A Pequena Ruby Bridges e a História do Racismo nos EUA

“Ruby Bridges, uma criança de Nova Orleans protagonizou um das fotografias mais importantes do século XX. O que deveria ser rotina, sua caminhada até a escola, se transformou em uma cena inesquecível: Ruby, na estatura de seus seis anos de idade, desce uma escadaria sob a escolta de policiais federais” – Dj Black Josie
Norman Rockwell, fotógrafo e ilustrador.

 

Do PPABerlin

ruby-bridges-norman-rockwell

 

ruby-thumb-400xauto-4400

Ruby Bridges é um ícone do movimento pelos direitos civis. E é  o livro “Through My Eyes” onde é contada a história  em primeira mão de como era ser uma garota negra de 6 anos de Nova Orleans, Louisiana, que preparou o terreno para a integração escolar.

Em 1954, ano em que Ruby nasceu, o  Supremo Tribunal dos EUA ordenou o fim do “separados mas iguais”  na educação para crianças Africano-Americanas. Escolas no sul do país ignoraram a decisão.  À Louisiana foi dado o prazo até  final de setembro de 1960, para integrar as escolas de Nova Orleans. Elas começariam com os Jardins de Infancia  e iriam  integrar um ano escolar de cada vez.  RubyBridges era apenas uma das cinco crianças negras que passaram no teste para determinar quais seriam as crianças que seriam enviados para as escolas dos “brancos”. O teste havia sido  criado de uma maneira para que as crianças negras não fossem capazes de passar.  A família de Ruby tomou a decisão de lutar por seus direitos e inscreveu a pequena Ruby no primeiro grau em uma escola toda branca. Ela seria a única criança negra lá.

Ruby chegou para seu primeiro dia de aula com uma  escolta de quatro agentes federais e foi apulpada por uma multidão sinistra das donas de casa  e adolescentes enraivecidos.  Mães furiosas  tiraram as suas crianças da escola, alegando que elas só voltariam quando  Ruby tivesse deixado o local.  Por todo esse ano letivo a escola ensinou apenas para   cinco alunos. Ruby e outros quatro estudantes brancos.

O Filme: “Ruby Bridges – Uma Menina luta por seus Direitos”, Drama, USA 1998
O Filme: “Ruby Bridges – Uma Menina luta por seus Direitos”, Drama, USA 1998

Sinopse: New Orleans, 1960: embora o governo federal garantisse o acesso dos negros às escolas de brancos, a realidade local era outra. Ruby Bridges, uma menina de 6 anos, se destaca intelectualmente e por isso uma associação procura os Bridges para que ela seja uma das primeiras crianças negras a estudar numa tradicional escola de brancos. Mesmo receosos, os pais autorizam, mas agentes federais a acompanham, pois os protestos eram diários e o preconceito estava até na escola. Sua sorte foi ter encontrado uma professora que a protegia.

rubybook3

New Orleans, 1960: embora o governo federal garantisse o acesso dos negros às escolas de brancos, a realidade local era outra. Ruby Bridges, uma menina de 6 anos, se destaca intelectualmente e por isso uma associação procura os Bridges para que ela seja uma das primeiras crianças negras a estudar numa tradicional escola de brancos. Mesmo receosos, os pais autorizam, mas agentes federais a acompanham, pois os protestos eram diários e o preconceito estava até na escola. Sua sorte foi ter encontrado uma professora que a protegia.

O Livro de Ruby Bridges

(Ruby Bridges is an icon of the civil rights movement.  And it is inThrough My Eyes that we are given a first hand account of what it was like to be a small 6 year old black girl in New Orleans, Louisiana who sets the stage for school integration.

In 1954, the year that Ruby was born, the U.S. Supreme Court ordered the end of  “separate but equal” education for African-American children.  Schools in the deep south ignored the ruling.  Louisiana was given the deadline date of September 1960 to integrate schools in New Orleans.  They would begin with just Kindergarten and integrate one school year at a time.  Ruby Bridges was just one of five black children who passed a test to determine which children should be sent to the white schools.  The test was set up so children would be unable to pass.  Ruby’s family made the decision to stand up for their rights and enrolled Ruby into the first grade at an all white school.  She would be the only black child there.

Ruby arrived for her first day of school in the escort of four U.S federal marshals and to a sinister crowd of angry housewives and teenagers.  Ruby honestly thought the crowd must have been for Mardi Gras.  Furious mothers took their children out of school claiming that they would not return until Ruby had left.  It was a promise they did good on.  For the entire school year the school taught only about five students.  Ruby and four other white students.) – http://blog.mawbooks.com/2009/02/05/through-my-eyes-by-ruby-bridges/

Ruby Bridges visits with the President and her portrait

Ruby Bridges Tribute

+ sobre o tema

Protocolo negro

Quem é negro costuma cumprir um protocolo ao colocar...

Cidinha da Silva e as urgências de Cronos em “Tecnologias Ancestrais de Produção de Infinitos”

Em outra oportunidade, dissemos que Cidinha da Silva é, assim...

Fiocruz alerta para aumento da taxa de suicídio entre criança e jovem

A taxa de suicídio entre jovens cresceu 6% por...

para lembrar

Estatuto Racial: Canto a Palmares – por: Edna Roland*

Após a aprovação do Projeto 6264/2005, que institui o...

Presidenta da Unegro sofre abuso da Polícia Militar

Por Dennis de Oliveira O episódio abaixo, relatado por uma...

Racismo e Juventude é tema de seminário

Texto: Nara Pessoa Foto: Web / Érika Nunes / TJPA Das...
spot_imgspot_img

Filme de Viviane Ferreira mescla humor e questões sociais com família negra

Num conjunto habitacional barulhento em São Paulo vive uma família que se ancora na matriarca. Ela é o sustento financeiro, cuida das filhas, do...

Quem tem direito de sentir raiva?

A raiva, enquanto afeto humano, legítimo e saudável, é um tema que estou tentando colocar na sociedade brasileira, no debate público, mas encontro tantos...

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...
-+=