP

Combate ao racismo em 1968: 50 antes e 50 depois

Roseli Fischmann é professora livre-docente sênior da Faculdade de Educação (FE-USP) Por Roseli Fischmann , Da USP Roseli Fischmann – Foto: Francisco Emolo/Acervo USP Alonga trajetória rumo à conquista dos direitos humanos, e especificamente dos direitos civis, teve em 1968 um de seus principais marcos, sublinhado, especialmente em solo norte-americano, por acontecimentos dramáticos. Os assassinatos do doutor Martin Luther King Jr., em 4 de abril de 1968, e do senador Robert Kennedy, em 5 de junho de 1968, banharam com sangue uma luta múltipla, diversa, que já vira antes (e, infelizmente, continuaria a ver depois) ser derramado sangue de tantos que tiveram suas vidas ceifadas. Marcha dos Direitos Civis em Washington, D.C. – Foto: U.S. National Archives and Records Administration via Wikimedia Comuns / Domínio público King e Kennedy compartilharam a luta pelos direitos civis, mas também (ou exatamente por isso) uma ...

Leia mais
roseli-fischemann

Roseli Fischmann: “Escola pública não é lugar de religião”

Acordo aprovado no Senado, que estabelece obrigatoriedade do ensino religioso na rede pública, fere a Constituição Federal Matéria de 09/2010 Foi aprovado pelo Senado brasileiro na última quarta-feira, 7 de outubro, o acordo firmado pelo presidente Luís Inácio Lula da Silva e a Santa Sé, em novembro do ano passado, que estabelece a obrigatoriedade do oferecimento de ensino religioso pelas escolas públicas brasileiras. Diz o parágrafo 1 do Artigo 11: "O ensino religioso, católico e de outras confissões religiosas, de matrícula facultativa, constitui disciplina dos horários normais das escolas públicas de ensino fundamental, assegurado o respeito à diversidade cultural religiosa do Brasil, em conformidade com a Constituição e as outras leis vigentes, sem qualquer forma de discriminação." "Se essa lei for sancionada pelo presidente, nossa constituição será violada", afirma a professora Roseli Fischmann, da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Metodista, de São Bernardo do Campo, ...

Leia mais
arquivo pessoal 288

Vitória da bola preta – por ROSELI FISCHMANN

TJ de São Paulo obriga o Club Paulistano a aceitar como dependente o companheiro gay cdaquele que já era associado Por: ROSELI FISCHMANN Supor-se acima da lei é atitude que pode ocorrer em nível individual ou institucional e pede enquadramento democrático. Por isso é exemplar e educativa a decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo que, julgando apelação do Club Athletico Paulistano, deu ganho ao casal de médicos que acionou o clube para aceitar como dependente o companheiro gay daquele que já era associado. Por que a resistência em incorporar espontaneamente decisão anterior do STF que reconhece a união homoerótica como família? Uma alegação volta-se para a estrutura organizacional dos clubes: propriedade privada, associativa, gerida a partir de regulamentos próprios, nos quais o ingresso de novos associados tem suas normas. De entrevistas e indicações de sócios mais antigos à exposição de fotos e fichas em murais postados junto a ...

Leia mais
roseli fischmann

Ombudsgirl – Roseli Fischmann

Isadora Faber, de 13 anos, aluna de escola pública de Florianópolis, ao criar o "Diário de Classe" no Facebook trouxe oportunidade de aprofundamento ao debate sobre a qualidade da educação. Usualmente restrito, na mídia, a resultados de Saeb, Prova Brasil, Ideb, indicadores quantitativos que se tornaram familiares a todos, a jovem apontou o papel do desenvolvimento crítico na sua formação como componente dessa qualidade. Permite, assim, a análise de direitos entrelaçados ao direito à educação. Por exemplo, o direito à liberdade de consciência e o direito à liberdade de expressão. Se para os professores o tema da liberdade de cátedra é incontestável como espaço da liberdade de expressão docente, para os estudantes o tema, embora crucial, não é simples. E o caso de Isadora é exemplar. O direito à liberdade de consciência implica o direito à formação dessa consciência. Ou seja, é preciso nutrir a consciência, que não se faz ...

Leia mais
estado laico

II Seminário de Educação em Direitos Humanos

Tema: Laicidade do Estado, direitos humanos e educação no Brasil Data: 23 a 25 de agosto, das 8h30 às 11h30 Público-alvo: Estudantes de cursos de Programas de Pós-Graduação, interessados e público em geral. O Seminário terá a presença de: Anivaldo Padilha (membro da equipe de assessores de KOINONIA); Daniel Antonio de Moraes Sarmento (Procurador Regional da República); Graça Graúna (Indígena da etnia/povo potiguara. Universidade Federal de Pernambuco); Edson Cardoso (Assessor Especial do Gabinete da Ministra Luiza Bairros - Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial – SEPPIR - da Presidência da República); Jung Mo Sung (Diretor da Faculdade de Humanidades e Direito da Universidade Metodista de São Paulo); Luiz Antônio Constant Rodrigues da Cunha (Sociólogo. Universidade Federal do Rio de Janeiro); Marcio de Moraes (Reitor da Universidade Metodista de São Paulo); Roberto Livianu (Promotor do Ministério Público do Estado de São Paulo, Membro do Movimento do Ministério Público Democrático ...

