Além de longos, Enem teve enunciados ‘mal-estruturados’, opinam estudantes

Foram aplicados exames de ciências humanas e da natureza.
G1 vai trazer a correção das questões elaborada por professores.

 

Estudantes que acabaram a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste sábado (5)  consideraram os enunciados longos demais.

Além disso, estavam “mal-estruturados”, opinaram alguns deles, que fizeram o exame no campus da Unip, na Avenida Paulista, em São Paulo.

 

“Em algumas questões, o texto que vinha antes da pergunta não ajudou a contextualizar”, disse Luiz Felipe Viola. “Eu achei mal-estruturada [a prova]”, comenta Marcelo Magalhães

Nogueira, que fez o Enem pela terceira vez.

 

Apesar disso, a maior parte dos entrevistados diz que a prova ficou dentro do esperado. O nível de dificuldade ficou, na opinião deles, entre médio e difícil.

 

“A prova foi muito cansativa”, afirma Maura Augusta dos Santos, que fez o exame no Campus Memorial da Uninove, na Zona Oeste de São Paulo. Ela conta que fez as provas do Enem em anos antes, mas que os enunciados eram mais objetivos. Ela reclamou que a prova desse ano foi mais difícil.
“Demorei mais para raciocinar”, concorda o estudante Leonardo Dias, que também fez a prova na Uninove.

 

Ainda segundo os estudantes, o exame não cobrou atualidades no nível que era esperado.

 

Neste primeiro dia, são aplicadas as provas de ciências da natureza (biologia, química e física), com 45 testes, e de ciências humanas (geografia e história), também com 45 testes.
A prova começou às 13h. O tempo mínimo obrigatório de permanência na sala era de duas horas. Os estudantes só poderão sair com o caderno de questões após as 17h. A aplicação do exame está prevista para terminar às 17h30.

 

Para o vestibulando Rogério Junqueira Rosa, as questões de ciências humanas foram as mais difíceis, mas que, no geral, a prova ficou dentro do esperado.
No domingo, será a vez das provas de matemática (45 testes) e linguagens (português), que inclui 45 questões e uma redação do tipo dissertativo.

Fonte: G1 –

+ sobre o tema

Diversidade de gênero entra no currículo de escolas da Austrália

A Austrália fez a lição de casa em relação...

A Hortolandense Caroline F. Jango escreve livro sobre racismo

A hortolandense Caroline F. Jango escreveu um livro “Aqui...

“DENÚNCIA: Agora estamos na era da caça às publicações que tratam da cultura afro-brasileira

Meu livro Omo-Oba: Histórias de Princesas (Mazza Edições, 2009),...

Prae/Unifesp realiza seminário sobre permanência estudantil e marcadores sociais da diferença

Inspirado na comemoração dos 130 anos da abolição da...

para lembrar

Como a USP, Harvard também têm política de cotas – há 30 anos!

A USP foi a última universidade pública brasileira a...

Meu primo, a escola de Campinas e esse Brasil aí

Nesta terça-feira (05/08/17), ao saber da aprovação do Projeto...

Professora Vanda Machado receberá Medalha Anísio Teixeira

Os membros da Comissão de Educação, Esporte e Lazer,...

O homem lata: como a educação transforma gente em capital humano

A educação escolar está submetida a propósitos intencionais, a...
spot_imgspot_img

Manifesto Contra a Regulamentação da Educação Domiciliar e em Defesa do Investimento nas Escolas Públicas

As Coalizões, Redes, Entidades Sindicais, Instituições Acadêmicas, Fóruns, Movimentos Sociais, Organizações da Sociedade Civil e Associações signatárias deste documento consideram que a possível autorização...

Geledés participa de evento paralelo em fórum da Unesco

Geledés - Instituto da Mulher Negra participou de evento paralelo do 3º Fórum Global contra o Racismo e a Discriminação da Unesco, que começou nesta terça-feira,...

Lula cria fundo privado de R$ 20 bi para tentar manter alunos pobres no ensino médio

O governo Lula (PT) editou uma MP (medida provisória) que cria um fundo privado de financiamento de bolsas para incentivar estudantes pobres a permanecerem no ensino...
-+=