Adolescente espancado por policiais militares com “cabo de enxada” em abordagem, morreu nesta quinta

O irmão do adolescente de 16 anos Gabriel Paiva, que morreu na quinta-feira (20) após passar quase uma semana em coma no hospital, afirma que os policiais militares que seriam os responsáveis por espancar o jovem têm “fama de bater’ no Jardim Ubirajara, na Zona Sul de São Paulo.

no G1

Segundo a Corregedoria da PM, quatro policiais foram afastados e são investigados pelo suposto espancamento no último dia 16. Os nomes deles não foram divulgados.

Roger Paiva, irmão de Gabriel, contou que a vítima foi abordada quando encontrava amigos na rua. O adolescente foi golpeado em diversas partes do corpo. “Os caras já tinham fama de chegar batendo. Ninguém fica parado”, diz. Ele relata que o irmão levou diversos golpes na cabeça.

O adolescente morreu na noite de quinta instantes depois de ser transferido da UTI do Hospital Geral de Pedreira, na Zona Sul de São Paulo, para o Hospital Regional Sul. Segundo a família, ele foi espancado por policiais militares do 22º Batalhão da Polícia Militar com cabo de enxada. O caso ocorreu na Rua Vila Missionária. Uma câmera de segurança poderá ajudar na investigação.

Com a morte do menino, o Conselho de Direitos Humanos pediu para a Ouvidoria da PM para que o caso seja investigado como tortura seguida de homicídio.

“As agressões que foram cometidas contra ele foram de forma covarde. Não houve nenhum tipo de reação e o histórico do Gabriel é de ser estudante, sem nenhum tipo de envolvimento criminal”, afirma o coordenador da Comissão da Criança e do Adolescente do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (Condepe), Ariel de Castro Alves.

Na noite de sexta, parentes e amigos do estudante fizeram um protesto na comunidade. A mãe do adolescente, a comerciante Zilda Regina de Paiva, afirmou que o filho “era uma ótima criança”. “Ele era criança, ele não era um homem ainda. Meu filho ninguém vai trazer de volta, mas o que eu queria era ele comigo”, afirma Zilda.

Roger, irmão de Gabriel, completa. “Ninguém está aguentando”, diz.

O irmão dele, Alex Paiva, disse ao G1 que a família espera por Justiça. “O que a gente quer é paz. Estamos esperando que ele passe por uma nova avaliação em outro hospital de São Paulo”. “Que tirem esse monstro de perto de nós, ele está prejudicando a formação das nossas crianças”, afirmou a prima Loeni.

O corpo de Gabriel Paiva ainda não havia sido liberado do Instituto Médico Legal na manhã desta sexta-feira (21) para a realização do velório e do enterro.

+ sobre o tema

Estado de SP registra aumento de 86% em denúncias de discriminação racial em 2021

O número de denúncias por discriminação racial recebidas pela...

O sujeito desidentificado e a liberdade negada à maioria minorizada

Que o Brasil é um país fundado a partir...

Dez anos da política de cotas por Emir Sader

por Emir Sader Há não muito tempo, um estranho...

para lembrar

Lorenna Vieira é vítima de racismo em agência do Itaú. ‘Não é caso isolado’

Influenciadora digital conta que foi desbloquear um cartão e...

A negação dos direitos quilombolas como um projeto do racismo institucional

 “O quilombo é um avanço, é produzir ou reproduzir...

Hélio Santos: A ascensão dos negros no Brasil X O genocídio de jovens

“Quase 500 mil pessoas que se declaram pretas e...

Reflexões sobre um racismo à brasileira: a volta dos fantasmas que nunca foram

Começo essa reflexão com uma pergunta aos leitores, em...
spot_imgspot_img

Prisão de torcedores deveria servir de exemplo para o futebol brasileiro

A condenação de três torcedores racistas na Espanha demonstra que, apesar da demora, estamos avançando em termos de uma sociedade que quer viver livre...

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...
-+=