Teste rápido para HIV e sífilis é mantido pela Justiça

 

Carolina Gonçalves,

Às vésperas de lançar o teste rápido para HIV e sífilis, o governo conseguiu  vitória na Justiça em uma ação que ameaçava o programa destinado às pessoas com maior vulnerabilidade ao vírus, como gays, profissionais do sexo, travestis, transexuais e usuários de drogas.

Representantes da Sociedade Brasileira de Análises Clínicas (SBAC) tentaram limitar a aplicação do teste, alegando que apenas farmacêutico, médico patologista e biomédico estariam aptos a realizar o teste.

A 17ª Vara Federal reconheceu que os testes rápidos podem ser feitos por profissionais da saúde de nível superior. Para a Justiça Federal “não há óbice legal para que profissionais de saúde, de uma forma geral, possam realizar os testes rápidos”.

De acordo com a assessoria do Ministério da Saúde, a política foi planejada para que os testes sejam usados em um estágio inicial do diagnóstico, que não precisa ser feito em ambiente laboratorial.

A ideia é ampliar e tornar mais acessíveis os instrumentos para que a população consiga identificar a doença o mais rápido possível. O kit do teste rápido, que é produzido pelo laboratório BioManguinhos, apresenta o resultado em até 30 minutos.

Os testes rápidos começarão a ser aplicados no mês que vem. Atualmente, 40 organizações não governamentais, em todo o país, passam por treinamento para participar do programa.

A SBAC foi procurada pela Agência Brasil, mas não se manifestou.

 

 

Fonte: Agência Brasil

+ sobre o tema

Não há justificativas para que homossexuais sejam impedidos de doar sangue

Quanto vale a vida humana? Depende. Para o Estado...

Margarida Genevois recebe homenagem em Prêmio de Direitos Humanos da da OAB-SP

Discurso de Margarida Genevois, presidente de honra da Comissão...

“A minha geração, por ter nascido com HIV, foi educada para morrer”

Jovem de 26 anos mostra como aprendeu a conviver...

Mulheres que atuam no agronegócio representam 40% do segmento

Recente pesquisa realizada pela ABAG (Associação Brasileira do Agronegócio)...

para lembrar

Jurema Werneck é a nova diretora executiva da Anistia Internacional Brasil

A Anistia Internacional no Brasil estará sob nova direção...

RedeTV! faz história ao escalar primeira dupla negra à frente de telejornal

Pela primeira vez na história um telejornal foi ancorado por...

Mulheres são mais vulneráveis ao HIV e sofrem mais preconceito

A aids é mais recorrente entre homens do que...

Maior incidência de demência em mulheres pode estar relacionada à desigualdade

Um estudo envolvendo quase 30 mil indivíduos de 18 países, nos...
spot_imgspot_img

Impacto do clima nas religiões de matriz africana é tema de evento de Geledés em Bonn  

Um importante debate foi instaurado no evento “Comunidades afrodescendentes: caminhos possíveis para enfrentar a crise climática”, promovido por Geledés -Instituto da Mulher Negra em...

Comissão da Saúde aprova PL de garantia de direitos à pacientes falciformes

A Comissão de Saúde da Câmara dos Deputados aprovou, na quarta-feira (5), o Projeto de Lei nº 1.301/2023, que reconhece a doença falciforme como...

Comissão Arns recebe Prêmio Eny Moreira de Direitos Humanos

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos D. Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns recebeu, na tarde da última quarta-feira (05/06), o Prêmio Eny...
-+=