Ator Pedro Maya denuncia racismo: “Policiais apontaram armas para mim por eu ser negro”

O ator Pedro Maya vem fazendo o maior sucesso como o Garoto da novela Malhação: Vidas Brasileiras. No folhetim, ele vem sensibilizando o público ao sofrer situações constrangedoras apenas por ser negro. Mas não foi apenas na ficção que o ator passou por esse problema. Em entrevista ao site Notícias da TV, o rapaz revelou que já foi parado pela polícia apenas por ser negro.

Por Fernando Nascimento, do TV Foco 

Foto: Pedro Maya

Eu estava correndo na rua e fui parado por dois policiais que estavam em uma moto. Mandaram eu botar a mão na cabeça e aí sacaram a arma. Eu tinha 17 anos e os policiais apontaram armas para mim só por eu ser negro. Já vi casos de brancos correndo e que nunca foram parados pela polícia. Pelo contexto social que a gente vive no Brasil, com certeza fui parado por ser negro”, revelou ele, que ainda contou que a justificativa dada pelos policias para a abordagem é que ele estava correndo.

Tinha saído do banco, aí eu precisava pagar uma conta. Estava com a minha mãe, deixei ela no banco, e fui para casa pegar os meus documentos. Voltando pra casa eu fui abordado. Já fui parado em outras vezes em que eu era o único negro do bonde, e o único parado e revistado fui eu. Não tem como não enxergar como racismo explícito. É estrutural o racismo”, avaliou.

Em Malhação, o personagem de Pedro passou de uma mudança da água para o vinho. A professora Gabriela (Camila Morgado) o salvou de um linchamento público e descobriu que o menino sonhava em voltar a estudar e se alimentar decentemente. Com a ajuda da profissional, ele conseguiu realizar esses dois objetivos, além de ter começado a estudar música e também ser adotado por Heitor (Luis Gustavo).

Ele é um garoto muito humilde, como tantos outros. E a condição de popstar surge em um piscar de olhos. Penso que o Garoto é um personagem que não se deslumbra fácil pela fama, até mesmo porque ele era garoto de rua, já viu muitos tipos de realidades, teve muitas falsas promessas. É um momento muito empolgante para ele, é claro, mas ele tem o pé no chão”, avaliou o rapaz sobre o personagem.

 

+ sobre o tema

Justiça manda soltar PMs suspeitos da morte de empresário em SP

Decisão foi divulgada pelo TJ-SP nesta quinta-feira (26).Reconstituição do...

Alicia Keys libera lindo filme sobre feminismo, racismo e violência policial

Alicia Keys lançou hojedia 4 de novembro seu novo...

É tudo “brincadeira” / It is all a “joke”

É tudo "brincadeira" / It is all a "joke"...

Pornografia infantil não é ficção

Hélio Schwartsman ("Ficção ou realidade?", 7/2) defendeu neste espaço a seguinte "solução"...

para lembrar

“A música corajosa de um tambor distante”

Há factos em nossas vidas que podem suscitar novas...

Liliam Thuram: Itália é racista

Ex-jogador da seleção francesa se solidariza com Mario...

Friends e Living Single: o tom de pele pode influenciar o sucesso de uma série?

A história de seis amigos morando juntos em Nova...

Gaspari compara Pezão ao Menor que ele Préjulgou

O colunista Elio Gaspari publica, neste domingo, um duro...
spot_imgspot_img

Revolucionário, mas não é para todos

Passei os últimos dias pensando no significado e na profundidade de uma postagem que li numa rede social contendo a afirmação: "Descansar é revolucionário!"....

‘Nossa missão é racializar as políticas públicas em todo país’

Nomeado recentemente  como novo secretário de gestão do Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial (Sinapir), o jornalista baiano Yuri Silva tem uma tarefa...

‘A escola precisa naturalizar a cultura negra’, diz autor de ‘O Avesso da Pele’ que estará no Festival LED

Autor de “O Avesso da pele” e um dos convidados do Festival LED, nos dias 21 e 22 deste mês, Jeferson Tenório lembra com...
-+=