Agressão não! Atriz faz vídeo sobre relacionamento abusivo

Evelyn Félix, de 19 anos, compartilhou o vídeo em seu Instagram e recebeu mensagens de pessoas de todo o mundo

Por Priscilla Geremias Do Marie Claire

Atriz Evelyn Félix, de 19 anos, fez vídeo sobre relacionamento abusivo (Foto: Reprodução / Instagram)

O femicídio é, infelizmente, uma realidade para mulheres brasileiras. Assassinatos de mulheres aumentaram 6,4% nos últimos 10 anos e as negras são as principais vítimas, de acordo com o Atlas da Violência 2018. Um vídeo da atriz Evelyn Félix, de 19 anos, sobre o tema viralizou nas redes sociais e contribuiu com o debate.

Em conversa com a Marie Claire, Evelyn conta que quem teve a ideia do vídeo foi sua mãe Alzira Félix, de 45 anos. “Ela encontrou esse poema na internet que fala sobre feminicídio, de autoria desconhecida, e foi aí que começamos a pensar no vídeo.”

Além do poema, relatos de outras mulheres inspirou Evelyn. “Assisti vídeos no Instagram e no Youtube de depoimentos de mulheres que já passaram e passam por isso. E eu li algumas matérias que abordam esse assunto para tentar entender essa triste realidade.”

“Recebi inúmeras mensagens de pessoas me questionando sobre o real motivo de ter feito a interpretação de um assunto tão importante, se eu nunca havia vivenciado um caso. Esse é, na verdade, o papel de uma atriz, poder interpretar e viver o personagem em situações nunca vividas na vida real”, explica Evelyn.

O vídeo viralizou e alcançou grandes números. São 1.536.860 visualizações e 15,1 mil comentários até o momento. Evelyn conta que, para sua surpresa, as pessoas reagiram ao vídeo de várias maneiras.

“O que mais mexeu comigo foram as mensagens de pedido de socorro de filhos que vivem nessa situação”, diz Evelyn (Foto: Reprodução / Instagram)

“Recebi mensagens de homens e mulheres de várias regiões do Brasil e do mundo, como Estados Unidos, México, Coréia e outros. O que mais mexeu comigo foram as mensagens de pedido de socorro de filhos que vivem nessa situação e não sabem como lidar, preferem
silenciar, protegendo seu pai, ao invés de denunciar e vê-lo preso. Talvez por remorso ou por medo. Há também muitos depoimentos de mulheres que ainda estão aprisionadas e de mulheres que conseguiram se libertar de seus agressores. Foram milhares de homens me dando apoio, pessoas elogiando e agradecendo pelo trabalho no vídeo”, conta Evelyn.

A atriz completa: “são dois motivos pelo qual é importante interpretar e não só falar como é uma relação, o primeiro é porque a mulher que passa por essa situação normalmente
não fala, evitando exposição por medo, e, ficam fechadas no seu mundo, reféns das agressões e de suas consequências; e o segundo motivo é que a interpretação com a linguagem gestual torna a mensagem universal.”

+ sobre o tema

Eles não estão doentes, e nós não estamos loucas

Ontem, uma menina foi estuprada por 30 homens no...

Bolsonaro vira réu por falar que Maria do Rosário não merece ser estuprada

Deputado disse que ela é 'feia'; ele responderá por...

Nota de repúdio: Basta de violencia contra a mulher

Nós do Centro de Defesa e Convivência da Mulher...

Tribunal de Justiça de SP lança programa para homens envolvidos em violência doméstica

Reflexivo e educativo, grupo pretende fazer com que homens...

para lembrar

Na época do Brasil colonial, lei permitia que marido assassinasse a própria mulher

Jorge Amado abre o clássico Gabriela, Cravo e Canela...

Congresso cria órgão para combater violência contra as mulheres

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), protocolou nesta...

Cesárea forçada no Rio Grande do Sul gera discussão sobre direito das mulheres

Grupos denunciaram caso na Comissão de Direitos Humanos e...
spot_imgspot_img

Coisa de mulherzinha

Uma sensação crescente de indignação sobre o significado de ser mulher num país como o nosso tomou conta de mim ao longo de março. No chamado "mês...

A Justiça tem nome de mulher?

Dez anos. Uma década. Esse foi o tempo que Ana Paula Oliveira esperou para testemunhar o julgamento sobre o assassinato de seu filho, o jovem Johnatha...

Dois terços das mulheres assassinadas com armas de fogo são negras

São negras 68,3% das mulheres assassinadas com armas de fogo no Brasil, segundo a pesquisa O Papel da Arma de Fogo na Violência Contra...
-+=