A estágiária Ester Elisa da Silva Cesário diz que foi transferida para o arquivo

A estudante de pedagogia Ester Elisa da Silva Cesário, 19 anos, que diz ter sido vítima de racismo no Colégio Internacional Anhembi Morumbi, no Brooklin (zona sul), onde trabalha como estagiária, afirmou ontem que passou a ser “excluída” e foi transferida para o arquivo depois de o seu caso começar a ser divulgado na internet.

A funcionária, estagiária de departamento de marketing do colégio, é negra e tem cabelo crespo. Ela diz que a diretora pediu a ela para alisar o cabelo e para usar camisetas compridas para esconder os quadris grandes.

Contratada em 1º de novembro, ela costumava ficar ao lado da recepção e mostrava o colégio para os pais interessados em matricular seus filhos.

Na última segunda-feira, quando o caso ganhou repercussão em redes sociais, diz que foi transferida para o arquivo, em uma sala em frente à direção.

“Agora só arquivo documentos e carimbo carteiras dos alunos”, diz a jovem.

Resposta

A conselheira do colégio Mercedes Vieira disse que não houve mudança de função. O colégio nega discriminação.

 

OUÇA A MATÉRIA

 

Veja o vídeo da Materia no Jornal Nacional

Leia a matéria: 

Racismo no Colégio Anhembi Morumbi – Estagiaria forçada a alisar o cabelo para manter a ‘boa aparência’

Fonte: Correio do Povo  

 

 

+ sobre o tema

Iza faz show em live para anunciar gravidez: ‘Parece que o mundo já mudou de cor’

A cantora Iza está grávida de seu primeiro filho....

Foi a mobilização intensa da sociedade que manteve Brazão na prisão

Poucos episódios escancararam tanto a política fluminense quanto a...

Selo Sesc lança Relicário: Dona Ivone Lara (ao vivo no Sesc 1999)

No quinto lançamento de Relicário, projeto que resgata áudios...

para lembrar

Carta de repúdio ao racismo praticado na formatura de História e Geografia da PUC

Durante a tradicional cerimônia de formatura da PUC, onde...

PARANÁ: Caso de racismo leva treinador a pedir demissão no estadual

  O treinador Agenor Picinin pediu demissão do...

‘Prefiro que a loira me atenda’, diz cliente a atendente negra em restaurante

Após ser atendida pela funcionária branca e de cabelos...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=