sábado, dezembro 3, 2022
InícioÁfrica e sua diásporaEsquecer? JamaisA história de três escravos africanos durante o colonialismo espanhol, contada por...

A história de três escravos africanos durante o colonialismo espanhol, contada por seus ossos – ScienceDaily

A história de três escravos africanos durante o colonialismo espanhol, contada por seus ossos.

Apesar da infâmia do comércio transatlântico de escravos, a pesquisa científica ainda precisa explorar completamente a história dos africanos escravizados trazidos para a América Latina. Em um estudo publicado no dia 30 de abril na revista Biologia Atual, os cientistas contam a história de três escravos africanos do século XVI identificados em um cemitério em massa na Cidade do México. Usando uma combinação de análises genéticas, osteológicas e isotópicas, os cientistas determinaram de onde na África eles provavelmente foram capturados, as dificuldades físicas que experimentaram como escravos e que novos patógenos eles podem ter carregado com eles através do Atlântico. Este estudo mostra uma imagem rara da vida dos escravos africanos durante a colonização espanhola inicial e como sua presença pode ter moldado a dinâmica da doença no Novo Mundo.

“Usando uma abordagem interdisciplinar, desvendamos a história de vida de três indivíduos sem voz que pertenciam a um dos grupos mais oprimidos da história das Américas”, diz o autor sênior Johannes Krause, arqueogeneticista e professor do Max-Planck. Instituto de Ciências da História Humana.

Os três indivíduos foram encontrados dentro de uma vala comum no Hospital Real San José de los Naturales, na Cidade do México, um antigo local hospitalar amplamente dedicado ao atendimento à comunidade indígena. “Ter africanos no México tão cedo durante o período colonial nos diz muito sobre a dinâmica da época”, diz o primeiro autor Rodrigo Barquera, estudante de graduação do Instituto Max-Planck de Ciências da História Humana. “E desde que foram encontrados neste local de sepultamento em massa, esses indivíduos provavelmente morreram em um dos primeiros eventos epidêmicos na Cidade do México”.

Os pesquisadores extraíram dados genéticos e isotópicos dos dentes dos indivíduos, reunindo suas vidas antes da escravidão. “A genética deles sugere que eles nasceram na África, onde passaram toda a juventude. Nossas evidências apontam para uma origem da África Austral ou Ocidental antes de serem transportadas para as Américas”, diz Barquera.

Um exame mais atento de seus ossos revelou uma vida de severas dificuldades quando chegaram às Américas. Os antropólogos encontraram grandes inserções musculares na parte superior do corpo de um esqueleto, provavelmente apontando para o trabalho físico contínuo. Outro indivíduo teve os restos de tiros de balas de cobre, enquanto o terceiro teve uma série de fraturas no crânio e nas pernas. A equipe também pôde dizer, no entanto, que o abuso não acabou com suas vidas. “Dentro de nossas osteobiografias, podemos dizer que eles sobreviveram aos maus-tratos que receberam. A história deles é de dificuldade, mas também de força, porque, embora tenham sofrido muito, eles perseveraram e resistiram às mudanças impostas a eles”, diz Barquera.

Dos restos mortais, os pesquisadores também recuperaram o material genético de dois patógenos que infectaram dois dos indivíduos enquanto estavam vivos. “Descobrimos que um indivíduo estava infectado com o vírus da hepatite B (HBV), enquanto outro estava infectado com a bactéria que causa a guinada – uma doença semelhante à sífilis”, diz a co-autora sênior Denise Kühnert, matemática que trabalha na filogenia da doença, do Instituto Max-Planck para a Ciência da História Humana. “Nossas análises filogenéticas sugerem que os dois indivíduos contraíram suas infecções antes de serem trazidos à força para o México”.

Estes são os primeiros restos humanos nas Américas, nos quais o HBV e o guincho foram identificados, sugerindo que o tráfico de escravos pode ter introduzido essas doenças na América Latina muito cedo no período colonial. Isso é particularmente significativo para guinadas, como era bastante comum no povo mexicano durante o período colonial. “É plausível que a guinada não tenha sido trazida apenas para as Américas através do comércio transatlântico de escravos, mas que posteriormente tenha tido um impacto considerável na dinâmica da doença na América Latina”, diz Kühnert.

Ao conduzir a ciência dessa maneira interdisciplinar, os pesquisadores agora são capazes de responder a perguntas profundas sobre as raízes da cultura mexicana. “Queremos ter uma ideia de como os patógenos surgiram e se espalharam durante o período colonial na Nova Espanha, mas também queremos continuar a explorar as histórias de vida dos africanos trazidos para cá e outras partes das Américas. Dessa forma, eles podem dar uma lugar mais visível na história da América Latina “, diz Barquera.

Fonte da história:

Materiais fornecidos por Cell Press. Nota: O conteúdo pode ser editado por estilo e duração.

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench