Ana Flavia Cavalcanti: “Não falta negro no audiovisual, falta a vontade de pessoas brancas”

Atriz faz performances nas ruas expondo a vulnerabilidade da mulher negra, como em "A babá quer passear"

Diretora, roteirista, produtora e atriz tanto de filmes e novelas quanto de trabalhos performáticos mais autorais e independentes no cenário artístico contemporâneo, Ana Flavia Cavalcanti, de 33 anos, tem abordado de forma irreverente e lúdica questões relacionadas à raça.

Em , curta-metragem que escreveu e dirigiu com Julia Zakia e atuou, uma criança de um bairro violento da periferia paulistana come rã pela primeira vez depois que um vizinho rouba a carga de um caminhão com caixas da carne.

Para felicidade das crianças, as rãs são colocadas de forma provisória em uma piscina de plástico. A história, ficcionalizada, faz parte da infância de Ana Flavia.

“Minha mãe passou a noite pensando no que ia fazer e decidiu dividir a carga com as vizinhas. Foi uma euforia! Há uma relação forte ali entre o crime, a infância, as descobertas, as saudades e as amizades. Muitas coisas são construídas por essa mãe solteira. Dentro de uma casa de um cômodo, ela coloca janelas, faz os brinquedos das filhas”, conta ela, no vídeo promocional do filme.

Em mais um de seus projetos ousados, Ana Flavia circulou por diversas cidades dentro de um carrinho de bebê rosa na performance A babá quer passear.

A ideia foi fazer uma crítica contundente às condições das empregadas domésticas no Brasil. Ao inverter os papeis e colocar a babá sob a necessidade de cuidado, a ação nas ruas mostrou a vulnerabilidade social e econômica de mulheres negras.

Performance “A babá quer passear” passou por ruas de diversas cidades e foi apresentada até em manifestação de bolsonaristas / Divulgação

Por isso, em entrevista ao Brasil de Fato, a atriz, que esteve em atuações elogiadas em novelas e séries como Amor de MãeSob PressãoMalhação e Além do Tempo, assim como no cinema em filmes como Corpo Elétrico, explica por que a questão da negritude é central em seus trabalhos.

“Sou uma mulher, sou negra, nasci em uma favela de Diadema (SP), sou filha de uma mulher que trabalhou a vida toda como diarista, sou bissexual e, como se não bastasse, sou brasileira vivendo em 2021. Ou seja, todos esses atravessamentos me fazem ser quem eu sou e meu trabalha sai literalmente de mim”, afirma.

Confira a entrevista:

Brasil de Fato: Como atriz, diretora, produtora, performer, qual é o grau de importância para você de representar a questão da negritude nos teus trabalhos?

Ana Flavia Cavalcanti: Importância é máxima. Sou uma mulher, sou negra, nasci em uma favela de Diadema, sou filha de uma mulher que trabalhou a vida toda como diarista, sou bissexual e, como se não bastasse, sou brasileira vivendo em 2021. Ou seja, todos esses atravessamentos me fazem ser quem eu sou e meu trabalho sai literalmente de mim.

Quando você pensa na imagem de homens negros e mulheres negras no audiovisual, você vê o racismo relacionado com a questão de classe social e de impossibilidade de acesso ao capital econômico, intelectual?

Quando vejo mulheres e homens negros no audiovisual representando com dignidade nosso povo, penso em revolução social, penso em um futuro bom.

Você pode falar sobre o processo de criação e sobre a centralidade do tema do racismo em trabalhos teus mais autorais, como a performance A Babá Quer Passear e o filme 

Não vejo o racismo colocado de forma centralizada. Nos meus trabalhos, vejo e insisto em mostrar o combate a esse racismo.  nasceu de uma experiência minha de vida. Eu amo a inspiração nas referências autobiográficas.

Na tua percepção, mudou quantitativa e qualitativamente a representação de pessoas negras e certo estereótipo delas no audiovisual brasileiro, incluindo aí TV, cinema, streaming?

Mudou sim. Vejo que sim. 

Há uma ausência muito forte de diretores negros e diretoras negras na história do cinema brasileiro. Isso mudou ou está mudando no cenário contemporâneo?

Percebo que não é ausência de diretoras e diretores negros na história do cinema. É, na verdade, a ausência de desejo e vontade das pessoas brancas que estão em posição de poder. Elas não querem dividir o privilégio. Sempre existiram pessoas negras com desejo de dirigir filmes, novelas, teatros. Tenho certeza disso. 

Você já se declarou bissexual. Que tipos de preconceitos você já enfrentou por isso e por ser mulher e negra? Que conquistas você quer para as mulheres negras no audiovisual e na sociedade?

Prefiro contar boas novas. Ser negra é uma experiência bem bonita e complexa e a gente aprende a sambar cedo. Quero liberdade e poder para as mulheres negras.

+ sobre o tema

‘Enfrentei meu próprio preconceito e o da sociedade ao adotar filhos negros’

"Quando você precisa pensar na roupa que seus filhos...

Renato Freitas Júnior, advogado negro, é preso pela GM e denuncia injúria racial

Advogados que acompanham o caso identificam crimes de injúria...

Debater o racismo, sem o racista, é muito complicado ou quase impossível.

Hoje vamos debater a matéria publicada por Danilo Santos: “O...

Jezebel: A Mulher Negra Insaciável – Reconhecendo estereótipos racistas internacionais – Parte VIII

Jezebel ou Jezabel, foi uma personagem bíblica — Rainha de Israel,...

para lembrar

Reação contra o genocídio coloca mais de 50 mil nas ruas

Marcha movimentou pelo menos dez estados e teve repercussão...

A indesejável das pesquisas

Por: Edson Lopes Cardoso Para o os institutos que pesquisam...

Diretoria do Chelsea bane torcedor acusado de racismo de Stamford Bridge

Após uma semana de investigações policiais, o Chelsea anunciou...
spot_imgspot_img

Fifa apresenta pacote de medidas contra o racismo no esporte

A Federação Internacional de Futebol apresentou um pacote de medidas contra o racismo no esporte. O mundo do futebol está reunido em Bangkok, na Tailândia, onde...

Tragédia no Sul é ambiental, mas sobretudo política

Até onde a vista alcança, o Rio Grande do Sul é dor, destruição. E vontade de recomeçar. A tragédia socioclimática que engolfou o estado, além da...

Para os filhos que ficam

Os seus pais vão morrer. É ainda mais difícil se dar conta disso depois de um Dia das Mães, como foi o último domingo....
-+=