Arísia Barros – Éramos quatro mulheres negras e vivenciamos o imperativo do racismo

por Arísia Barros

A moça de pele clara à espera do elevador acendeu seu sorriso mais bonito ao nos ver chegar-quatro mulheres negras- e gentilmente nos cedeu passagem e chamou outro elevador que a levou.

O elevador era enorme, mas o medo da moça em estar em um ambiente fechado com quatro mulheres negras era bem maior.

Éramos quatro mulheres negras e rapidamente reinterpretamos o gesto gentil da moça branca que temeu a proximidade com o que para ela- representa o “desconhecido”.

Estávamos na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, em um território denso de valores fundados na linguagem etnicista aliada a questão econômica.

O racismo é um viajante do tempo, com dentes afiados subverte a linguagem da igualdade, da pátria mãe, da lei maior do país.

Segundo a organização do Seminário Nacional: “A Mulher e a Mídia 8 Racismo e Sexismo na Mídia: Uma Questão ainda em Pauta”, ocorrido de 29 de dezembro a 01 de dezembro, na Cidade Maravilhosa “as acomodações são muito confortáveis e o lugar é muito lindo”.

Incontestável a beleza do hotel e da circunvizinha, medonha é a face do racismo que desnudou-se sem o mínimo pudor.

arisia-barrosO racismo causa mal estar, azia, ânsias de vômito e uma dolência na alma. Expõe as dores de uma democracia brasileira mal engendrada e a ânsia voraz de uma justiça verdadeira.

Uma justiça que vá além da subjetividade!

O racismo institucional naturaliza o racismo do individuo, aquele que pensa o lugar do negro na periferia da história.

No outro dia, como reprise de novela, ao entramos no elevador, nos confrontamos com um senhor branco elegantemente vestido que mal conseguiu disfarçar o susto abrupto ao nos ver, e como não tinha para onde correr, enterrou-se num silêncio sem respiração, encolhendo-se na distância de contatos.

Éramos quatro mulheres negras, eu, de Alagoas, a Mônica Aguiar, de Belo Horizonte, uma da Bahia e outra do Paraná e vivenciamos o imperativo do racismo nas terras de Cabral, abençoada pelo Cristo Redentor.

A viagem ao Rio de Janeiro ampliou um continente de possibilidades para que como multidão anônima, possamos exercitar a cultura do poder.

O poder do discurso que busca desmobilizar as barreiras estruturantes que, cotidianamente, reinventa modos e maneiras para nos escravizar, como uma pré-estabelecida geografia.

O Brasil, com certeza, é um país racista.

Alguém tem provas ao contrário?

Fonte: Raízes da África

+ sobre o tema

Adolescente denuncia mulher por agressão e injúria racial em Rio Preto

Um adolescente de 13 anos denunciou ter sofrido injúria...

Estudo mostra o impacto do fator racial materno no desenvolvimento infantil

O ganho de peso e o crescimento dos filhos está diretamente relacionado ao fator etnorracial...

para lembrar

Ator é vítima de racismo durante espetáculo:’Isso não pode ficar impune’

Uma espectadora interrompeu a peça e deu uma banana No...

Racismo filho do fascismo

A luta para acabar com as repetidas manifestações de...

Minas registra um novo caso de racismo a cada 22 horas e 16 minutos

Expressivo, número de crimes raciais levados aos tribunais está...

Estudantes do Congo acusam Brigada Militar de racismo no Rio Grande do Sul

Africanos acusam BM de racismo e constrangimento por Jessica...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=