*Todos os gays são brancos. – Por: Arísia Barros

Vai lendo o que escreve o doutor em antropologia Alex Ratts, lá de Goiás…

Por: Arísia Barros

“Todas as mulheres são brancas, todos os negros são homens, mas algumas de nós são valentes” (Título da coletânea feminista negra de Gloria T. Hull, Patricia Bell-Scott, Barbara Smith)

“Amor à vida”, de Walcyr Carrasco é “a novela mais gay do Brasil” como diz o amigo-parente MGJ. Parte considerável do país para todas as noites e se detém nesta trama. Tive a chance de ver isto em algumas residências situadas em comunidades populares urbanas e rurais e até ouvir um padre comentar este fato na homilia de uma missa campal, mencionando que “todo mundo assiste o Félix” e afirmando em tom de suposta brincadeira que o jovem tecladista da igreja também o fazia.

Na novela há longos diálogos entre Félix e Niko, repletos de farpas, xingamentos e suspiros, assim como cenas de conselhos e torcidas de pobres e ricxs para que os dois fiquem juntos. Há cenas de uma disputa entre os dois e Eron, ou entre Félix e Eron por Niko. Felix foi várias vezes “cantado” por um mecânico… branco. Novos personagens gays apareceram (Túlio, paciente de Amarilys, e Samuel, seu companheiro).

São todos brancos e ricos. Deve ser mesmo “a novela mais gay do Brasil”, mas o que parece mudar, segue ao lado do que se conserva.

1. A supremacia masculina continua firme: César que cometeu algumas atrocidades, outras seriam supostas, ficou cego por certo tempo que foi necessário para que se apiedem dele, inclusive o filho, vítima de homofobia por parte dele. A supremacia masculina, mesmo gay, se conserva: “a bichá má” se torna uma boa pessoa, ainda que mordaz.

2. A misoginia segue a plenos vapores: mulheres sofrem muita violência, do xingamento (“Cadela”, diz e repete Félix para a atendente. “Piranha” diz e repete o “fino” Doutor Lutero acerca de Aline), passando por tentativas de assassinato até a morte. Há bastante feminicídio.

3. A discriminação social está lá: a patroa muito rica casa com o motorista, mas em volta continua o preconceito contra as pobres: são marcadxs por se vestirem e por comerem “mal”, falam “errado”, são risíveis. Expressões pejorativas dos circuitos gays transbordam: “bicha pão-com-ovo”.

4. A invisibilidade negra compõe o quadro: as pouquíssimas personagens negras aparecem de forma esparsa e em situação subalternizada: além de algumas domésticas, há Jaiminho, o menino órfão que tem poucas cenas de vida social, e Inaiá, a enfermeira que é identificada como soropositiva, o que parece uma punição por ela ter vida sexual com vários homens. Ela foi chamada de “xícara suja” e banida pelo principal parceiro… branco.

Na parte final do folhetim mais gay do Brasil, entre os homens brancos ricos há ironias, rasteiras, traições, alguma solidariedade, jantares caros, espaços suntuosos, mas quase não há troca de afeto, nem erotismo. No máximo, mão no ombro e piscadelas. E um antigo e profundo mar de desigualdades e separações em volta.

Fonte: *Alex Ratts, doutor em Antroplogia, professor da Universidade de Goiás.

Fonte: Cada Minuto

 

+ sobre o tema

Texas: governador compara homossexualidade com o alcoolismo

O governador do Texas, Rick Perry, que foi candidato...

Webinar debate violência de gênero e segurança de mulheres jornalistas

Resolução aprovada pela ONU para promover a segurança de...

Mulheres da Paraíba exigem ética da mídia local

Só este ano, 73 mulheres foram assassinadas na Paraíba....

Mulheres são maioria entre bolsistas, mas perdem para homens em altos cargos de ciência

As mulheres são mais da metade das bolsistas de...

para lembrar

Gestante desaparece após sair para encontrar mulher que doaria roupas para o bebê

Grávida de sete meses, Rayanne Christini mora em Bangu Do O...

As falácias do falo

Estava faz tempo decidindo se escreveria ou não esse...

25 de julho: Dia da Mulher Negra comemorado nesta segunda

O Dia Internacional da Mulher Negra será comemorado, pela...
spot_imgspot_img

IBGE: mulheres assalariadas recebem 17% menos que os homens

Dados divulgados nesta quinta-feira (20/06) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam que a disparidade salarial entre os gêneros no Brasil se mantém em...

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...
-+=