sexta-feira, março 5, 2021

Tag: Ubuntu

“Hora do Blec” é uma série de vídeos musicais destinada, principalmente, ao público na primeira infância, com temas inspirados nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Foto: PNUD

Série de desenhos voltada para a primeira infância aborda desenvolvimento sustentável

O projeto é da Ubuntu Filmes e conta com o apoio institucional do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). O contato com os conceitos e temas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) desde a infância pode influenciar a formação pessoal. Com foco no potencial da comunicação infantil como semente da equidade social, a série de desenhos “Hora do Blec” estreiou neste sábado (29) no YouTube. O projeto é da Ubuntu Filmes e conta com o apoio institucional do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). “Hora do Blec“ traz uma turma de personagens multiétnicos que vivem várias aventuras em busca de um mundo mais sustentável. Blec é o protagonista, um menino negro que tem no seu cabelo um símbolo de poder, beleza e magia. Em suas missões, Blec aciona seu talismã secreto: um pente afro que vive em seu cabelo. Quando Blec puxa o pente, aparece a fada ...

Leia mais
indio protesto,

“Bem viver” indígena: caminho para reinventar a democracia?

Seminários sondam a partir desta segunda-feira, em S.Paulo, como construir outra política em diálogo com saberes dos povos originários. Luiza Erundina participa Por Caue Seigne Ameni Do Outras Palavras — Seminário “A Reinvenção da Democracia: Bem Viver/Teko Porã, Ubuntu e Ecossocialismo” Dias 20/6 (Tucarena), 27/6 (Auditório 117) e 4/7 (Tucarena) Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC) Rua Monte Alegre, 1024 – Perdizes – São Paulo Bem Viver na cidade Dia 20/6, das19h30 às 22h30 Com Luiza Erundina, Cristine Takuá, Suely Rolnik, Vanessa Lafayette, Daniel Caballero e Wellinton Nogueira Veja e divulgue o evento no Facebook — Na próxima segunda-feira, 20 de junho, um seminário apresentará e discutirá as noções de Bem Viver, Teko Porã, Ubuntu, Ecossocalismo e Democracia Direta aplicadas à cidade de São Paulo. Os debates terão continuidade nos dias 27 de junho e 4 de julho, sempre às 19h30, no Tucarena, teatro da PUC-SP reconhecido por ter sido ...

Leia mais
blank

Ubuntu: A Filosofia Africana Que Nutre O Conceito De Humanidade Em Sua Essência

Uma sociedade sustentada pelos pilares do respeito e da solidariedade faz parte da essência de ubuntu, filosofia africana que trata da importância das alianças e do relacionamento das pessoas, umas com as outras. Na tentativa da tradução para o português, ubuntu seria “humanidade para com os outros”. Uma pessoa com ubuntu tem consciência de que é afetada quando seus semelhantes são diminuídos, oprimidos. – De ubuntu, as pessoas devem saber que o mundo não é uma ilha: “Eu sou porque nós somos”. Do Portal Raízes Eu sou humano, e a natureza humana implica compaixão, partilha, respeito, empatia – detalhou em entrevista exclusiva ao Por dentro da África, Dirk Louw, doutor em Filosofia Africana pela Universidade de Stellenbosch (África do Sul). Dirk conta que não há uma origem exata da palavra. Estudiosos costumam se referir a ubuntu como uma ética “antiga” que vem sendo usada “desde tempos imemoriais”. Alguns pesquisadores especulam sobre ...

Leia mais
blank

UBUNTU: uma ética africana para repensar a sociedade brasileira

“Eu sou porque nós somos”. Um dos três princípios fundamentais da RAiZ – Movimento Cidadanista, o Ubuntu é uma ética e filosofia de origem africana que busca entender a sociedade de uma maneira mais integral e solidária. Inseri-lo em condições de igualdade com outros dois pilares de origem ocidental (ecossocialismo) e indígena (teko porã), como sementes fundadoras do partido-movimento é por um lado um reconhecimento à contribuição dos povos africanos e afrodescendentes na construção do Brasil, e por outro lado, uma provocação e desafio para a política brasileira na busca de outro sentido ético mais inclusivo e fraterno. do Raiz Para saber um pouco mais sobre as origens do Ubuntu e o sentido de pensá-lo e praticá-lo no Brasil de hoje, entrevistamos Dennis de Oliveira, professor da USP e integrante do coletivo Quilombação. - O que é Ubuntu, qual sua origem e quais contribuições traz para pensar a relação em ...

