Aprovação de casamento gay ‘constrange’ Congresso, diz Jean Wyllys

Deputado afirma que Parlamento é ‘omisso’ por deixar de votar o tema, e diz que há um ‘descompasso’ entre o povo e os congressistas

A aprovação de uma medida do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que permite, a partir desta quinta-feira, o casamento civil entre homossexuais no País é uma importante conquista na luta pela igualdade de direitos, mas mostra que o Congresso Nacional é “omisso” sobre o assunto. A opinião é do deputado federal Jean Wyllys (Psol-RJ), que comemorou a decisão – mas avalia que ela causa constrangimento ao Poder Legislativo. “Isso constrange o Congresso Nacional, mostra que há um descompasso entre a sociedade e aqueles que se alvoram lá para representar a sociedade. Eles dizem que são os representantes do povo, mas a verdade é que o povo está se transformando, e eles estão aqui defendendo uma sociedade que não existe”, afirmou o deputado.

O CNJ aprovou, por 14 votos a um, uma resolução que obriga todos os cartórios do Brasil a celebrarem o casamento civil a pessoas do mesmo sexo da mesma forma como é celebrado a casais heterossexuais. A decisão foi publicada no Diário de Justiça Eletrônico na quarta-feira, mas é válida a partir desta quinta-feira. Ela não legaliza o casamento gay no País, já que, para isso, o assunto deveria passar por votação como lei no Parlamento. Para Jean Wyllys, “o Congresso Nacional não legisla”. “E não vai fazer isso (votar uma emenda constitucional que legalize o casamento homossexual) porque, embora os fundamentalistas religiosos não sejam maioria, os conservadores são quase maioria”, disse ele.

“As famílias estão sendo transformadas, estão muito diferentes umas das outras. A sociedade tolera, aceita e entende a necessidade de se dar o direito ao casamento civil aos homossexuais. E estão aqui esses deputados defendendo outro pensamento que não corresponde a essa transformação”, afirmou o parlamentar. “Ao contrário de outros deputados que foram dizer que o Judiciário está legislando, eu louvo. Eu digo: que bom que o Judiciário está legislando nessas matérias, porque se não fosse o Judiciário, a população LGBT, os casais homoafetivos não teriam esses direitos materiais, que são direitos básicos, direitos civis. Não tem nada a ver com dogma, com sacramento”, disse ele.

“Sou contra o casamento gay, mas não sou homofóbico”
O deputado Jean Wyllys fez críticas a um discurso que é comum entre pessoas contrárias ao casamento entre homossexuais que também negam praticar homofobia. “A maior parte das pessoas não entende – ou por burrice, ou por má-fé – que existe uma coisa chamada homofobia social e uma coisa chamada homofobia letal. E a homofobia social está ligada à homofobia letal”, afirmou ele. “A homofobia social se expressa, por exemplo, quando alguém diz que é contra o casamento civil igualitário, contra o casamento gay. (…) Se a pessoa é contra o casamento gay, ora, que não case com um gay! Mas o casamento gay não tira o direito dela em hipótese alguma”, disse.

Para Jean Wyllys, se opor ao casamento entre pessoas do mesmo sexo e negar ser homofóbico é semelhante a negar outros tipos de preconceito. “É racista, mas não é racista. ‘Eu não quero negros namorando com minha filha branca, mas eu não sou racista. Tenho até um amigo que é racista, mas meu motorista é até preto.’ É essa a questão. ‘Eu não sou machista, mas minha mulher não sai com as amigas. Mas eu não sou machista. Eu não bato em mulher, eu não sou machista.’ É burrice.”

O deputado também criticou o uso de argumentos religiosos para contrariar o direito ao casamento civil aos gays. “Desde que o Estado foi separado da Igreja, a Igreja não pode usar os seus dogmas para influir nas políticas de Estado. (…) Se casamento fosse pra sempre, nós não teríamos conquistado o divórcio, não haveria as famílias ‘mosaico’, que são aquelas famílias amplas em que os casais se separam, casam de novo, têm novos filhos, e os seus filhos novos são irmãos dos filhos antigos e formam uma grande família. Não teria família de casais sem filhos, que não querem ter filhos.”

Casamento gay tem “efeito poderoso” em luta por direitos
O principal avanço na luta por igualdade de direitos a homossexuais, na opinião de Jean Wyllys, é a conquista do casamento civil. Para ele, a legalização do matrimônio a pessoas do mesmo sexo “materializa essa igualdade proclamada na Constituição. Ele tem um efeito simbólico de reconhecimento jurídico dos direitos homossexuais, da dignidade homossexual. (…) A gente diz, com todas as letras, que sim, os cidadãos são, de fato, iguais. Porque atualmente não são”, afirmou.

Ainda há dezenas de direitos que são negados aos homossexuais, segundo o deputado – mas quase todos estão ligados à permissão do casamento. “Vêm todos os direitos ligados à família, muda-se o estatuto da família e a gente vai poder adotar filhos”, disse Jean Wyllis. “Tem um efeito de médio e longo prazo sobre a homofobia social. As novas gerações vão crescer sabendo que não há distinção entre as pessoas por causa da orientação sexual delas, que elas são igualmente tratadas pelo Estado”, afirmou.

Segundo o deputado, “esse é o efeito poderoso do casamento”. “Ele tem um efeito muito mais impactante do que a criminalização da homofobia. A criminalização é tão somente o direito penal voltado para o crime duro. Mas o crime duro que acontece, a lesão corporal e o assassinato, ele só existe porque há um caldeirão anterior, há um sistema anterior. A homofobia é um sistema, e esse sistema só pode ser desconstruído com a conquista do direito ao casamento.”

 

Fonte: Terra 

+ sobre o tema

EUA aprovam produção de 1ª pílula para prevenir transmissão do HIV

Truvada, do laboratório Gilead Sciences, foi autorizado por agência...

Livro sobre espetáculo Cabaré da Raça é lançado

Cartão de visita da companhia negra de maior...

Livro infantil apresenta a história dos afrodescendentes em Salto

Obra é de autoria da escritora Katia Auvray. ...

para lembrar

Por que parar na questão de gênero? Vamos trocar a Constituição pela bíblia

Por conta da pressão da Frente Parlamentar Evangélica junto...

Programa Justiça Sem Muros do ITTC lança campanha sobre visibilidade ao encarceramento feminino

Inspirado na arte de Laura Guimarães, o programa Justiça Sem...

Homens que cuidam

João está deprimido. Fez uma consulta com um psiquiatra...

Estudantes do Rio combatem machismo e racismo com projeto transformador

Com o título Solta esse Black, alunas da Escola Municipal...
spot_imgspot_img

O atraso do atraso

A semana apenas começava, quando a boa-nova vinda do outro lado do Atlântico se espalhou. A França, em votação maiúscula no Parlamento (780 votos em...

Homens ganhavam, em 2021, 16,3% a mais que mulheres, diz pesquisa

Os homens eram maioria entre os empregados por empresas e também tinham uma média salarial 16,3% maior que as mulheres em 2021, indica a...

Escolhas desiguais e o papel dos modelos sociais

Modelos femininos em áreas dominadas por homens afetam as escolhas das mulheres? Um estudo realizado em uma universidade americana procurou fornecer suporte empírico para...
-+=