As panes no sistema de transporte público tucano vão ser diárias?

Um dia após a pane na Companhia Paulista de Trens Metropolitanos-CPTM, que paralisou (na 5ª feira) a Linha 7-Rubi, na Zona Leste da capital, provocou aquele quebra-quebra, sete prisões e prejudicou quase 100 mil passageiros, nesta 6ª feira (30) uma composição da Linha 9-Esmeralda apresentou problema na Estação CEASA, na Zona Oeste.

Por volta das 8h50 a composição que trafegava no sentido Grajaú (Zona Sul) teve de ser rebocada, o que obrigou os outros trens a seguirem por apenas uma via durante aproximadamente 30 minutos. A desculpa do governador Geraldo Alckmin é risível: houve uma explosão nos anos recentes, diz ele, no número de passageiros que, segundo a CPTM, teria crescido 73% em cinco anos.

O Ministério Público movimentou-se e informa que investiga falhas no serviço. Já os especialistas dizem não haver dúvidas: há superlotação e necessidade de mais investimento. Tão frágil e tão absurda quanto a desculpa do governador é a do seu secretário de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes.

Fernandes atribuiu os incidentes da 5ª feira na Zona Leste ao PT e diz que a polícia “encontrou” até bombas caseiras com seis dos sete presos naquele tumulto. Nada a ver. Nenhum convence com esses frágeis argumentos.

CPI pode esclarecer e pressionar por mudança no transporte

Vamos pedir uma CPI na Assembléia Legislativa – nossa bancada precisa fazê-lo, com urgência – e a formação de uma comissão independente da sociedade, reunindo entidades as mais representativas, para fazer uma auditoria e uma devassa na politica de transportes dos tucanos.

São 30 anos no poder – a contar do 1º governo deles, o de Franco Montoro, a partir de 1983 – e a herança esta aí. CPI até para discutir, inclusive, as justificativas do governador Alckmin e de sua CPTM.

Se cresceu tanto o número de passageiros onde está a consequente receita? Onde estão e a quanto chegam os investimentos no sistema de trens de subúrbio, e no metrô, que há tempos vêm apresentando a média de uma a duas panes por semana?

Como o governo estadual – em parceria com o da capital – quer implantar um sistema de monotrilho na Capital (anunciado por Alckmin na 5ª feira pp.) se não consegue fazer funcionar nem o mais importante – e o que mais cresce – dos segmentos (trens de subúrbio e o metrô) que compõem o sistema integrado de transportes da região metropolitana? Como explicar tudo isto?

 

 

Fonte: Correio do Brasil

+ sobre o tema

Aprovado no Senado, PL dos planos de adaptação esboça reação a boiadas do Congresso

O plenário do Senado Federal aprovou nesta terça-feira (15/05)...

Maranhão tem 30 cidades em emergência devido a chuvas

Subiu para 30 o número de cidades que decretaram...

O Estado emerge

Mais uma vez, em quatro anos, a relevância do...

Extremo climático no Brasil joga luz sobre anomalias no planeta, diz ONU

As inundações no Rio Grande do Sul são um...

para lembrar

Serra mantém vantagem sobre Dilma no eleitorado da região Sul, diz CNT/Sensus

Por: MÁRCIO FALCÃO O detalhamento da pesquisa CNT/Sensus divulgada...

Após ser cassado na Câmara de Curitiba, Renato Freitas (PT) é eleito deputado estadual

O ex-vereador de Curitiba Renato Freitas (PT) foi eleito deputado estadual...

Edson França: Movimento negro e as políticas de igualdade racial

por Edson França* Considero o movimento negro o principal, e...

Seminário do CNJ apontou desigualdades a superar no acesso à Justiça

O compromisso da Justiça de buscar novas soluções para...

IR 2024: a um mês do prazo final, mais da metade ainda não entregou a declaração

O prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda 2024, ano-base 2023, termina em 31 de maio. Até as 17 horas do dia 30 de...

Mulheres em cargos de liderança ganham 78% do salário dos homens na mesma função

As mulheres ainda são minoria nos cargos de liderança e ganham menos que os homens ao desempenhar a mesma função, apesar destes indicadores registrarem...

‘O 25 de abril começou em África’

No cinquentenário da Revolução dos Cravos, é importante destacar as raízes africanas do movimento que culminou na queda da ditadura em Portugal. O 25 de abril...
-+=