Após vencer câncer, modelo plus size carioca luta contra ‘gordofobia’ na web

Cláudia Rocha, de 35 anos, tem um canal de vídeos chamado ‘GorDivah’.
Depois de sobreviver a doença, ela diz ser mais do que 3 dígitos na balança.

Por: Lívia Torres

Com 130 kg distribuídos por 1,68m, a funcionária pública e modelo plus size Cláudia Rocha, de 35 anos, se descreve como uma “GorDivah”. Depois de vencer um câncer que quase a levou a morte, a carioca diz ser muito mais do que três dígitos em uma balança. Com um canal de vídeos no Youtube, a também é blogueira dribla a “ditadura” da magreza e combate o que chama de “gordofobia”.

“Em 2013, alguém teceu um comentário sobre a roupa que eu estava usando, me elogiando, e eu respondi: ‘Diva também pode ser gordinha. Eu sou uma gordinha diva.’ Aí, me deu um estalo. Falei para a pessoa: ‘Eu sou uma Gordiva!’ Ali nasceu a GorDivah, que ganhou um “h” no final para me lembrar sempre de ‘oh que linda'”, explicou.

Vitória sobre o câncer
Há dois anos, um câncer de intestino fez Cláudia ganhar peso, fazendo ela chegar a 150 kg na pior fase da doença. Ela, que já foi magra, fez dietas e diversos tratamentos para emagrecer, mas desistiu após sobreviver ao câncer. “Percebi que sou muito mais do que as críticas que recebo pelo meu peso. Recebi uma segunda chance da vida e nunca mais vou deixar de viver nada que eu queria por conta do meu peso, por achar que não tenho valor e não mereço ser feliz por ser gorda.”

gordinha2Em dezembro de 2013, a funcionária pública retornou do evento “Dia de Modelo Plus Size” (sessão de fotos para mulheres que não são modelos profissionais e desejam passar pela experiência de serem produzidas e fotografadas por profissionais) e resolveu gravar um vídeo para compartilhar a experiência. Desde então, novos vídeos com diferentes temas foram criados e estava formado o canal da GorDivah no Youtube. Ela conta que ultimamente tem recebido sugestões por e-mail dos maridos de gordinhas que lutam para convencê-las a ir à praia.

“Eu estava tão empolgada com a produção que fizeram em mim, me sentindo tão linda, que resolvi gravar um vídeo para falar da experiência, mostrar o resultado e estimular outras mulheres a fazerem o mesmo. Antes de sobreviver ao câncer, eu odiava tirar fotos, fugia toda vez que uma câmera aparecia.

A proposta de Cláudia é levar uma reflexão sobre o próprio corpo até as mulheres. Para isso, além do canal de vídeos, ela conta com um blog onde é colaboradora, o “Gordinhas Maravilhosas”, e com um site de perguntas e respostas.

“Fãs de gordinhas enviam suas perguntas sobre como lidar com determinadas situações que acontecem com as gordinhas deles, como convencê-las a vencer o preconceito que sofrem, etc. As pessoas se identificam comigo, pois meu discurso é diferente do que vemos na maioria dos blogs plus size. Eu as estimulo a não aceitarem o preconceito e lutarem por respeito e ter o espaço que merecem”, disse.

gordiva

Cyberbullying
Apesar de incentivar as mulheres que têm sobrepeso, Cláudia por diversas vezes acaba sendo vítima de cyberbullying. Grande parte das pessoas que comentam no blog, segundo ela, não entendem o objetivo de suas publicações.

“Uma parte significativa de quem comenta no blog é gordofóbico. Em muitos casos, me agridem. São pessoas que infelizmente não entendem a minha proposta, que é estimular as mulheres, sejam gordinhas ou magras, a recuperarem o amor próprio, reconstruirem a autoestima, aprenderem a amar seus corpos, despertarem para a beleza real que existe nelas, embora a sociedade dite um padrão diferente.”

Cláudia não está sozinha nem na internet, nem na vida real. Através da página dos “Gordinhos Ousados”, diversos encontros acontecem desde 2011. Eles ocorrem em São Paulo e Rio de Janeiro. No próximo sábado (16), haverá outro no Rio, na Quinta da Boa Vista, Zona Norte da cidade.

“Nos conhecemos através da internet, em páginas voltadas para gordinhos. Nos encontros nós interagimos com o grupo, conversamos, rimos bastante, fazemos novas amizades e quando surge a oportunidade bancamos o cupido”, concluiu.

encontro_gordinhosFonte: G1

+ sobre o tema

Racismo e machismo

Por Verbena Córdula Almeida Na quarta-feira (10/9), a jornalista/apresentadora da...

As máquinas de vender intolerância e preconceito

Para compreender onda de fundamentalismo e crimes de ódio,...

Preconceito não é falta de amor próprio

Em toda banca de revista, livrarias e afins tem...

para lembrar

Contra ‘gordofobia’, misses protestam de lingerie em frente ao Congresso

Modelos disseram terem sido vítimas de preconceito em hotel...

A maravilhosa resposta dessa mulher às piadas sobre seu corpo no álbum de noivado

Até quando as mulheres vão aceitar ter seus corpos julgados por...

Após vencer racismo e gordofobia com arte, ela transformou poemas em disco

Então o poema começa, meus amigos e amigas. Sim,...

10 Dicas práticas para tornar o mundo menos gordofóbico

Você não precisa ser uma blogueira Plus Size ou...
spot_imgspot_img

Justiça manda Governo do RJ pagar R$ 80 mil a Cacau Protásio por ataques em gravação em quartel dos bombeiros

A Justiça do Rio de Janeiro determinou, em segunda instância, que a atriz Cacau Protásio seja indenizada em R$ 80 mil por ataques e...

Racismo, gordofobia, transfobia. Já se sentiu discriminado ao fazer compras?

Em uma loja de grife vazia, em Goiânia, a única pessoa a perceber a presença da estudante de Medicina Lara Borges, de 20 anos,...

‘Absolutamente fora do padrão’: representante do setor funerário condena caixão com lixo de jovem morto sem atendimento em SP

O presidente da Associação Brasileira de Empresas e Diretores do Setor Funerário (ABREDIF), Lourival Panhozzi, afirmou ao g1 que os protocolos adotados pela funerária responsável pelo...
-+=