Leia mais
69

Atoleiro racista

Quem acha que a liberdade de expressão permite manifestações como as do deputado Jair Bolsonaro também é cúmplice do crime, afirma pesquisadora Roseli Fischmann A indignação que varre o País, e não encontra adjetivos suficientemente adequados para se expressar, como reação às falas do deputado Jair Bolsonaro, tem como base o mesmo posicionamento histórico que levou a Constituição de 1988 a incorporar, em seu artigo 5º, o racismo como crime inafiançável e imprescritível. As tentativas de burlar a lei, tentando encontrar justificativa para o injustificável, seja por parte de Bolsonaro, afundando cada vez mais em seu mar de posturas discriminatórias, seja por parte dos que o apoiam, indicam a persistência do racismo. À pergunta sobre qual seria sua reação, se seu filho se apaixonasse por uma negra, Bolsonaro disse: "Preta, não vou discutir promiscuidade com quem quer que seja. Eu não corro esse risco e meus filhos foram muito bem ...

Leia mais
roseli-ficsh

Do preconceito à promoção do direito

Enquanto texto atribuído a universitários prega violência contra colegas gays, o STJ reconhece a legalidade de adoção por casal de lésbicas do RS O amor homoafetivo esteve no centro de duas atitudes radicalmente opostas em termos éticos e de respeito aos direitos humanos. De um lado, radicada no que há de mais brutal e retrógrado, uma publicação - atribuída a universitários, mas divulgada, na internet, no mais estrito anonimato dos autores - incitava à violência contra os gays, sem meios-termos. De outro, amparada na ética e voltada para o avanço histórico, decisão inédita em nível federal, do Supremo Tribunal de Justiça (STJ), reconhecia a legalidade da adoção de crianças por casal homossexual de Bagé (RS). A grosseria do assim chamado "jornal" indica mais que conservadorismo. Ao relembrar seus leitores de fato vivido anteriormente, em festa na mesma faculdade, que envolveu violência contra estudantes gays, os autores do texto sinalizam o ...

Leia mais
roseli-ficsh

De pecados e crimes

O noticiário sobre pedofilia, atingindo religiosos da Igreja Católica, inclusive da alta hierarquia, traz tantos dados que chocam, que o Vaticano publicou editorial atacando a imprensa internacional por cumprir seu papel, qual seja, o de informar. Acostumada a tratamento diferenciado, muitas vezes privilegiado, por parte da mídia, com desvantagem para os demais grupos religiosos, a hierarquia católica reage de forma hostil à impossibilidade que teve a imprensa de postar-se como cúmplice de crimes inaceitáveis, por omissão. É certo que as relações das religiões com os poderes terrenos são assunto delicado e polêmico. Investidos de aura suprahumana, para os que crêem neste ou naquele culto, com facilidade pode ocorrer de buscarem transbordar, para o plano meramente político, o poder espiritual que lhes é atribuído pela religião, como instituição humana. Decorre daí a facilidade de, em nome da divindade, fazer acordos internacionais (como a concordata com a Santa Sé a que se ...

Leia mais
roseli-ficsh

Nas escadarias da laicidade

O Plano de Proteção à Liberdade Religiosa empacou. Outra liberdade fica para trás: a de consciência   Propor um Plano Nacional de Proteção à Liberdade Religiosa enfatizando religiões de matriz africana como o candomblé e a umbanda é iniciativa importante. Chamam a atenção críticas dos próprios interessados indicando fragilidades e limites do plano porque seu lançamento não foi frustrado por esses limites, mas pelo que seriam suas "ousadias", ao reconhecer direitos dessas minorias religiosas. O noticiário procura destacar a relação de católicos e evangélicos com o povo de santo. Seriam os dois grupos politicamente influentes, aos quais o governo estaria atento e pelos quais recuaria. Haveria essa simetria de influência? Poderiam as religiões ter tanta presença na arena do Estado? A laicidade do Estado é princípio constitucional no Brasil. É Estado que se estrutura como esfera genuinamente humana, na qual decisões dependem de seres humanos, com autonomia do poder temporal, ...