Leia mais
blank

Ubuntu: Coletivo baiano lança rede social de aprendizagem colaborativa

A REDE SOCIAL SURGE PARA FACILITAR A COMUNICAÇÃO E COLABORAÇÃO DO DESABAFO SOCIAL E DE OUTROS COLETIVOS Do Desabafo Social  Aproveitando o Dia Internacional dos Direitos Humanos, 10 de dezembro, o Desabafo Social divulga a mais nova rede social: Ubuntu.  Ubuntu é uma expressão idiomática da língua Zulu que é traduzida para o português como “Eu sou porque nós somos”. Na crença de que somos mais quando estamos unidos (com uma unidade), o Desabafo propõe essa rede colaborativa com o intuito de conectar pessoas, ocupar espaços, estabelecer uma rede de relacionamento com foco nos direitos humanos, sobretudo na participação social e política Durante um ano e meio a Diretora de Inspiração e Fundadora do Desabafo Social, Monique Evelle, rodou sozinha a cidade de Salvador falando sobre Direitos Humanos para quem quisesse ouvir. A situação mudou quando ouviu um conselho e resolveu transformar o projeto em uma rede. “Sabemos que a ...

Leia mais
blank

Ubuntu: filosofia africana confronta poder autodestrutivo do pensamento ocidental, avalia filósofo

Filósofo congolês Jean Bosco Kakozi Kashindi fala sobre princípio do 'eu sou porque nós somos' e comenta como filosofia africana oferece elementos para pensar realidade latino-americana: 'é momento de considerar outras racionalidades' Por Ricardo Machado Do Opera Mundi “Com o Ubuntu operou-se a mudança da concepção da identidade a partir do ‘eu sou porque tu não és’ (concepção excludente) para o ‘eu sou porque nós somos, e dado que somos então eu sou’ (concepção includente)”. Desta maneira objetiva, mas contundente, Jean Bosco Kakozi Kashindi demonstra um dos principais deslocamentos teóricos e práticos da racionalidade do continente africano em relação ao olhar ocidental hegemônico. você conhece a filosofia Ubuntu? então acesse o link: Umuntu ngumuntu nagabantu Em entrevista, ele explica que a filosofia africana oferece elementos para pensar, também, a realidade latino-americana e caribenha. “Eu estimo que nessas culturas — dominadas, exploradas e marginalizadas — existe um potencial enorme para pensar, a partir de outras ...

Leia mais
Ana Branco/Ag. O Globo

Alter ajuda – A filosofia ubuntu em três lições

INÍCIO: 11 SET 2015 - SEX, 17H00 Diante de uma oferta cada vez maior de livros de autoajuda, esse curso propõe a alter ajuda: uma formulação contrária à tese de que a capacidade individual é suficiente para promover a solução de problemas. Pela alter ajuda, a construção de alternativas de auxílio individual se efetiva somente no encontro com o outro. Através da ontologia, da epistemologia e da ética ubuntu, concebidas pelo filósofo sul-africano Mogobe Ramose, será problematizada a limitação da capacidade que o indivíduo tem para cuidar de si. Do Casa do Saber INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES DATA E INÍCIO 11 Setembro - Sexta-feira, 17H00 HORÁRIO 17h DURAÇÃO 4 encontros ( 11/09 , 18/09 , 25/09 , 02/10 ) As inscrições podem ser feitas através do telefone 2227-2237 de segunda a sexta das 11 às 20 horas MINISTRADO POR RENATO NOGUERA Doutor em Filosofia pela UFRJ. Professor adjunto do Departamento de ...

Leia mais
blank

Umuntu ngumuntu nagabantu

Uma pessoa é uma pessoa por causa das outras pessoas". Ditado sul africano da tribo Ubuntu A jornalista e filósofa Lia Diskin, no Festival Mundial da Paz em Floripa, nos presenteou com um caso de uma tribo na África chamada Ubuntu. Ela contou que um antropólogo estava estudando os usos e costumes da tribo e, quando terminou seu trabalho, teve que esperar pelo transporte que o levaria até o aeroporto de volta pra casa. Como tinha muito tempo ainda até o embarque, ele então, propôs uma brincadeira para as crianças, que achou ser inofensiva. Comprou uma porção de doces e guloseimas na cidade, botou tudo num cesto bem bonito com laço de fita e tudo e colocou debaixo de uma árvore. Aí, ele chamou as crianças e combinou que quando ele dissesse "já!", elas deveriam sair correndo até o cesto e a que chegasse primeiro ganharia todos os doces que ...

Leia mais

Welcome Back!

Login to your account below

Create New Account!

Fill the forms bellow to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist