Barbosa não descarta se candidatar à Presidência após deixar o STF

Presidente do Supremo disse que acha muito difícil que continue a ser ministro da Corte até completar 70 anos

Por: BRUNO GÓES

RIO – O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, deixou em aberto a possibilidade de candidatar-se à Presidência da República e disse que é “muito difícil” que continue a ser ministro da Corte até completar 70 anos de idade, quando seria obrigado a se aposentar. Ele afirmou que este não é o momento para pensar no assunto, mas não descartou a hipótese de se lançar ao cargo no futuro. O tema foi tratado nesta segunda-feira, na 8ª Conferência Global de Jornalismo investigativo, realizada no Rio de Janeiro, no campus da PUC-Rio. O ministro discursou por cerca de 15 minutos e depois respondeu a perguntas de jornalistas. Barbosa falou sobre a necessidade de uma reforma política, se posicionou diante da polêmica sobre a censura às biografias não autorizadas e analisou a cobertura da imprensa sobre Poder Judiciário, entre outros assuntos.

– Acho difícil, acho muito difícil – disse ele, que tem 59 anos, quando perguntado se seria ministro até os 70 anos.

– Eu não tenho, no momento, nenhuma intenção de me lançar à Presidência da República. Mas pode ser que no futuro eu tenha tempo para pensar sobre isso – acrescentou.

Brincando, Barbosa também cogitou ficar “em uma bela praia” em 2018. Perguntado sobre qual dos candidatos teria mais simpatia para a disputa à Presidência em 2014, ele foi vago:

– Acho difícil… O quadro político partidário no Brasil não me agrada nem um pouco.

Barbosa falou a uma plateia de jornalistas sobre a urgência de uma reforma política. Posicionou-se contra o voto obrigatório, a favor das candidaturas avulsas, criticou o excesso “assombroso” de legendas, a “mercantilização” das siglas, e o “coronelismo e mandonismo” na estrutura interna dos partidos.

– O assunto mais premente, mais árduo de todos, é a questão da reforma política. O povo tem sido sistematicamente ignorado, colocado à parte das decisões políticas do nosso país, da nossa polis. É a natureza tortuosa do nosso sistema político, movido por um combustível nada limpo, que é o dinheiro de origem duvidosa, que tem causado a grande desafeição do cidadão para com a política.

Segundo ele, após as manifestações de junho houve uma “acomodação”.

Julgamento dos embargos infringentes deve durar quatro meses

O presidente do Supremo não quis se aprofundar sobre o julgamento do mensalão, mas afirmou que a análise dos embargos infringentes deve durar “uns três ou quatro meses”.

– Não quero falar sobre o caso em andandamento. Mas deve durar uns três ou quatro meses – limitou-se a dizer.

Sobre a polêmica dos casos de proibição de biografias não autorizadas, Barbosa disse que não há censura prévia no Brasil. Ele considera que há direitos em choque. O ministro sugeriu que se desse 10 anos depois da morte de uma pessoa para que se pudesse escrever o que quiser sobre a figura pública.

Barbosa voltou a atacar a ineficiência do Poder Judiciário. Mas ele disse estar um “pouco cansado” de falar sobre o assunto, pois trata esse tema cotidianamente.

– Os problemas do Judiciário brasileiro hoje são bastante conhecidos: lentidão, mitigância exacerbada, absoluta falta de compromisso com a mínima funcionalidade. Isso para não deixar de mencionar o academicismo alheio e pomposo que não considera a realidade brasileira.

Joaquim Barbosa falou ainda sobre o que considera a “pouca participação” de negros em amplos setores do mercado de trabalho no Brasil, inclusive na imprensa. Ele diz que os responsáveis pelo recrutamento de funcionários têm que estar atento a este fato.

– A questão racial no Brasil provoca um certo desconforto, sobretudo da parte de quem sofre o preconceito. Há uma nuvem de silêncio no Brasil com essa questão. E esse silêncio é extremamente prejudicial a quem sofre.

Perguntado sobre os casos em que ações judiciais coordenadas em vários locais do país são usadas para dificultar o trabalho de um veículo de imprensa, Barbosa considerou esta prática um “abuso” do direito de acesso à Justiça. Ele também afirmou que o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) poderia até formular uma diretriz sobre o assunto.

Barbosa defendeu ainda o seu pedido para que a mulher do repórter do “Estado de S. Paulo”, Felipe Recondo, lotada no gabinete do ministro Ricardo Lewandowsk, fosse demitida. Segundo Barbosa, ela tem um cargo comissionado e entrou no gabinte por “favor”. Apesar de considerar o caso encerrado, ele disse que a função dela é incompatível com o relacionamento com um repórter “residente” na Corte.

Fonte: O Globo

+ sobre o tema

Coalizão de entidades lança campanha por mais negros nos parlamentos

A Coalizão Negra por Direitos, que reúne mais de...

Kenarik Boujikian é nomeada para a Secretaria Nacional de Diálogos Sociais da Presidência

A desembargadora aposentada do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) Kenarik...

Precarização do trabalho rural impacta mais pessoas negras e mulheres

Um relatório da Oxfam Brasil indica que mulheres e pessoas negras...

Em Ceilândia, Anielle Franco anuncia R$ 1,6 milhão para organizações

A ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, anunciou, nesta...

para lembrar

Elogio à intolerância: o que a mídia tem a ver com isso?

Já foram muitas as análises e os comentários...

Livro do Exército ensina a louvar ditadura

Colégio militar usa material de história com perfil diferente...

Música Baiana em Estado de Imbecilidade por Eduardo Sergio Santiago de Queiroz

Caro Vanderley Soares! Há alguns dias recebi um email...

Campanha arrecada doações para alimentar 220 mil famílias brasileiras

Uma campanha nacional lançada na terça-feira (16) deu início...

OABRJ levará absolvição dos policiais no caso João Pedro ao STF

A Ordem dos Advogados do Brasil do Rio de Janeiro (OABRJ) levará o caso da absolvição dos policiais na morte do jovem João Pedro...

O grande bazar de direitos

Rodrigo Pacheco, presidente do Senado, declarou nesta semana estar "muito entusiasmado com a iniciativa do STF  de, ao invés de simplesmente decidir pela inconstitucionalidade daquilo que...

Mães de vítimas da violência policial em SP, RJ e BA vão à Comissão Interamericana de Direitos Humanos denunciar o Estado brasileiro

Representantes de movimentos de mães de vítimas da violência do Estado e organizações de direitos humanos como Anistia Internacional, Conectas Direitos Humanos, Instituto Vladimir...
-+=