20 anos sem Oracy Nogueira, por Rafael Balseiro Zin

Neste 16 de fevereiro de 2016, recordamos os 20 anos de falecimento do sociólogo paulista Oracy Nogueira (1917-1996), autor de uma das mais importantes análises sobre as dinâmicas que circundam o preconceito racial existente contra a população negra no Brasil, e que foi elaborada em meados de 1950, momento em que as ciências sociais iniciavam o seu processo de institucionalização no país. Natural da cidade de Cunha, interior do estado de São Paulo, Oracy inaugurou sua trajetória acadêmica, aos 23 anos, no curso , oferecido pela então Escola Livre de Sociologia e Política de São Paulo (ELSP), onde entrou em contato com professores estrangeiros de renome internacional, como Donald Pierson, Radcliffe-Brown e Emílio Willems, além dos brasileiros Sérgio Milliet e Mário Wagner Vieira da Cunha, responsáveis diretos por sua formação.

Na ELSP, realizou pesquisas originais e que entrariam para a história das ciências sociais no Brasil. A primeira delas, foi sua dissertação de mestrado, defendida, em 1945, e que resultou no livroVozes de Campos de Jordão, cujo objetivo principal foi caracterizar a vida dos tuberculosos habitantes da cidade, que ficou bastante conhecida, na primeira metade do século XX, por ser considerada uma estação de cura, devido ao seu clima seco e ameno. A segunda pesquisa, de maior fôlego e importância, foi empreendida entre os anos de 1942 e 1955 e resultou, tempos depois, em seu livro Tanto preto quanto branco. Para discutir sobre o processo de discriminação racial existente no Brasil, num período em que vigorava, aqui e no exterior, a ideia de uma absoluta harmonia entre brancos e negros, Oracy Nogueira apresentou, como contribuição original, as definições dos conceitos de “preconceito de marca” e “preconceito de origem”, elaborados a partir dos estudos comparados entre o Brasil e os Estados Unidos.

Em nossa sociedade, de acordo com o sociólogo, o preconceito e a exclusão racial estão muito mais ligados à aparência do que à origem biológica ou étnica dos indivíduos, enquanto que, na realidade norte-americana, essa mesma lógica funcionava inversamente. No Brasil, por exemplo, quanto mais escura é a cor da pele e mais pobre é o sujeito, maior é a tendência de ele ser excluído do modelo socioeconômico estabelecido. Do contrário, quanto mais clara for a cor da pele e mais aparentemente endinheirado, menor será a discriminação e, consequentemente, maiores serão as oportunidades. Por mais simples que esta ideia possa parecer num primeiro momento, ela revela, em essência, como as diferenças raciais se estabelecem no Brasil, a partir de configurações cromáticas e econômicas, influenciando, acima de tudo, os processos de maior ou menor aceitação do negro na sociedade brasileira.

Oracy Nogueira pertence a uma geração de intelectuais cuja trajetória de vida se entrelaça com a das ciências sociais no país. Em 2007, cerca de dez anos após sua morte, seus arquivos constituíram o Fundo Oracy Nogueira, que está sob os cuidados do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Nestes exatos 20 anos de seu falecimento, portanto, com todo o respeito e admiração que lhe é devido, devemos nos lembrar de suas valiosas contribuições e de seu importante legado para a edificação do pensamento social no Brasil.

Rafael Balseiro Zin – Mestrando em ciências sociais e sociólogo pela FESPSP, com especialização em Estudos Brasileiros: sociedade, educação e cultura. Ele é membro do Núcleo de Direitos Humanos da FESPSP. pesquisador, do Núcleo de Estudos em Arte, Mídia e Política (Neamp). Tem experiência nas áreas de Sociologia, Estudos Culturais e Estudos Literários. Atuando com os seguintes temas: pensamento social brasileiro; trajetória intelectual dos escritores negros no Brasil; literatura de autoria negra e feminina no Brasil; literatura abolicionista escrita por mulheres no Brasil dos oitocentos; literatura afro-brasileira e resistência; história da população negra no Brasil; e políticas de promoção da igualdade racial.

Foto em destaque: Reprodução/ GGN

+ sobre o tema

Dia 20 de novembro é o Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra

Algumas cidades brasileiras decretaram feriado nesta data O...

Agô Performances Negras lança documentário para o espetáculo “BANZO” e faz exibição online no próximo dia 14 de março

Refletindo sobre a legitimação, valorização e conscientização da história...

Congo: Governo quer reduzir rapidamente mortalidade materna

O Congo lançou quarta-feira a sua Campanha para...

Gilberto Gil será supervisor musical de “Orfeu Negro” na Broadway

    O cantor e compositor Gilberto Gil será o supervisor musical da...

para lembrar

Nina Simone: a arte contra o racismo

O movimento dos direitos civis é um dos momentos...

Consciência negra é mudança. Mudança para o novo

Ao longo de nossa história recente, diversos movimentos sociais...

Isabel Fillardis interpreta cantora que desafiou preconceitos no século 19

O sorriso generoso de Isabel Fillardis já denuncia que...

: Lázaro Ramos entrevista Carlos Moore – programa ESPELHO

  Programa ESPELHO Canal Brasil AQUI para ver o canal em sua...
spot_imgspot_img

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...

Nota de pesar: Flávio Jorge

Acabamos de receber a triste notícia do falecimento do nosso amigo e companheiro de militância Flávio Jorge, o Flavinho, uma das mais importantes lideranças...

Estou aposentada, diz Rihanna em frase estampada na camiseta

"Estou aposentada", é a frase estampada na camiseta azul que Rihanna, 36, vestia na última quinta-feira (6), em Nova York. Pode ter sido uma brincadeira, mas...
-+=