Afrostream, a ‘Netflix’ focada em atores negros, será lançada no Brasil

Enviado por / FonteDo Olhar digital

A empresa começou a operar em setembro na França, Bélgica, Suíça, Senegal e Costa do Marfim, mas recentemente expandiu sua área de atuação para mais 24 países. Contando com investimentos e parcerias de peso, o serviço gerou tanto interesse que conquistou mais de 2 mil assinantes antes mesmo de ser lançado, o que estimulou a Afrostream a firmar acordo com uma locadora virtual para disponibilizar parte do seu catálogo com antecedência.

Em entrevista ao Olhar Digital, o CEO da empresa, Tonjé Bakang, contou que em 2017 será a vez de colocar os pés no Brasil:

“Vamos começar com nossa ainda não lançada plataforma social, Afrostream Life, disponível gratuitamente primeiro em francês e inglês, mas assim que possível em português.” Já tem até filme nosso por lá, a exemplo de “Favela”, que conta com atores como Wagner Moura, Selton Mello e Rooney Mara.

Por ter feito negócio com distribuidoras independentes americanas, africanas e britânicas, a Afrostream se tornou casa para um tipo de produção que não se acha em lugar nenhum. Esse papel deve se tornar ainda mais proeminente no futuro, porque Bakang me contou que a empresa planeja seguir os passos da concorrência e desenvolver produções próprias. “Conteúdo original é nossa prioridade número um para os próximos dois anos”, disse ele, acrescentando que a empresa pensa tanto no material premium quanto no infantil.

E mesmo que parte do seu catálogo também esteja disponível em plataformas como Netflix e Amazon Video, o Afrostream se diferencia por manter o foco no ator negro — filmes como “Dia de Treinamento” (com Denzel Washington) e “Hancock” (Will Smith), por exemplo. Perguntei a Bakang se ele recebe reclamações no sentido de que o serviço poderia ser considerado segregacionista. “Nenhuma”, respondeu. “O Afrostream está disponível para todos os amantes das culturas de origem africana.

O executivo acrescentou que “é cedo para dizer” se a plataforma terá algum poder social transformador — “mas nós sabemos que nossos assinantes se sentem bem depois de assistir [a filmes e séries nos quais] os heróis se parecem com eles”. “A comunidade afrobrasileira é grande e carente. O Afrostream ajudará os afrobrasileiros a contar suas próprias histórias e a compartilhar sua cultura com o restante do mundo.

 

+ sobre o tema

“Somos africanos e temos que entender isso”, afirma ex-ministro de Lula

Franklin Martins lançou nesta terça-feira, em São Paulo, série...

Faroeste, aventura, caubóis e racismo são tema do novo filme de Quentin Tarantino

Depois de surpreender o público com Bastardos inglórios - filme que...

Escritor baiano vence prêmio internacional com júri formado por vencedor de Oscar

O escritor e jornalista baiano Flávio VM Costa foi...

para lembrar

Lívia Graciano – Jekyll & Hyde

A trajetória profissional de Lívia Graciano tem toques de...

Filha de Mano Brown expõe racismo: “Ninguém passa a mão no seu cabelo”.

Nas úlitmas semana, o caso de racismo envolvendo Titi,...

Por que precisamos de reitoras negras?

  E viva Billie Holiday! Enviado por Cidinha da Silva  via Guest Post para...

FLICA Confira a programação completa da Flica 2018

Evento é gratuito e será realizado entre os dias...
spot_imgspot_img

‘Está começando a segunda parte do inferno’, diz líder quilombola do RS

"Está começando a segunda parte do inferno", com esta frase, Jamaica Machado, líder do Quilombo dos Machado, de Porto Alegre, resumiu, com certo desânimo, a nova...

Cientistas revelam mistério por trás dos antiquíssimos baobás, as árvores da vida

Cientistas afirmam ter resolvido o mistério em torno da origem dos antigos baobás. De acordo com análises de DNA, as árvores teriam surgido pela primeira...

Carnaval 2025: nove das 12 escolas do Grupo Especial vão levar enredos afro para a Avenida

Em 2025, a Marquês de Sapucaí, com suas luzes e cores, será palco de um verdadeiro aquilombamento, termo que hoje define o movimento de...
-+=