A internet invisível

Nos habituamos a chamar de nativo digital o pessoal que nasceu depois da internet. No Brasil, em escala comercial, o diálogo entre computadores surgiu em 1995. Com os smartphones e tablets, a partir de 2007, foi a vez dos nativos polegares: bebês que pressionam o polegar na tela enquanto sugam o peito da mãe. Mas, de certa maneira, todos somos nativos de alguma tecnologia. Minha geração, por exemplo, foi nativa da televisão – desembarcada no país em 1950. No disco rígido da memória, não retenho nenhuma sala de estar sem TV. É claro, elas eram de tubo, preto e branco, com BD – baixa definição. Mas a garotada se amarrava. Olhos vidrados no Nacional Kid, Vigilante Rodoviário, Almoço com as Estrelas. Do mesmo jeito que os pequenos de agora, queríamos ação, emoção, ilusão. Três palavrinhas que, desde a Idade da Pedra, têm os humanos como nativos.

Por Fernanda Pompeu  Do yahoo

Meus pais nascidos na década de 1930 foram nativos da energia elétrica. Cresceram acendendo interruptores e levando alguns choques ao enfiarem o indicador na tomada. Tenho certeza que eles se espantavam quando meus avós falavam de lampiões de gás e de querosene. Igualzinho ao espanto do adolescente de hoje, quando os mais velhos narram: “Na minha época não tinha internet. Nem se sonhava com celulares. Rede social era festa no apê”. Os nativos digitais fazem cara de dó ao saberem que as cartas eram escritas à mão, levadas ao correio, seladas, despachadas. Mas havia o outro lado da moeda: o coração disparado quando às vezes, meses depois, chegava a resposta. A canção dos cariocas Aldo Cabral e Cícero Nunes, gravada em 1946, canta isso melhor: Quando o carteiro chegou / E o meu nome gritou / Como uma carta na mão / Ante surpresa tão rude / Nem sei como pude / chegar ao portão/ (…) Tanta verdade risonha / Ou mentira tristonha, uma carta nos traz / Assim pensando rasguei sua carta / E queimei, para não sofrer mais.

O que existe de comum entre todos os nativos, independentemente das datas de nascimento, é a capacidade de desfrutar de uma tecnologia sem percebê-la. Eu assistia à TV sem me perguntar como equando ela havia sido inventada. Para mim ela era tão natural quanto o pé de mamão que havia no quintal da casa. Idem para o telefone – preto, pesado, de disco. Ele estava sobre a mesinha do corredor com igual naturalidade que o Wi-Fi está por toda minha casa hoje. Nem noto. Nem penso. A internet para a garotada tem a idade das formigas que zanzam e atazanam na pia da cozinha. Aliás, vale a pergunta: formigas são nativas do quê?

+ sobre o tema

STF começa a julgar nesta terça (18) supostos mandantes da morte de Marielle

O Supremo Tribunal Federal (STF) inicia, na tarde desta...

PL antiaborto viola padrões internacionais e ameaça vida, diz perita da ONU

O PL antiaborto viola padrões internacionais de direitos humanos...

Prefeitura de São José dos Campos retira obra sobre mulheres cientistas das escolas

A prefeitura de São José dos Campos (SP) recolheu...

A direita parlamentar parece ter perdido sua bússola moral

Com o objetivo de adular a extrema direita e...

para lembrar

A criminalização do pensamento crítico

É esse pensamento crítico que assusta os promotores da...

Uruguai rejeita proposta de reduzir a maioridade penal

Junto das eleições presidenciais e parlamentares, o Uruguai realizou...

Professora salva escola de atentado e recebe ligação de agradecimento de Obama

Uma funcionária de uma escola na na cidade de...

Misture para degustar

Fui formada no erudito versus popular. Sendo que...

Janja defende direito ao aborto legal, diz que projeto é ‘absurdo’ e afirma que Congresso deve garantir acesso ao SUS

A primeira-dama Rosângela da Silva, a Janja, afirmou que do projeto de lei (PL) 1904, que quer colocar um teto de 22 semanas no acesso ao...

Saiba quem são os deputados que propuseram o PL da Gravidez Infantil  

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (12), a tramitação em regime de urgência do projeto de lei que equipara aborto acima de 22 semanas...

Com PL do aborto, instituições temem mais casos de gravidez em meninas

Entre 1º de janeiro e 13 de maio deste ano, foram feitas 7.887 denúncias de estupro de vulnerável ao serviço Disque Direitos Humanos (Disque...
-+=