Acusado de matar travesti é absolvido em 1° júri popular por crime de homofobia no PI

Conselho de sentença considerou que o acusado foi o autor do delito, mas optou por absolvição. Ministério Público vai recorrer.

Por Carlos Rocha e Catarina Costa, do  G1

Julgamento tem duas testemunhas de defesa e duas de acusação (Foto: Lucas Marreiros/G1)

O professor Luís Augusto Nunes foi absolvido no começo da noite desta quinta-feira (5) pelo tribunal popular do júri, presidido pela juíza Maria Zilnar Coutinho. Foi o primeiro júri popular formado para analisar processo por motivações homofóbicas no Piauí. A absolvição chocou o promotor de justiça Ubiraci Rocha, que prometeu recorrer da decisão. Esse foi o primeiro caso a ir a juri popular por motivações homofóbicas no Piauí.

Causou estranhamento ao promotor que o conselho de sentença, responsável por decidir se o acusado seria culpado ou absolvido, ter reconhecido a autoria do crime, mas ainda sim optar pela absolvição. “O Conselho de Sentença reconheceu o acusado como autor do delito, mas mesmo assim resolveu absolvê-lo por 4 a 3 da prática do homicídio qualificado”, afirmou o promotor Ubiraci Rocha, logo após o fim do julgamento.

“Isso demonstra infelizmente o preconceito à condição da vítima por ser travesti”, afirmou Ubiraci Rocha sobre o crime. Foram apresentadas como provas de autoria do crime o carro usado pelo professor, um veículo de passeio de cor vermelha, no local onde Makelly estava na noite do crime, um ponto de prostituição.

A partir da decisão dividida do conselho de sentença, de 4 a 3 pela absolvição do professor acusado, a opção do promotor foi por recorrer a fim de que Luís Augusto Nunes seja julgado novamente. “O MP recorreu por decisão contrária à prova dos autos e incompatibilidade na resposta aos quesitos, por reconhecer a autoria e absolver da prática do crime”, disse Ubiraci Rocha.

Corpo foi encontrado cheio de hematomas

A travesti Makelly Castro foi assassinada no dia 18 de julho de 2014.O professor foi acusado de homicídio qualificado por emprego de meio cruel. O corpo da vítima foi encontrado com muitos hematomas no bairro Distrito Industrial, Zona Sul de Teresina, apenas com roupas íntimas.

Ao longo do julgamento a defesa alegou que o professor é inocente. “Não tem prova de autoria nem participação. No dia do crime, meu cliente apenas pegou o carro durante o dia, para deixar a dona do veículo para fazer compras, mas na hora do crime ele estava em casa”, declarou o advogado durante o dia.

A tese da acusação baseou-se em crime de ódio. “Tem um forte aspecto de ódio, um dos fatos importantes relacionados a isso está na oitiva de uma testemunha, que disse que a pessoa com quem ela teve contato antes a golpeou depois de não ter ereção. Isso estabelece a relação de ódio, raiva do objeto sexual. É dentro dessa linha que o MP vai trabalhar”, declarou o promotor Ubiraci Rocha.

+ sobre o tema

Garoto vítima de homofobia se suicida em Vitória; pais culpam escola do filho

No último dia 17 de fevereiro um garoto se...

“Nosso objetivo é a extinção da Justiça Militar”, diz ex-sargento homossexual discriminado

Fernando Alcântara e Laci Araújo, sargentos assumidamente gays, denunciaram...

STF julgará se Marco Feliciano será processado por homofobia

Procuradoria da União também acusa deputado de racismo A Procuradoria...

Casais homoafetivos viram ‘pães’ no Dia dos Pais

De acordo com o IBGE, 16% das famílias brasileiras...

para lembrar

“Com a criminalização da homofobia, muitos crimes não ficarão impunes”, diz MV Bill

O cantor carioca de rap, MV Bill, 35, surpreendeu...

Seria histórico ver um país desclassificado da Copa por racismo da torcida

por Leonardo Sakamoto Seria fabuloso se alguma seleção perdesse os...

Vereador do PSB sugere segregar gays em uma ilha

Sérgio Nogueira (PSB), vereador de Dourados (MS), afirmou que os...

John Smid ex-líder de grupo que defende a “cura gay” se casa com um homem

O americano John Smid, que liderou durante 18 anos...
spot_imgspot_img

PM que agrediu mulher no Metrô disse que ela tinha de apanhar como homem, afirma advogada

A operadora de telemarketing Tauane de Mello Queiroz, 26, que foi agredida por um policial militar com um tapa no rosto na estação da Luz do Metrô de São...

Comitê irá monitorar políticas contra violências a pessoas LGBTQIA+

O Brasil tem, a partir desta sexta-feira (5), um Comitê de Monitoramento da Estratégia Nacional de Enfrentamento à Violência contra Pessoas LGBTQIA+, sigla para...

Homofobia em padaria: Polícia investiga preconceito ocorrido no centro de São Paulo

Nas redes sociais, viralizou um vídeo que registra uma confusão em uma padaria, no centro de São Paulo. Uma mulher grita ofensas homofóbicas e...
-+=