Ah, sei lá… Não faz pergunta difícil

por Silvana Mascagna

 

É de causar revolta o que fizeram com Tinga. Como pode uma torcida inteira discriminar um jogador por sua raça, cor de pele? Onde já se viu, em pleno 2014, nós sermos obrigados a assistir a espetáculo tão odioso?

Sou Tinga. Somos Tinga. Tamo junto, Tinga.

As manifestações de apoio ao jogador do Cruzeiro são comoventes, incluindo a da torcida do rival, que, no clássico do último domingo, estampou vários cartazes contra o racismo e uma faixa em que se lia: “No Galo, o preto e o branco sempre andaram juntos”. Que bonito!

Como é de encher os olhos de lágrimas ouvir Tinga dizer que trocaria todos os seus títulos pelo fim do preconceito e por igualdade.

É inaceitável que isso ainda aconteça. Vamos todos nos unir para impedir que outros jogadores não passem o mesmo que Tinga!

Sou Tinga. Somos Tinga. Tamo junto, Tinga.

E para o Tinga? Tudo!!!

Ah, como dormimos tranquilos e sonhamos que somos pessoas do bem, sem preconceitos e cheios de valores, quando manifestamos nosso apoio a um Tinga da vida! Como nos percebemos superiores àquele bando de infelizes imitando macaco, quando nos solidarizamos com Tinga! Como nos sentimos uma corrente pra frente quando postamos nosso repúdio à intolerância e curtimos outros repúdios à intolerância no Facebook, a vitrine maior da nossa cidadania!
E que feliz coincidência na semana que acontece um ato tão nojento contra Tinga, podermos nos solidarizar também com as manicures de Brasília e repudiar a cliente australiana racista!
Por que será então que não nos sentimos pequenos quando, no estádio, cheios de alegria, cantamos musiquinhas homofóbicas para Richarlysson? – “boi, boi, boi, boi da cara preta pega o Richarlyson que tem medo de boceta”.

Por que não sacamos como somos minúsculos quando chamamos o time adversário de bambi e os torcedores rivais de Marias, viadinhos e bichinhas?

Por que não nos manifestamos quando uma certa torcida paulista fez uma faixa em que estava escrito: “A homofobia veste verde”?

Por que o Tinga tem todo o nosso apoio e o Richarlysson, nenhum?

Por que o desabafo de Tinga é digno de comoção e o de Richarlysson, de chacota?

Por que achamos legítimo chamar a bandeirinha de piranha ou puta ou vagabunda?

Por que nossa homofobia extrapola o campo de futebol e, no nosso local de trabalho, nos damos
ao desfrute de fazer piadinhas homofóbicas, livremente, mesmo sabendo que o nosso colega, na mesa ao lado, é homossexual?

Por que vivemos condenando mulheres pelo jeito que se vestem, a ponto de acharmos “natural” elas serem vítimas de assédio ou estupro?

Por que sempre lançamos mão de termos como “mal-amada”, “malcomida” para uma mulher estressada e nunca para um homem na mesma condição?

Por que vias será que chegamos à conclusão de que preconceito contra negro é inaceitável, mas contra gay e mulher, não?

Ah, sei lá… Não faz pergunta difícil.

 

 

Fonte: O Tempo 

+ sobre o tema

Deputada Leci Brandão Propõe a criação da Semana Estadual do Hip-Hop

    De acordo com o Projeto de Lei 306/2012 ,...

Câmara realiza homenagem ao Professor Eduardo de Oliveira

Sessão solene realizada em comemoração aos 86 anos do...

Ministra da igualdade racial participa de caminhada contra intolerância religiosa no Rio

Mobilização reuniu no domingo (16), milhares de candomblecistas, católicos,...

para lembrar

Após sofrer racismo na escola, Kheris Rogers de 10 anos cria linha de roupas empoderadora

Você precisa conhecer Kheris Rogers, uma menina de 10...

A Discriminação de Boris Casoy: Isso é uma vergonha

Neste vídeo o apresentador da Band, Boris Casoy declara...

RACISMO NA ITÁLIA: Mais um capítulo do racismo na Itália

O prefeito de Brescia, Adriano Paroli, do PDL, informou...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=