quarta-feira, julho 6, 2022
InícioQuestão RacialCasos de RacismoAssembleia de Deus nos EUA após racismo contra missionário se reconcilia-Entenda

Assembleia de Deus nos EUA após racismo contra missionário se reconcilia-Entenda

A denominação pentecostal Assemblies of God (Assembleia de Deus), a quase 100 anos atrás se recusou a apoiar um missionário que queria ir para a Libéria por causa de sua raça negra. O episódio levou o missionário a fundar outra instituição e quase um século depois esta havendo conserto pela reconciliação.

“Um passo importante para frente”, assim destaca o site da Assembleia de Deus (AG) anunciando o acordo que voltou a Wood Assembleias de Deus, a maior denominação pentecostal nos dias de hoje em todo o mundo, e o Conselho Pentecostal das Assembleias de Deus, uma organização separatista criada a quase cem anos atrás por conta do ocorrido.

UPCAG AG pic 620b

Em 1917, um negro de Chicago se aproximou da Igreja Assembleias de Deus (AG) com um pedido. Alexander queria que a denominação o enviasse para Libéria para trabalhar como missionário. Mas os líderes na época da AG se recusaram a apoiar o missionário por causa de sua raça.

O incidente levou Howard a se juntar a igrejas afro-americanas da Nova Inglaterra e formaram o Conselho Pentecostal Unido das Assembleias de Deus (UPCAG) em 1920. A denominação de pronto enviou Howard para a Libéria, onde abriu 18 igrejas naquele país.

Agora a situação mudou completamente. Encontros recentes através de reuniões levaram as duas organizações a um processo que começou a quase quatro anos, quando Thomas Barclay da UPCAG, se aproximou de George O. Wood, superintendente geral da AG, depois de sentir que era o tempo do Senhor para reparar esta lacuna entre as duas instituições, conforme explicou Barclay em um comunicado conjunto com Wood.

Conforme relatado a Revista Pentecostal Evangel, Wood fala como chegou ao processo de reconciliação: “Nós estamos vindo de um processo que durou quatro anos com o Conselho Pentecostal Unido das Assembleias de Deus, após ser revelado o que ocorreu em 1919 por causa do racismo nas Assembleias de Deus(AG)”.

Após muito deliberarem neste tempo Barclay e Wood assinaram um acordo de filiação cooperativa na semana passada, na sede nacional das Assembleias de Deus em Springfiel no estado de Missouri. O acordo prevê que as congregações da UPCAG podem continuar a operar de forma independente se desejarem, mas poderão aproveitar e se beneficiar de todo o apoio, recursos e nome das Assembleias de Deus (AG).

As minorias étnicas-latinos, afro-americanos e outros, agora representam mais de 40 por barclay dos atuais membros das Assembleias de Deus nos EUA, e os líderes esperam promover com este acordo a unidade entre o povo assembleiano e de Deus.
Barclay em seu sermão disse “Deus nos colocou juntos, e esperamos algo novo” e acrescentou “Nós não vamos estar separados.”

 

 

Fonte: O Diário 

 

Artigos Relacionados
-+=