Argentina lança sua primeira televisão indígena

Mar Centenera. Buenos Aires, 8 dez (EFE).- A primeira televisão indígena da Argentina, a “Wall Kintun TV”, iniciou suas transmissões nesta sexta-feira com o objetivo de dar voz aos mapuches de Bariloche e gerar debate nesta cidade que vive do turismo gerado por suas belas paisagens de montanha e pelas pistas de esqui. “Bariloche olha muito para fora, para o turismo”, declarou à Agência Efe Diego Pereyra, diretor da televisão mapuche, “daí o nome de ‘wall kintun’ (olhar ao redor), porque queremos provocar uma reflexão interna na sociedade sobre nós mesmos, de onde viemos e para onde vamos”. A “Wall Kintun TV” pretende ser “um canal intercultural para divulgar a cultura, a realidade e a atualidade do povo mapuche, para que muitos se reencontrem com sua cultura e seu idioma, que foram perdendo”, explicou o responsável de produção da emissora, Inalén Antillanca. “Somos gente mapuche nascida e criada aqui, na zona do grande lago Nahuel Huapi e queremos contar nossa história, com nossas formas e maneiras, com nossos próprios meios”, acrescentou Antillanca. O novo canal oferecerá programas infantis em língua mapuche, filmes sobre direitos humanos, entrevistas, um programa de debate e informação sobre povos originais de outras províncias do país, mas transmitirá também muitos conteúdos locais de caráter geral. “Queremos abrir o canal a organizações de Bariloche, a cooperativas, a todos os espaços sociais da cidade para que possam contar suas histórias, sua realidade, suas vivências e seus olhares sobre o presente e o futuro”, disse Pereyra, integrante do Conselho de Desenvolvimento de Comunidades Indígenas (CODECI) da Zona Andina. O diretor da “Wall Kintun TV” acrescentou que pretende envolver os cidadãos e distanciar-se assim da única emissora local atual, o “Canal 6”, do grupo Clarín, que “funciona como uma retransmissora, com poucos conteúdos sobre Bariloche e que não refletem nossa sociedade”. Segundo Pereyra, o projeto começou a ser pensado há anos, antes mesmo da polêmica Lei de Imprensa, aprovada em dezembro de 2009 e na qual se estabelece o direito dos povos aborígines a acessar rádios e canais de televisão aberta. A maioria dos jornalistas que participarão da nova emissora são jovens mapuches de Bariloche que começaram na rádio já que, inclusive aqueles que tinham conhecimentos de edição e produção de vídeo, tinham poucas oportunidades para colocá-los em prática. Para conseguir que o canal seja sustentável economicamente, a equipe confia em obter tanto publicidade governamental como privada, das empresas e organizações de Bariloche, mas também buscou reduzir custos apostando, por exemplo, no uso de software livre e gratuito. A “Wall Kintun TV” iniciou suas transmissões pouco antes do fim do prazo imposto pelo Governo para a apresentação de planos voluntários de adequação à Lei de Imprensa, pela qual os meios deverão se desprender, de forma voluntária, dos veículos de comunicação que excedam o número estabelecido pela lei. “Este vai ser o dia de democratização da palavra na Argentina”, afirmou Pereyra antes da estreia. EFE mcg/rsd

 

Fonte: R7

+ sobre o tema

Lei de Acesso à Informação é acionada para conhecer candidatos ao STF

A Articulação Justiça e Direitos Humanos (JusDh) reivindica transparência...

PPS defende renúncia coletiva contra Feliciano

Partido vai entrar com processo no Conselho de...

Fundamentalismo religioso é causa de graves transtornos mentais

Filha de missionários da Assembleia de Deus, especialista ajuda...

para lembrar

Brasil é quarto país mais desigual da América Latina, segundo ONU

Região tem mais milionários do que em outras áreas...

Babalorixá lançou Moção de apoio ao Deputado Marco Feliciano

O Babalorixá Pai Uzeda vem a público comunicar...

Índios e quilombolas debatem dificuldades de manter seus costumes

Cerca de 70 lideranças de comunidades tradicionais do Cerrado...

Como falar sobre Direitos Humanos?

por Edsonmarcon Em texto recém publicado neste...
spot_imgspot_img

Conselho de direitos humanos aciona ONU por aumento de movimentos neonazistas no Brasil

O Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH), órgão vinculado ao Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania, acionou a ONU (Organização das Nações Unidas) para fazer um alerta...

Ministério lança edital para fortalecer casas de acolhimento LGBTQIA+

Edital lançado dia 18 de março pretende fortalecer as casas de acolhimento para pessoas LGBTQIA+ da sociedade civil. O processo seletivo, que segue até...

PM matou 94% a mais na Baixada Santista; ‘Tô nem aí’, diz Tarcísio

"Sinceramente, nós temos muita tranquilidade com o que está sendo feito. E aí o pessoal pode ir na ONU, pode ir na Liga da...
-+=