Arísia Barros – Éramos quatro mulheres negras e vivenciamos o imperativo do racismo

por Arísia Barros

A moça de pele clara à espera do elevador acendeu seu sorriso mais bonito ao nos ver chegar-quatro mulheres negras- e gentilmente nos cedeu passagem e chamou outro elevador que a levou.

O elevador era enorme, mas o medo da moça em estar em um ambiente fechado com quatro mulheres negras era bem maior.

Éramos quatro mulheres negras e rapidamente reinterpretamos o gesto gentil da moça branca que temeu a proximidade com o que para ela- representa o “desconhecido”.

Estávamos na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, em um território denso de valores fundados na linguagem etnicista aliada a questão econômica.

O racismo é um viajante do tempo, com dentes afiados subverte a linguagem da igualdade, da pátria mãe, da lei maior do país.

Segundo a organização do Seminário Nacional: “A Mulher e a Mídia 8 Racismo e Sexismo na Mídia: Uma Questão ainda em Pauta”, ocorrido de 29 de dezembro a 01 de dezembro, na Cidade Maravilhosa “as acomodações são muito confortáveis e o lugar é muito lindo”.

Incontestável a beleza do hotel e da circunvizinha, medonha é a face do racismo que desnudou-se sem o mínimo pudor.

arisia-barrosO racismo causa mal estar, azia, ânsias de vômito e uma dolência na alma. Expõe as dores de uma democracia brasileira mal engendrada e a ânsia voraz de uma justiça verdadeira.

Uma justiça que vá além da subjetividade!

O racismo institucional naturaliza o racismo do individuo, aquele que pensa o lugar do negro na periferia da história.

No outro dia, como reprise de novela, ao entramos no elevador, nos confrontamos com um senhor branco elegantemente vestido que mal conseguiu disfarçar o susto abrupto ao nos ver, e como não tinha para onde correr, enterrou-se num silêncio sem respiração, encolhendo-se na distância de contatos.

Éramos quatro mulheres negras, eu, de Alagoas, a Mônica Aguiar, de Belo Horizonte, uma da Bahia e outra do Paraná e vivenciamos o imperativo do racismo nas terras de Cabral, abençoada pelo Cristo Redentor.

A viagem ao Rio de Janeiro ampliou um continente de possibilidades para que como multidão anônima, possamos exercitar a cultura do poder.

O poder do discurso que busca desmobilizar as barreiras estruturantes que, cotidianamente, reinventa modos e maneiras para nos escravizar, como uma pré-estabelecida geografia.

O Brasil, com certeza, é um país racista.

Alguém tem provas ao contrário?

Fonte: Raízes da África

+ sobre o tema

Juiz chamado Hitler condena Casas Bahia por racismo

Empregado que foi vítima de discriminação racial será indenizado...

“Tornar-se negro – As vicissitude do negro em ascensão social” – Neusa Santos Sousa – Resumo do Capítulo VII

por José Ricardo D' Almeida (Seguem os dois capítulos finais.) Resumo do...

Professor é afastado após chamar aluno de macaco em escola da UFMG

A universidade abriu processo administrativo para apurar a responsabilidade...

Ubuntu: filosofia africana confronta poder autodestrutivo do pensamento ocidental, avalia filósofo

Filósofo congolês Jean Bosco Kakozi Kashindi fala sobre princípio...

para lembrar

O racismo como licença para matar

Racismo, racismo, racismo, racismo. Esta não é só uma...

Alexandre Garcia e as cotas

ontem, quarta-feira 21, um amigo me chamou para jogar...
spot_imgspot_img

Mbappé, a extrema direita e a pergunta: quem tem direito de ser francês?

Quando Mbappé concedeu uma coletiva de imprensa, há poucos dias, um repórter pegou o microfone para fazer uma pergunta ao craque da seleção francesa....

Qual o impacto do racismo nas desigualdades?

Para a polícia de São Paulo, a diferença entre um traficante e um usuário de drogas pode estar na cor da pele, aponta uma...

Igualdade racial como estratégia de desenvolvimento

A desigualdade racial no Brasil é enorme, qualquer que seja a dimensão considerada –renda, educação, vitimização ou saúde, para citar algumas das mais importantes. Elas...
-+=