22 países europeus ainda tinham esterilização obrigatória para pessoas trans

Esterilização não é mais obrigatória para pessoas trans em países da Europa

no 24 Horas News

Na semana passada, o Tribunal Europeu de Direitos Humanos decidiu que a exigência de esterilização de indivíduos que buscam uma mudança em seu reconhecimento legal de gênero viola os direitos humanos e não pode mais ser obrigatória para pessoas trans em 22 países europeus

22 países na Europa ainda obrigam a esterilização como forma de ter acesso ao reconhecimento da identidade de gênero. Mas as decisões recentes exigirão que todos mudem suas leis e políticas relativas à isso.

Segundo o site “PinkNews”, este acordo resulta de três processos contra a França apresentados em 2012 e 2013, que alavancaram o artigo 8º da Convenção Europeia dos Direitos do Homem, o “Direito ao respeito dos direitos privados e familiares”, o artigo 3º da Convenção, a “Proibição da Tortura” e o Artigo 14 de “Proibição de discriminação”.

Apesar do elemento positivo da decisão, o tribunal não diz mais que os exames médicos e os diagnósticos de saúde mental violam a Convenção Europeia dos Direitos do Homem.

Jessica Stern, diretora executiva da OutRight Action International, comentou sobre a decisão, dizendo: “Hoje o mundo caminhou na direção certa para os direitos trans em todos os lugares. Forçar intervenções médicas desnecessárias para acessar os direitos humanos básicos como o reconhecimento legal do gênero de uma pessoa é bárbaro”, afirma Jessica.

Ela também afirma que, à medida que mais países revisam as leis para o reconhecimento da identidade de gênero, é essencial que eles renunciem a políticas desatualizadas e sigam a legislação de lugares como Malta ou Argentina, que priorizam a autodeterminação para reconhecer o gênero.

Julia Ehrt, Diretora Executiva da Transgender Europe, uma organização de direitos humanos que esteve na luta contra essas leis, também comentou a decisão. “Hoje é uma vitória para as pessoas trans e os direitos humanos na Europa. Esta decisão encerra o capítulo negro da esterilização induzida pelo Estado na Europa”, diz Julia. “Os 22 estados nos quais uma esterilização ainda é obrigatória terão de acabar rapidamente com esta prática. Estamos ansiosos para apoiar esses e outros países na reforma da sua legislação nacional “.

+ sobre o tema

Até quando haverá racismo contra as mulheres negras em Portugal?

Na Amadora, uma mulher/mãe/vítima negra foi algemada, sofrendo, sangrando,...

Futebol inglês veste arco-irís em campanha contra homofobia no esporte

Futebol inglês veste arco-irís em campanha contra homofobia no...

Mulheres negras na magistratura

A EDUCAFRO está lançando um novo programa para investir...

10 mulheres negras ativistas de destaque no Brasil

Sabemos que existem muitas mulheres negras brasileiras que contribuem...

para lembrar

“Queria ser a Luedji dos meus pais, do projeto político, mas a Luedji mesmo é cantora e compositora”

A cantora baiana prepara-se para sua primeira turnê internacional....

Rosa Parks

O marco inicial deste movimento se deu no sul...

Homofobia no Brasil: estatística de guerra

Assassinato de 1,3 mil pessoas em seis anos revela...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=