Após discurso histórico, Anielle Franco é aplaudida de pé em Fórum Permanente de Pessoas Afrodescendentes da ONU

Ministra pediu solidariedade a Vini Jr, defendeu a prorrogação da década afrodescendente e colocou o Brasil à disposição para sediar novo encontro do Fórum

A ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, discursou nesta terça-feira (30), durante cerimônia de abertura do II Fórum Permanente de Pessoas Afrodescendentes da Organização das Nações Unidas, em Nova Iorque. Em um discurso histórico e emocionante, Anielle lembrou o compromisso do Brasil com o combate ao racismo, pediu solidariedade ao jogador Vinícius Jr e reafirmou o compromisso de Marielle Franco com as mulheres negras na política. 

“Este Fórum Global representa a esperança de um futuro em que nenhum outro Vinícius Jr tenha que passar pela violência e ódio apenas por sua cor de pele”, conclamou Anielle. 

A ministra da Igualdade Racial também reafirmou o compromisso do governo brasileiro com o combate ao racismo e seu papel de liderança neste debate entre os países democráticos. 

“Nós, governo brasileiro e sociedade civil, estamos aqui para firmar o compromisso do Brasil com o mundo na liderança do combate ao racismo e na promoção de políticas de memória e reparação como pilar central das democracias modernas”, disse Anielle.

A ministra também colocou o Brasil à disposição para sediar um novo encontro do Fórum futuramente e propôs a renovação da década afrodescendente. 

“Dito isso, reforço a proposta e fala do Presidente do Brasil Luís Inácio Lula da Silva de que a Assembleia Geral da ONU, que aqui anualmente se reúne, proclame a renovação de mais um decênio da Década Internacional de Afrodescendentes. Desta vez, apontemos o tema de memória, reparação e justiça, para que ações concretas e eminentes sejam desenvolvidas para cerca de 200 milhões de pessoas auto identificadas como afrodescendentes que vivem nas Américas, e também para muitos outros milhões vivem em outras partes do mundo.

Anielle relembrou ainda discursos históricos de lideranças negras como Martin Luther King Jr, Nelson Mandela e Marielle Franco.  “Foi aqui neste país em que estamos hoje que o Dr. Martin Luther King Jr. apontou para o sonho, o sonho dos direitos civis e políticos para afrodescendentes. Mandela, em seu discurso de liberdade na África do Sul, na cidade do Cabo em 11 de abril de 1990, apontou que nossa marcha para a liberdade é um caminho irreversível. Marielle Franco, minha irmã e ex-vereadora da cidade do Rio de Janeiro morta em 14 de março de 2018, falou que nenhuma mulher negra será interrompida”. 

Após concluir o discurso, a ministra foi aplaudida de pé pelos presentes à abertura. 

Anielle Franco participa ainda de encontros e reuniões bilaterais com lideranças de outros países para conseguir apoios e investimentos para o combate ao racismo no Brasil. 

Confira a íntegra do discurso da ministra: https://www.gov.br/igualdaderacial/pt-br/central-de-conteudos-1/discursos-da-ministra/discurso-da-ministra-anielle-franco-durante-abertura-do-ii-forum-de-pessoas-afrodescendentes-da-onu

+ sobre o tema

Copa II: Ator é vítima de racismo no Brasil

O ator Riz Ahmed, um inglês de origem paquistanesa,...

José Antonio Correa Francisco: Liberdade para viver

“Eu sou muito alegre. Todas as manhãs eu canto....

para lembrar

78 países pedem rápida implementação da declaração anti-racismo da ONU

Setenta e oito países, incluindo a China, solicitaram na...

Jezebel: A Mulher Negra Insaciável – Reconhecendo estereótipos racistas internacionais – Parte VIII

Jezebel ou Jezabel, foi uma personagem bíblica — Rainha de Israel,...

Vítima de injúria racial em Jogos Jurídicos procura DP, e pede punição a agressora

Dois dias após estudantes que participaram dos Jogos Jurídicos...
spot_imgspot_img

Mulher branca se recusou a vender imóvel depois de descobrir que compradora era negra nos EUA

Empoleirado em uma colina com vista para o Oceano Atlântico, o apartamento em Virginia Beach, nos Estados Unidos, era exatamente o que Raven Baxter queria. Tinha uma...

Caso Miguel completa 4 anos sem conclusão: “tortura grande”, diz mãe

Quem já sofreu pela morte de um familiar ou um amigo, já deve ter ouvido a frase de acolhimento: “o tempo ajuda a curar...

Representatividade é tudo

Uma de minhas lembranças mais remotas é sentar entre as pernas da minha mãe para desembaraçar, dividir e prender meus cabelos em tranças. Era um momento...
-+=