4 relatos acusam a balada sertaneja Villa Mix de racismo e discriminação

 

Discriminação racial, social e estética. Estas são as três acusações que constam no inquérito aberto pelo Ministério Público contra o Villa Mix, balada sertaneja localizada na Vila Olímpia, em São Paulo. O MP, junto à divisões de direitos humanos, deu prazo de vinte dias, a partir do dia 5 de agosto, para receber uma resposta da casa sobre as acusações. Entretanto, segundo o Ministério, o tempo limite foi esgotado sem qualquer posicionamento da casa – que é de propriedade da dupla Jorge e Mateus.

por Marcos Candido no Elástica

As recentes denúncias formais começaram a surgir no início de agosto, mas as queixas são antigas. O espaço foi fundado em 2011, e desde 2012 há relatos de pessoas que foram barradas na porta por não se enquadrarem ao ‘perfil’ do local. Na prática, isso significa o impedimento de pessoas negras, acima do peso e até ‘mal arrumadas’ de curtirem shows que acontecem no espaço às quartas, sextas e sábados.

vilamixes

Para amplificar o debate, a página Boicote Mix foi criada no início de agosto, reunindo depoimentos (na sua maioria, anônimos), vídeos e fotos que mostram abusos cometidos por seguranças e promoters do estabelecimento. A prática é inconstitucional, discriminatória e zoada. Reunimos alguns relatos, enviados para a Boicote Mix, que podem te motivar a partir para um rolê mais democrático:

1. Racismo

“Fui em um grupo de aproximadamente 8 pessoas para esse estabelecimento, às 22h30. Estávamos em frente à balada, todos com o nome na mesma lista. Eu e minha amiga, também negra, resolvemos entrar um pouco depois do grupo (todos brancos). Nossos amigos entraram e alguns minutos depois, quando fomos tentar entrar, disseram que nossos nomes não estavam na lista. 

Após tentarmos, em vão, mostrar que nosso nome estava na lista, mostrando o e-mail, perguntei à atendente se teria outra maneira de entrar na casa sem estar com nome na lista. Ela disse ‘sim’, pelo camarote, e eu disse ‘tudo bem, eu pago o camarote’. Na fila do camarote fui informada que lá estava lotado e não poderia entrar. Considerando que cheguei 22h30 na balada e, por volta das 23h30 (foi uma hora insistindo para entrar) não tinha mais ninguém na fila e a casa não estava na lotação máxima. Dava para ver na cara dos seguranças o constrangimento que a situação estava causando. Depois de ver que nada faria as hostess (super mal educadas) mudarem de ideia, decidi ir embora. Para não estragar minha noite, fui para outra balada. Cheguei a dizer à hostess que ia chamar a polícia e ela me disse ironicamente: ‘Chama, não vai fazer diferença’. Enquanto isso ‘promoters’, gerentes ou não sei que cargo eles desempenhavam, ignoravam o que estava acontecendo. Foi um dia ruim na minha vida pela situação e posso dizer que foi humilhante o que passei, mas como negra sei que ainda passarei, infelizmente, por momentos parecidos como esse ao longo da minha vida.”

2. Mais racismo

“Fui barrado lá duas vezes já – inclusive, uma vez foi ontem. Nas duas vezes, meus amigos da mesma lista que eu entraram, e eu era o único negro da turma. Ontem, quando liguei pra polícia militar, eles enviaram uma viatura e o policial não quis registrar meu B.O. por acreditar que era “frescura” minha. De acordo com as palavras dele, isso ‘não tinha nada a ver’ e que ‘era coisa da minha cabeça’”.

3. Preconceito estético

“A última vez em que estive no Villa Mix, mandei o nome para o promoter para ser VIP. Na porta da balada, como de costume, muitas meninas estavam se espremendo, tentando de todas as maneiras chamar a atenção de algum promoter para conseguir entrar. E, como de costume, os promoters e a mulher que fica lá na entrada (muito antiprofissional por sinal) selecionando as meninas que entrariam. Mandei mensagem para o promoter que tinha mandado a lista, perguntando se iria entrar e a resposta foi ‘suas amigas são bonitas? Não tem cara de novinha?’ Depois de muita conversinha assim, entrei na balada e encontrei o promoter. Perguntei por que só no Vila Mix era essa palhaçada toda pra entrar.”

4. Machismo

“Fui ao Villa Mix uma vez só. Na época, fui com 2 amigas, vestida como normalmente saímos, não para seguir um padrão, embora tenha visto que esse era o padrão: saia, camisa e salto. E uma outra foi em um estilo mais cowgirl: shorts jeans destroyed, blusinha e uma bota cano alto. Todas tinham nome na lista. Eu e a amiga que estávamos ‘no padrão’ entramos sem pagar. A outra alegaram que o nome não estava na lista e que precisava pagar. O mais cara de pau é que ela havia mandado os 3 nomes. Como ela iria esquecer o dela? Ela aceitou pagar. Quando estava entrando só ouvi a hostess falar: “só liberei porque ela tem potencial, mas é cafona. As amigas deveriam avisar”. OIIIIII? Enfim… Quando entramos estávamos na pista bebendo por nossa conta porque, né, cada uma que banque sua balada. Quando uma hostess chegou em mim e disse: ‘Tá sozinha?’, e eu disse ‘não’. Ela: ‘quem tá com você?’ Apontei as duas amigas. Ela pegou três pulseiras e falou assim: “Tá vendo aquele camarote do lado esquerdo? Pode ficar lá que os meninos estão precisando de amigas.’”

***
Tentamos falar com o Villa Mix, mas a balada não conta mais com uma equipe de porta-voz. A página Boicote Mix, administrada pela jornalista Stephane Calazans, evoluiu e agora também propaga denúncias sobre discriminação ocorrida em outras baladas.

+ sobre o tema

para lembrar

Racismo no futebol: o que podemos aprender com as últimas declarações de Vampeta

Heltton Matheus Cardoso Rodrigues tem 22 anos e para...

Ministério Público denuncia 9 policiais por ‘exterminio’ na Bahia

O Ministério Público do Estado ajuizou denúncia contra nove...

Igual por Direito – Diversidade racial no universo jurídico

No dia 21/11 a FGV Direito SP, em parceria...

Faltava falar das flores

Eu sou conversadeira, sempre fui. Minha mãe, Dona Anna,...
spot_imgspot_img

Família de João Pedro protesta contra decisão que absolveu policiais

Os parentes do adolescente João Pedro, morto por policiais civis durante uma operação na comunidade do Salgueiro, em São Gonçalo, no Grande Rio, em...

Não há extrema direita moderada

O que faz de nós brasileiros é a implacável capacidade de banalizar barbaridades. O esporte nacional neste país é justificar com voz mansa e...

Ronilso Pacheco: Ninguém está seguro no Rio de Janeiro se é negro

A fala do governador Cláudio Castro (PL) em defesa de policiais que apontaram uma arma para três jovens filhos de diplomatas em Ipanema, região...
-+=