Animação debate proteção de jovens negras em meio a discursos perigosos na rede

Artigo produzido por Redação de Geledés

A campanha ‘Racismo e Bullying: como proteger jovens negras?’ é uma iniciativa de Geledés Instituto da Mulher Negra com o Instagram Brasil e a SafeNet Brasil

As agressões na vida de jovens negras estão presentes nos espaços escolares e, ao longo dos últimos anos, se estenderam ao ambiente on-line, evidenciando uma estrutura racista imposta a pessoas negras desde muito cedo. Em constantes relatos nas redes sociais, jovens mulheres negras, que passaram por xingamentos e discriminações, falam sobre como esses processos afetam sua juventude.

Ao perceber a importância em abordar esse tema, Geledés Instituto da Mulher Negra se uniu ao Instagram Brasil e à SaferNet Brasil para construir a campanha ‘Racismo e Bullying: como proteger jovens negras?’, uma série de três vídeos animados que propõe um debate sobre os impactos do racismo e do bullying na vida dessas jovens e busca passar conhecimento de forma simples, sobre como podem se proteger. O trabalho desenvolvido destacou como é relevante diferenciar práticas de racismo e de bullying e também debateu temas como evasão escolar e saúde mental.

Um levantamento feito pela TIC Kids Online Brasil em 2019 com crianças e adolescentes entre 9 e 17 anos aponta que 33% das meninas entrevistadas se referiram à cor ou raça como motivo de sofrer ou testemunhar discriminação. Estes números reforçam a necessidade de pensar mecanismos de defesa e proteção das jovens negras.

O desempenho apresentado na campanha – com mais de 21 mil visualizações somente no primeiro episódio – mostra a potencialidade de trabalhar o imaginário das pessoas, ter jovens negras como protagonistas de suas histórias e conquistas. Guta, personagem de 13 anos que conduz a série de vídeos, reúne esforços para compreender as narrativas de cada capítulo, com o intuito de apresentar a figura de uma menina consciente da potência de suas características raciais.

Dialogar sobre os impactos do racismo e bullying na vida de jovens negras é fundamental para garantir que elas não continuem sendo o alvo preferencial das discriminações no espaço virtual, assim como é urgente a adoção de medidas de proteção e judicialização para a eliminação dessas práticas em nossa sociedade.

Acesse a série de três vídeos no canal do IGTV do @portalgeledes.

*Natália de Sena Carneiro é Coordenadora de Comunicação Institucional de Geledés Instituto da Mulher Negra / Gerenciamento de projetos digitais

+ sobre o tema

Aplicativo ajuda a combater violência contra a mulher no Rio Grande do Sul

Com apenas quatro toques, a polícia, a Justiça e...

#GeledesEsportes: O futebol como meio de resgate

#GeledesEsportes - Geledés inicia hoje no YouTube um espaço...

Assista: O Mundo do Trabalho e o Lugar da Economia Solidária

Neste sábado, 1º de Maio, às 19h, o Geledés...

para lembrar

Ana Flávia Magalhães é empossada como diretora do Arquivo Nacional

A historiadora Ana Flávia Magalhães Pinto foi empossada como...

Natália de Sena Carneiro – Coordenadora de Redes Sociais e Comunicação Institucional

Nos últimos anos vem atuando como Estrategista Digital /...

Do Início ao Reconhecimento: A trajetória do Portal Geledés

Em 1988, tomei conhecimento do Geledés no Tribunal Winnie...

Do Início ao Reconhecimento: A trajetória do Portal Geledés

Em 1988, tomei conhecimento do Geledés no Tribunal Winnie Mandela e iniciei minha contribuição para a organização em 1990, na área de comunicação. Em...

Ana Flávia Magalhães é empossada como diretora do Arquivo Nacional

A historiadora Ana Flávia Magalhães Pinto foi empossada como diretora geral do AN (Arquivo Nacional), nesta sexta-feira (18). A cerimônia, que ocorreu no Palácio...

Instagram, Geledés, Africanize e Capricho lançam projeto para incentivar a literatura negra entre os jovens

Nesta quinta-feira (16), o Instagram, em parceria com Geledés Instituto da Mulher Negra, Africanize e Capricho, lança o projeto “ReeLeitura: edição autores negros”, uma iniciativa...
-+=