Advogado é detido acusado de agressão, desacato, racismo e ameaça em Juína

O advogado Luiz Felipe Ávila Prado de 48 anos, foi detido pela Polícia Militar na noite da última segunda-feira (13), após criar confusão em um restaurante no município de Juína, após ingerir bebida alcoólica. Segundo o boletim de ocorrência, foi o garçom que acionou a polícia após sofrer ameaças dentro do estabelecimento comercial. O garçom disse ainda que foi agredido com tapas e empurrões.

Quando a polícia chegou ao local, o advogado estava do lado de dentro do balcão e ao ser abordado, também desferiu um soco contra o policial. Algemado, Luiz Felipe foi levado a Central de Operações da Polícia Militar (Copom) e as ameaças continuaram.

De acordo com o registro, o advogado dizia palavras de baixo calão, ameaçava buscar uma arma em casa para matar um por um, e ainda insultou. “Policial narigudo, alemão e orelhudo. Seu lugar não é aqui, eu nunca vi alemão aqui em Juína”, dizia. O tenente Freitas também foi agredido verbalmente. “Olha a estrelinha dele ali, esta achando que é muito, mas não é nada, não estudou e foi parar ai e que nada acontece comigo, pois sou advogado e os outros policiais são uns merdas de uns soldadinhos”, atacava.

Após o registro do boletim, o advogado foi encaminhado para o CISC. Segundo a Polícia Civil, o advogado não foi preso, pois não cabia flagrante, mas foi aberto procedimento já que o policial militar ofertou representação pelo crime de injúria qualificada.

Luiz Felipe é assessor jurídico da prefeitura de Juína e da campanha do candidato a prefeito Altir Peruzzo (PT).

 

 

Fonte: TopNews

+ sobre o tema

Delegacias especializadas em crimes étnicos-racias

O ministro da Igualdade Racial anunciou nesta quarta-feira (29/10)...

Por que a polícia simplesmente não obedece à lei?

  Na última quarta-feira, mais dez PMs foram condenados...

para lembrar

Estudo mostra que escolas com mais alunos negros têm piores estruturas

As escolas públicas de educação básica com alunos majoritariamente...

‘O racismo religioso se agravou muito no Brasil nos últimos anos’

A perseguição às religiões de matriz africana diante do...

Denúncias por racismo crescem no Facebook

Entre 2011 e 2012, cresceu em 264,5% a quantidade...
spot_imgspot_img

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...
-+=