Universidade de Stanford lança o primeiro curso de liderança exclusivo para profissionais LGBT

Com o objetivo de aumentar o número de profissionais LGBT em cargos de diretoria e presidência, a Universidade de Stanford, pela primeira vez, lançou no início deste ano um programa de liderança voltado exclusivamente para gays, lésbicas, bissexuais e pessoas trans.

O curso LGBT Executive Leadership Program, ministrado na Graduate School of Business de Stanford, tem início previsto para julho deste ano, com avaliações pessoais de liderança, treinamento de gestão e estratégia e um “poderoso networking para acelerar a carreira.”

“Este é o único programa de formação executiva oferecido por uma escola de negócios líder para solucionar uma significativa lacuna de liderança para lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros no level C [CEO. CFO, COO, etc].”

 De fato, apesar do progresso em relação à união civil de pessoas do mesmo sexo, pouco se fala sobre o mercado de trabalho — sobretudo em cargos executivos. Com pouquíssimas exceções (como Tim Cook, presidente da Apple), assumir a homossexualidade sendo diretor ou presidente de uma empresa é algo raro não só nos Estados Unidos e no Brasil, como em quase todo o mundo.

“Estamos em um ponto de inflexão”, disse Dr. Thomar Wurster, um dos diretores do programa ao jornal The Wall Street Journal. “As empresas se movem rapidamente para incentivar a diversidade em suas equipes de liderança, mas o que vemos é um número muito baixo de altos executivos LGBT.”

O curso tem duração de uma semana e um custo total de US$ 12 mil (ou cerca de R$ 47,8 mil, de acordo com a cotação do Banco Central de hoje). Para se candidatar a ele, o profissional precisa ter pelo menos dez anos de experiência profissional e ao menos cinco anos em um cargo de gestão. Veja um vídeo de introdução do curso (em inglês):

+ sobre o tema

Judith Butler: Quem são os eleitores de Trump?

Quem são essas pessoas que votaram em Trump, mas...

Ódio às mulheres motivou tiroteio nos EUA e outros crimes brutais pelo mundo. Relembre

Estupro, agressões e tortura por vingança fazem parte dos...

Nota da Plataforma Dhesca sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco

A Plataforma Dhesca Brasil manifesta indignação e pesar pelos...

Machistas não passarão, nem aqui, nem na Rússia

A convite do Geledés, as membras Adriana Cecílio, Amanda...

para lembrar

Marcha das Mulheres Negras reúne milhares de pessoas no Rio

A marcha de domingo teve como principal homenageada a...

Sou gorda e minha existência não precisa de eufemismo

Não preciso mais encontrar descrições "simpáticas" para fugir do...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=