Black is Beautiful: é bom, é barato e é para poucos

Hoje cedo, na rua Do Ouvidor

Quantos brancos horríveis eu vi

Eu quero um homem de cor

Um deus negro do Congo ou daqui

Que se integre no meu sangue europeu

Black is beautiful, black is beautiful Black beauty so peaceful I wanna a black I wanna a beautiful

Hoje a noite amante negro eu vou

Vou enfeitar o meu corpo no seu

Eu quero este homem de cor

Um deus negro do congo ou daqui

Que se integre no meu sangue europeu

Black is beautiful, black is beautiful Black beauty so peaceful I wanna a black I wanna a beautiful

Black is Beautiful – Por Elis Regina

por KK Santos Filho para o Portal Geledés

Parte 1 – O bom

Fico imaginando numa reunião de pauta com um rolo de papel higiênico “PRETO” no centro de uma mesa e “cabecas brilhantes” prontas para vender o produto, quando alguém sugere, “Black is Beautiful” qual foi a reação ou como foi a escolha, mas a própria propaganda nos conta, está lá para provar que nunca teve outra opção.

Alguém, com certeza disse, que seria ofensivo para os negros, porque eles sabem da história, eles são velhos, macacos velhos, eles sabem… A Elis Regina já sabia, e contou pra eles. Eles sabem…

Nós e nossas histórias não estamos na “formação” deles, em nenhuma fase da vida deles, mas a Elis, a Elis estáva lá, na vitrolinha, no mp3, e no playlists deles, eles sabem de tudo.

Então, para esquentar aquela reunião, começaram a surgir outras opções de slogan, está na propaganda e são péssimas, realmente péssimas como é a propaganda no Brasil e podemos comprovar:

BLACK É ELEGANTE? BLACK É OUSADO? BLACK É ÚNICO?

Faltou o Pelo Amor de Deus!

Não se gasta milhões em formação “privilegiada” para ter esses slogans em um produto de luxo. Eu poderia arriscar que é uma propaganda que sai de uma cabeça sem diversidade nenhuma. Portanto temos certezas qual é o papel deles (dos slogans, claro), tem estudo de mercado para isso, eles são: menores, discretos e péssimos para chamarem para o principal, “BLACK IS BEAUTIFUL”.

Parte 2 – É Barato

Para se lançar um produto novo no mercado, gasta-se milhões com estudos, pesquisas e investimentos para se definir um público alvo.

No momento do lançamento, define-se um público e um mercado, e isto é caro, muito caro.

O lançamento de um produto luxuoso, vale milhões em investimento.

E precisa ser falado, comentado, e viralizado.

Esses estudos estão mudando. Descobriu-se que somos um Mercado, preto são os produtos, mas negro é um mercado, principalmente na internet e eles sabem.

Os negros no Brasil, estão fazendo um barulho enorme na internet, viramos um termômetro do Brasil racista, a Dove, na semana passada havia sido nosso alvo e as ações da Unilever caíram um pouquinho, mas, voltaram a subir porque o produto vende mesmo.

Não se vende um produto vende-se a polêmica e as desculpas

Para entendermos o “gancho” de mercado funciona assim: O papel higiênico Black is Beautiful poderia ter saído em qualquer mês do ano no Brasil, falaríamos e pronto, sobem-se as ações, mas Novembro, o Mês da Consciência Negra, éra o momento perfeito para a polêmica e a melhor época para o lançamento de um rolo de papel higiênico.

Não tem achismo, não existe ingenuidade e muito menos genialidade é o mercado, é o produto e é o publico alvo, ai esta a grana, e a “grana é preta”.

Portanto, para este produto “luxuoso” e que venderia muito pouco, para ser perfeito seria necessário criar DOIS banners, somente dois banners, o DO PRODUTO e outro PRA QUEM ELE É DESTINADO.

 

E o sucesso seria imediato. O Viral mais barato do mercado.

Entre a mentalidade racista das agências de propaganda, nossas denuncias e o monitoramento nas internet. é assim que somos vistos, como disseminadores do produto, porque o racismo está na nossa cabeca.

Ele até já elegeram negros que pregam isso.

Eles sabem de tudo sobre nós, eles ouviram a Elis, eles nos matam, nos comem, e nos cagam e é lá “naquele lugar” da modelo escolhida, desejada e amada que devemos estar.

Mas e ai vamos protestar? Protestar? Estamos protestando. Mas vai mudar?

NÃO

Insisto, nisso, eles estudaram o mercado, eles sabem de tudo sobre nós, vamos brigar, vamos falar, vamos reclamar, mas NEGROS NÃO BOICOTAM!

Negros no Brasil não boicotam um produto veiculado por uma modelo loira, eles sabem disso, pois são 500 anos de brasilis… são 500 anos de mercado.

Há anos são criadas, veiculadas e massificada, propagandas, cenas de novelas, programas que incitam ao genocídio, ao linchamento, centenas de páginas na internet que nos inferiorizam com discursos racistas principalmente próximo e no MÊS DA CONSCIENCIA NEGRA, na verdade, eles nos gritam o tempo todo para pararmos de querer gostar de nós mesmo, temos que gostar deles, e como ouvimos menos a cada ano, este ano, eles decidiram que teríamos esses dois banners na Internet.

Parte III – É para poucos

O produto é para nós que nos indignamos? Não

Não compraremos, não usaremos, nós lutaremos, vamos falar, gritar e reclamar não vamos parar, não existe essa possibilidade de voltar.

BLACK IS BEAUTIFUL é e será uma das nossas bandeiras eternas.

Já o papel higiênico preto será para poucos…

Porque temos certeza, que ele estará nas mesas de definições de políticas públicas, na formação da polícia, nas mesas de criação de agências de publicidade, nas mesas de discussões de quem decide o cardápio da merenda escolar, nas pautas das redes de televisões, nas pautas de programas policiais e nas redações de jornais deste país.  E do Oiapoque ao Chuí.

+ sobre o tema

Por que precisamos falar sobre feminicídio?

Até quando assassinatos como o da dançarina Ana Carolina...

Federação Israelita vai pedir que MP investigue casos de racismo e anti-semitismo no RS

Supostos crimes ocorreram durante o conflito na Faixa de...

O que pode ensinar um professor que odeia pretos e pardos?

O Brasil vive tempos sinistros. Mesmo no mundo acadêmico,...

‘Sabia que existia a violência policial, mas nunca tinha sentido na pele’

Dois estudantes, que foram presos e agredidos por policiais...

para lembrar

São Paulo extingue registro de resistência seguida de morte em boletins de ocorrência

Resolução do governo paulista segue recomendação da Secretaria de...

Conferência nacional discute igualdade dos povos

- Fonte: Gazeta Web- Thinkstock/Getty Images Evento foi construído com...
spot_imgspot_img

Em ‘Sitiado em Lagos’, Abdias Nascimento faz a defesa do quilombismo

Acabo de ler "Sitiado em Lagos", obra do ativista negro brasileiro Abdias Nascimento, morto em 2011, no Rio de Janeiro. A obra, publicada agora pela...

Registros de casos de racismo aumentam 50% entre 2022 e 2023 no estado de SP

Números obtidos via Lei de Acesso à Informação pela TV Globo, mostram que o número de ocorrências registradas por racismo e injúria racial tiveram alta...

Justiça reconhece atribuições familiares das mulheres

Saiu da Justiça de São Paulo uma tão inédita quanto bem-vinda decisão de reconhecimento de atribuições familiares das mulheres, sempre exigidas, nunca valorizadas. Um...
-+=