Leia mais
roseli-ficsh

Roseli Fischmann: “Escola pública não é lugar de religião”

Foi aprovado pelo Senado brasileiro na última quarta-feira, 7 de outubro, o acordo firmado pelo presidente Luís Inácio Lula da Silva e a Santa Sé, em novembro do ano passado, que estabelece a obrigatoriedade do oferecimento de ensino religioso pelas escolas públicas brasileiras. Diz o parágrafo 1 do Artigo 11: "O ensino religioso, católico e de outras confissões religiosas, de matrícula facultativa, constitui disciplina dos horários normais das escolas públicas de ensino fundamental, assegurado o respeito à diversidade cultural religiosa do Brasil, em conformidade com a Constituição e as outras leis vigentes, sem qualquer forma de discriminação." Fonte: Lista de Discriminação Racial "Se essa lei for sancionada pelo presidente, nossa constituição será violada", afirma a professora Roseli Fischmann, da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Metodista, de São Bernardo do Campo, na região metropolitana da capital paulista. Perita da Organização das Nações Unidas para ...

Leia mais
roseli-ficsh

Nem falso, nem inócuo. Exemplar

Fonte: Estado de São Paulo - por: Roseli Fischmann*- O discurso dirigido por Barack Obama aos estudantes de ensino básico no início do ano escolar foi cercado de polêmica, com acusações de que o presidente estaria se valendo da ocasião para propaganda política, imprópria por ser dirigida ao público infantil. Os ânimos se acirraram por todo o país, acusando Obama de procurar espalhar sua "ideologia socialista" ou de usar a volta às aulas para "doutrinar", incluindo cobranças sobre o custo desse gesto para os contribuintes.   Analistas indicaram que todo o clamor teria se dado pela forma desastrada com que se fez a divulgação prévia da minuta das linhas mestras no portal da Casa Branca, na internet, para sugestões; ali, uma diretriz do discurso seria o convite às crianças para perguntarem o que poderiam fazer para ajudar o presidente, sendo esse ponto questionado reiteradamente, a ponto de aparecer no discurso ...

Leia mais
Roseli Fischmann

O ódio genocida ao Outro

"Para racistas, os seres humanos que são seu alvo simplesmente não merecem viver no planeta" Roseli Fischmann* - O Estado de S.Paulofonte: jornal O Estado de São Paulo (Alíás) data: 26/04/2009A Conferência da ONU em Genebra traz questionamentos, reforçando a pergunta: por que há tanta dificuldade no debate sobre o racismo?Uma resposta é que a atual geopolítica se baseou em ideologias racistas, expressas nos colonialismos, submetendo alguns povos aos interesses de outros, com repercussões perversas até hoje. Questionar a situação é questionar a história e encontrar formas de reparação, considerando o prejuízo causado a gerações e à dignidade humana (conforme Dworkin e Arendt). Pesa também o desconforto de precisar mudar algo "que sempre foi assim", como a preguiça imoral propõe para fugir ao debate, já que as mudanças requeridas pedem desde novas atitudes individuais à proposta de novas estruturas sociais para superar injustiças.Tentando esboçar identificador universal para o flagelo, o ...

Leia mais
(Foto: Mônica Rodrigues)

Deus não freqüenta laboratório

Por Roseli Fischmann (Foto: Mônica Rodrigues) E pesquisador não é divindade. Com base nisso, educadora critica criacionismo nas aulas de ciências - Enquanto pilota um carro automático, Roseli Fischmann explica como conduz sua vida: com teoria e prática juntas, sem o revezamento entre uma e outra concebido pelo filósofo Gilles Deleuze, porque há uma pancada de muros a enfrentar. Um deles é o debate acerca do Estado laico, sobre o qual escreveu um livro de bolso para a coleção Memo, do Memorial da América Latina, lançado neste ano. Um troco diante de uma carreira que inclui coordenar a área de Filosofia e Educação da pós em Educação da USP, comanda o grupo de pesquisa do CNPq "Discriminação, Preconceito, Estigma" e ter redigido o conteúdo do tema transversal Pluralidade Cultural dos Parâmetros Curriculares Nacionais. Quando se anuncia, como nessa semana, que escolas confessionais estão adotando o criacionismo ...

Leia mais
Professora Roseli Fischmann

As arestas da (des)igualdade

Dificuldade do País nesse campo expõe um racismo peculiar, entre a ignorância e o cinismo Por Roseli Fischmann Ações afirmativas são medidas voltadas para atender grupos,da desigualdade nas singularidades e necessidades historicamente construídas de cada um, de forma a garantir bases efetivas para a democracia, pelo reconhecimento do valor insubstituível da contribuição de cada grupo à composição política da sociedade. Pressupõe-se que o mero enunciado do princípio da igualdade não a garanta, e se a garantia da igualdade é o que está em jogo, então é necessário pensar a eqüidade, trazendo medidas de encaminhamento efetivo em direção à igualdade material, como proposto, por exemplo, por John Rawls, não bastando reiterar uma suposta igualdade absoluta, que evidentemente inexiste. A categorização por grupos é questão metodológica, que facilita a adoção de políticas públicas voltadas para a eqüidade, e não questão ontológica; não se trata de categorizar pessoas, mas grupos de problemas e de ...

Leia mais

Últimas Postagens

Artigos mais vistos (7dias)

Twitter

Welcome Back!

Login to your account below

Create New Account!

Fill the forms bellow to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist