Acusado de matar travesti é absolvido em 1° júri popular por crime de homofobia no PI

Conselho de sentença considerou que o acusado foi o autor do delito, mas optou por absolvição. Ministério Público vai recorrer.

Por Carlos Rocha e Catarina Costa, do  G1

Julgamento tem duas testemunhas de defesa e duas de acusação (Foto: Lucas Marreiros/G1)

O professor Luís Augusto Nunes foi absolvido no começo da noite desta quinta-feira (5) pelo tribunal popular do júri, presidido pela juíza Maria Zilnar Coutinho. Foi o primeiro júri popular formado para analisar processo por motivações homofóbicas no Piauí. A absolvição chocou o promotor de justiça Ubiraci Rocha, que prometeu recorrer da decisão. Esse foi o primeiro caso a ir a juri popular por motivações homofóbicas no Piauí.

Causou estranhamento ao promotor que o conselho de sentença, responsável por decidir se o acusado seria culpado ou absolvido, ter reconhecido a autoria do crime, mas ainda sim optar pela absolvição. “O Conselho de Sentença reconheceu o acusado como autor do delito, mas mesmo assim resolveu absolvê-lo por 4 a 3 da prática do homicídio qualificado”, afirmou o promotor Ubiraci Rocha, logo após o fim do julgamento.

“Isso demonstra infelizmente o preconceito à condição da vítima por ser travesti”, afirmou Ubiraci Rocha sobre o crime. Foram apresentadas como provas de autoria do crime o carro usado pelo professor, um veículo de passeio de cor vermelha, no local onde Makelly estava na noite do crime, um ponto de prostituição.

A partir da decisão dividida do conselho de sentença, de 4 a 3 pela absolvição do professor acusado, a opção do promotor foi por recorrer a fim de que Luís Augusto Nunes seja julgado novamente. “O MP recorreu por decisão contrária à prova dos autos e incompatibilidade na resposta aos quesitos, por reconhecer a autoria e absolver da prática do crime”, disse Ubiraci Rocha.

Corpo foi encontrado cheio de hematomas

A travesti Makelly Castro foi assassinada no dia 18 de julho de 2014.O professor foi acusado de homicídio qualificado por emprego de meio cruel. O corpo da vítima foi encontrado com muitos hematomas no bairro Distrito Industrial, Zona Sul de Teresina, apenas com roupas íntimas.

Ao longo do julgamento a defesa alegou que o professor é inocente. “Não tem prova de autoria nem participação. No dia do crime, meu cliente apenas pegou o carro durante o dia, para deixar a dona do veículo para fazer compras, mas na hora do crime ele estava em casa”, declarou o advogado durante o dia.

A tese da acusação baseou-se em crime de ódio. “Tem um forte aspecto de ódio, um dos fatos importantes relacionados a isso está na oitiva de uma testemunha, que disse que a pessoa com quem ela teve contato antes a golpeou depois de não ter ereção. Isso estabelece a relação de ódio, raiva do objeto sexual. É dentro dessa linha que o MP vai trabalhar”, declarou o promotor Ubiraci Rocha.

+ sobre o tema

Toda feminista é mal amada – Por: Luíse Bello

(Inspirada pelo meu texto publicado  no incrível Think Olga, compartilho com vocês...

Árbitro que assumiu ser gay volta a apitar e recebe ameaça de morte

Jesús Tomillero tem só 21 anos, mas já está...

Ferramenta anticolonial poderosa: os 30 anos de interseccionalidade

Carla Akotirene, autora de Interseccionalidade, pela Coleção Feminismos Plurais,...

para lembrar

Assim falou Luiza Bairros

Nascida em 1953, a gaúcha de Porto Alegre Luiza...

Pela Igualdade Racial

Notícias auspiciosas dão conta de que o novo governo,...

#JogueComOrgulho: Youtube lança campanha contra homofobia com participação de Neymar

Faltando 8 dias para começar a  Copa do Mundo, o...
spot_imgspot_img

Pesquisadora aponta falta de políticas para diminuir mortalidade materna de mulheres negras no DF

"O Brasil é um país muito difícil para uma mulher negra ser mãe, por diversos fatores, dentre eles as dificuldades de acesso a saúde pública,...

Documentário sobre Lélia Gonzales reverencia legado da ativista

Uma das vozes mais importantes do movimento negro e feminista no país, Lélia Gonzales é tema do Projeto Memória Lélia Gonzalez: Caminhos e Reflexões Antirracistas e Antissexistas,...

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...
-+=