Guest Post »

Bispo evangélico é contra ensino religioso confessional nas escolas do Brasil

O secretário-executivo da Confederação das Igrejas Evangélicas Apostólicas do Brasil, Bispo Carlos Viana, discorda da decisão do Supremo Tribunal Federal que autorizou o ensino confessional (pregação religiosa aos alunos) nas escolas públicas do Brasil.

Foto: Elza Fiuza/ Ag Brasil

Do Carta Campinas 

Ele acredita que a escola não deve ser local para a prática religiosa. “Acho que a escola não é um ambiente que se ensine a parte religiosa da pessoa, a escola tem outros tipos de responsabilidades. Até porque o nosso país nos dá total liberdade para praticar qualquer religião. Não acho que o ambiente da escola deve ser obrigado ou ter autorização para isso”.

Ele teme que as escolas priorizem algumas religiões em detrimento de outras, e que os alunos acabem sendo constrangidos por causa de sua crença.

O bom senso no bisco contrasta com a posição do advogado Fernando Neves, representante da CNBB (Confederação Nacional dos Bispos do Brasil), que defendeu a obrigatoriedade do ensino religioso por estar previsto na Constituição, e disse que o poder público não pode impedir o cidadão de ter a opção de aprofundar os conceitos sobre sua fé.  Para ele, o ensino religioso não é catequese, nem proselitismo. “É aprofundamento daquele que já escolheu aquela fé, por si ou por sua família. Os alunos são livres para frequentar”.

O secretário-geral da (CNBB), Dom Leonardo Steiner, disse que a entidade poderá oferecer sugestões para organizar o ensino confessional nas escolas públicas, e está também à disposição para o diálogo com o Conselho Nacional de Educação. (Carta Campinas com informação da Agência Brasil)

Related posts