segunda-feira, dezembro 5, 2022
InícioÁfrica e sua diásporaAfro-brasileiros20 anos sem Oracy Nogueira, por Rafael Balseiro Zin

20 anos sem Oracy Nogueira, por Rafael Balseiro Zin

Neste 16 de fevereiro de 2016, recordamos os 20 anos de falecimento do sociólogo paulista Oracy Nogueira (1917-1996), autor de uma das mais importantes análises sobre as dinâmicas que circundam o preconceito racial existente contra a população negra no Brasil, e que foi elaborada em meados de 1950, momento em que as ciências sociais iniciavam o seu processo de institucionalização no país. Natural da cidade de Cunha, interior do estado de São Paulo, Oracy inaugurou sua trajetória acadêmica, aos 23 anos, no curso , oferecido pela então Escola Livre de Sociologia e Política de São Paulo (ELSP), onde entrou em contato com professores estrangeiros de renome internacional, como Donald Pierson, Radcliffe-Brown e Emílio Willems, além dos brasileiros Sérgio Milliet e Mário Wagner Vieira da Cunha, responsáveis diretos por sua formação.

Na ELSP, realizou pesquisas originais e que entrariam para a história das ciências sociais no Brasil. A primeira delas, foi sua dissertação de mestrado, defendida, em 1945, e que resultou no livroVozes de Campos de Jordão, cujo objetivo principal foi caracterizar a vida dos tuberculosos habitantes da cidade, que ficou bastante conhecida, na primeira metade do século XX, por ser considerada uma estação de cura, devido ao seu clima seco e ameno. A segunda pesquisa, de maior fôlego e importância, foi empreendida entre os anos de 1942 e 1955 e resultou, tempos depois, em seu livro Tanto preto quanto branco. Para discutir sobre o processo de discriminação racial existente no Brasil, num período em que vigorava, aqui e no exterior, a ideia de uma absoluta harmonia entre brancos e negros, Oracy Nogueira apresentou, como contribuição original, as definições dos conceitos de “preconceito de marca” e “preconceito de origem”, elaborados a partir dos estudos comparados entre o Brasil e os Estados Unidos.

Em nossa sociedade, de acordo com o sociólogo, o preconceito e a exclusão racial estão muito mais ligados à aparência do que à origem biológica ou étnica dos indivíduos, enquanto que, na realidade norte-americana, essa mesma lógica funcionava inversamente. No Brasil, por exemplo, quanto mais escura é a cor da pele e mais pobre é o sujeito, maior é a tendência de ele ser excluído do modelo socioeconômico estabelecido. Do contrário, quanto mais clara for a cor da pele e mais aparentemente endinheirado, menor será a discriminação e, consequentemente, maiores serão as oportunidades. Por mais simples que esta ideia possa parecer num primeiro momento, ela revela, em essência, como as diferenças raciais se estabelecem no Brasil, a partir de configurações cromáticas e econômicas, influenciando, acima de tudo, os processos de maior ou menor aceitação do negro na sociedade brasileira.

Oracy Nogueira pertence a uma geração de intelectuais cuja trajetória de vida se entrelaça com a das ciências sociais no país. Em 2007, cerca de dez anos após sua morte, seus arquivos constituíram o Fundo Oracy Nogueira, que está sob os cuidados do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Nestes exatos 20 anos de seu falecimento, portanto, com todo o respeito e admiração que lhe é devido, devemos nos lembrar de suas valiosas contribuições e de seu importante legado para a edificação do pensamento social no Brasil.

Rafael Balseiro Zin – Mestrando em ciências sociais e sociólogo pela FESPSP, com especialização em Estudos Brasileiros: sociedade, educação e cultura. Ele é membro do Núcleo de Direitos Humanos da FESPSP. pesquisador, do Núcleo de Estudos em Arte, Mídia e Política (Neamp). Tem experiência nas áreas de Sociologia, Estudos Culturais e Estudos Literários. Atuando com os seguintes temas: pensamento social brasileiro; trajetória intelectual dos escritores negros no Brasil; literatura de autoria negra e feminina no Brasil; literatura abolicionista escrita por mulheres no Brasil dos oitocentos; literatura afro-brasileira e resistência; história da população negra no Brasil; e políticas de promoção da igualdade racial.

Foto em destaque: Reprodução/ GGN

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench