Afastamento de promotoras das investigações da morte de Marielle Franco preocupa a Anistia Internacional Brasil.

Enviado por / FonteAnistia Internacional

A Anistia Internacional Brasil acompanha com preocupação a notícia acerca do afastamento das promotoras Simone Sibílio e Leticia Emile da Força Tarefa criada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) para investigar os assassinatos da vereadora Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes. As promotoras, que conduzem as investigações desde 2018, supostamente teriam optado voluntariamente pelo afastamento de seus cargos.   

Três anos sem respostas sobre quem mandou matar Marielle e por quê, é tempo demais. Neste período quatro delegados diferentes assumiram a condução das investigações. Os acusados de serem os responsáveis pela execução de Marielle e Anderson, Ronnie Lessa e Élcio Queiroz, ainda não foram jugados pelo Tribunal do Juri.

 Toda e qualquer suspeita de que a investigação possa sofrer interferências indevidas deve ser investigada. Exigimos das autoridades responsáveis transparência e respostas sobre a lisura na condução desse processo.  

A Anistia Internacional Brasil atua no caso Marielle Franco desde o primeiro dia, mobilizando pessoas no mundo inteiro para exigir justiça pela defensora de direitos humanos e por seu motorista, Anderson Gomes. 

Relembramos que há 130 dias enviamos, em conjunto com o Instituto Marielle Franco (IMF), um ofício ao Governador do Estado do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, solicitando uma reunião online. Não tivemos respostas! É fundamental que as autoridades possam dialogar com as famílias de vítimas de violações de direitos humanos, assim como com as organizações que as apoiam, para que possam demonstrar quais as providências têm adotado, a partir de seus papéis e funções, para garantir que as investigações sejam realizadas segundo os mais altos parâmetros de direitos humanos. 

+ sobre o tema

para lembrar

spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=