Visibilidade trans: matrículas com nome social dobram no último ano em SP

O número de matrículas registradas com nome social nas escolas da rede pública do estado de São Paulo quase dobrou no último ano letivo: teve um salto de de 819 para 1.614 registros, um aumento de 97% entre 2020 e 2021 — o mais alto desde 2015, quando escolas foram obrigadas a fazer o registro de alunos trans e travestis usando o nome com o qual se identificam.

O uso do nome social nas instituições públicas é garantido por uma resolução publicada em 2014 pela Secretaria Estadual de Educação. Desde então, o número de matrículas de alunos com nome social cresceu nove vezes, segundo dados da Secretaria Estadual de Educação enviados com exclusividade a Universa.

O nome social é um dispositivo alternativo para pessoas trans que não fizera alteração em seu nome de registro — nestes casos, o nome social aparece ao lado do nome de registro, como um indicativo de como a pessoa gostaria de ser chamada, seja nas escolas, nos hospitais ou em qualquer instituição pública.

Atualmente, essas matrículas estão distribuídas em 1.081 escolas da rede pública do estado de São Paulo, a maioria delas cursando o Ensino Médio.

Para se matricular usando o nome social ou alterar a matrícula para incluir esta informação, alunos maiores de 18 anos ou um dos responsáveis pelo estudante, quando menor de idade, devem procurar a direção da escola e preencher um requerimento. A inclusão deve ser feita em até sete dias.

De acordo com a Secretaria de Educação, o nome social aparece primeiro no sistema, e segue entre parênteses o nome civil. É o nome social que deve aparecer na lista de chamada, no boletim escolar e na carteirinha do estudante.

+ sobre o tema

O respeito à diversidade sexual em Cuba

A sociedade cubana, que tenciona promover vontades no intuito...

Lei obriga reabilitação para agressores: como isso pode ajudar as mulheres?

Embora a Lei Maria da Penha determine, desde 2006,...

Com foco em mulheres, “Malhação” tem melhor audiência em oito anos

A decisão de centrar a trama em mulheres tem...

para lembrar

spot_imgspot_img

Mulher tem aborto legal negado em três hospitais e é obrigada a ouvir batimento do feto, diz Defensoria

A Defensoria Pública de São Paulo atendeu ao menos duas mulheres vítimas de violência sexual que tiveram o acesso ao aborto legal negado após o Conselho...

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...
-+=