As vítimas eleitas

Em julho de 1993 fui entrevistado pela Revista Pixote e declarei que “Eu lido com aqueles que são mais agredidos porque indefesos. São crianças que reúnem em si todas as tendências de crueldade da sociedade.” Hoje vendo algumas matérias jornalísticas que investem no terrorismo do medo, vejo que essa crueldade exacerbou-se a ponto de elegerem crianças famintas e abandonadas como a inimiga pública número 1. O alvo a ser abatido para mudar o foco dos verdadeiros agentes de violência.

Por Siro Darlan Do Jornal do Basil

O Estatuto da Criança e do Adolescente tinha menos de três anos de vigência e as crianças de então têm mais de 22 anos atualmente, Viram sua infância e adolescência passar sem sentirem os efeitos desejados pelo legislador cuja lei não foi praticada pela família, pelo Estado e pela sociedade. Como forma de inocentar os agentes da violência praticada pela falta de políticas públicas, desrespeito à Lei 8069/90 e a corrupção que tanto dinheiro público desviou de sua finalidade, é mais fácil aliar-se à mídia que tanto deseduca o povo para excluir mais ainda crianças e adolescentes indesejados.

Como numa aliança política espúria, o rol de aliados é muito extenso e de interesses os mais variados. Uns desejam apenas desviar o foco de seus desmandos, outros manter seus privilégios, alguns não querem sair do comodismo de seus gabinetes, mas o discurso é o mesmo: 1% da população juvenil que comete atos infracionais é o responsável por toda violência que vivemos. Os banqueiros soltam rojões porque continuarão com seus juros extorsivos. Os corruptos conseguirão tapar o sol de suas fortunas com o encarceramento de jovens maltrapilhos e Dona Themis manterá sua venda encobrindo sua vergonha.

Interpretes da lei dão sua versão fascista tornando exceção em regra, eis que pelo texto constitucional a regra é a liberdade. Apenas nos casos expressos na lei e com ordem fundamentada de autoridade judiciária competente se justifica a prisão. Mas o editorial de um agende de comunicação da mentira afirma que as medidas socioeducativas destinadas a adolescentes (de 12 a 18) devem ser aplicadas também aos que não mais ostentam essa condição legal de adolescentes. É a máxima de quanto mais exclusão melhor e quanto mais injustiça mais violência.

O ódio que permeia as relações humanas numa sociedade dita cristã e o alto percentual dos que desejam a redução da maioridade penal nos remete ao Julgamento de Cristo, quando tanto quanto hoje foi muito veemente a opinião pública dominante daqueles que condenaram à morte o Divino Mestre que tanto amava as crianças.

* desembargador do Tribunal de Justiça e Coordenador Rio da Associação Juízes para a Democracia.

+ sobre o tema

Ensino religioso em escolas públicas pode gerar discriminação, avalia professor

Fonte: O Dia Online -     São Paulo - O ensino...

Dossiê apresentado pela Campnha Reaja a ONU

Fonte: Folha Popular - Aqui estamos! Para além...

PNDH3: Interesses ocultos contra os direitos humanos

Carlos Tautz Claro que por trás da reação contra...

para lembrar

ONG internacional de direitos humanos pede que o Brasil não reduza a maioridade penal

ONG internacional de direitos humanos apela para que o...

Redução da maioridade penal por causa de estupros? Balela

Esse povo não está nem aí para “mulheres estupradas”....

No Congresso, sociedade civil repudia projeto que reduz maioridade penal

Entidades pretendem pressionar deputados e ocupar plenário da CCJ...
spot_imgspot_img

Racismo e violência contra criança e adolescente são desafios do país

Publicado há 30 anos, o Estatuto da Criança e do Adolescente trouxe avanços na abordagem dos direitos essenciais do público para o qual foi...

Maturidade cerebral e a maioridade penal

Investir na promoção de ambientes saudáveis, culturalmente ricos e livres de violência e negligência pode trazer benefícios mais consistentes e duradouros na redução de...

‘Não dá pra ser feminista e ser a favor da redução da maioridade penal’, diz Djamila Ribeiro em mesa da Flip

Quarta mesa desta quinta-feira da Flip trouxe a política para o primeiro plano aquecendo os debates em Paraty. A fllósofa brasileira Djamila Ribeiro e a escritora...
-+=