Blues: Reconexões entre o passado e o presente Africano

O Blues, enquanto gênero musical, surgiu no despertar do século XX em Mississipi, no sul escravocrata dos Estados Unidos, através de uma mistura de cantos de trabalho (work songs e spirituals). Em um cenário pré-moderno, o bluesman, após um longo dia de trabalho nas colheitas de algodão, quebrava uma garrafa e encaixava o gargalo em um dos dedos da mão, escorregando-o pelas cordas do violão, dando uma função diferente a este instrumento. As blue notes – efeito expressivo derivado da distorção sonora causada por vibratos ou pelo uso deslides (sendo os primeiros feitos de garrafas quebradas ou facas) – traziam à tona a memória de um tempo-espaço longínquo, para além das fronteiras oceânicas. Fronteiras estas ultrapassadas pela devastadora força da escravidão.

por Rosa Couto  Do Afreaka

PutumayoPresentsAfricanBluesColetânea Putamayo de Jazz Africano

São inúmeras as referências ao fazer musical africano no Blues que é, em essência, uma apropriação das concepções musicais do Ocidente pelo imaginário dos negros no Novo Mundo. A escala de cinco notas (pentatônica), evitando semitons e, portanto, a tensão-repouso que marca a narrativa musical do Ocidente é uma destas referências. O uso da repetição que causa a sensação de transe coletivo e compartilhado, é outra.  Estes exemplos, presentes nas canções de artistas como Robert Johnson, remontam a um período em que a música possuía uma função para além do entretenimento e serviram, posteriormente, de inspiração para o desenvolvimento de outros gêneros musicais nos Estados Unidos e em todo mundo.

SidiToureSidi Touré (Foto: Divulgação)

Na África, alguns músicos empenham-se em levar o Blues “de volta pra casa”, e reivindicam para a região oeste daquele continente as raízes deste estilo. Este é o caso de Sidi Touré, nascido em 1959, em Gao, cidade que foi no passado um centro de comércio transaariano, às margens do Rio Níger, no Mali. Suas músicas, permeadas de referências islâmicas, trazem à lembrança a imagem imponente do deserto. “Sahel Folk”, disco de 2011, é atravessado por uma áurea mística, na qual os ouvidos atentos podem captar os elementos que encontramos no Blues americano, é claro, transformados pela realidade africana. Gravadas na companhia de amigos, as canções foram executadas com todos sentados em roda, ao redor do fogo, numa tentativa de unir novamente música e cotidiano.

Touré utiliza sua música como protesto contra a guerra e as crises políticas enfrentadas por seu país, que desde 2012 vivencia enfrentamentos entre tuaregues e grupos islâmicos. Ele é um dos muitos músicos do oeste africano que cantam pela paz, utilizando o blues como via expressiva. Para Touré “não se pode negar o evidente (…): a raiz do blues somos nós”. Independentemente da questão da origem e local de nascimento do gênero, o que une o deserto africano à plantação de algodão no sul dos Estados Unidos é o fato que este gênero musical é, em essência, um canto de resistência.

+ sobre o tema

10 canções obrigatórias para entender o samba

  O sambista Nelson Sargento Para se ter uma ideia da...

União Africana condiciona reconhecimento do CNT à formação de governo de coligação

"O CNT confundiu os negros (líbios) com os mercenários....

Milton Nascimento conta como o racismo despertou sua consciência política

Prestes a se apresentar em São Paulo, artista fala...

Quilombola brasileira revela emoção de primeira visita à África

Por: Mirella Domenich   Um grupo de quilombolas - descendentes dos...

para lembrar

Portugal reconheceu injustiça da escravatura quando a aboliu em 1761, diz Marcelo

Na ilha de Gorée, Marcelo Rebelo de Sousa disse...

Contra assédio, cidade no México introduz táxi cor-de-rosa para mulheres

Fonte: Ultimo Segundo A cidade mexicana de Puebla, localizada...

Tensões raciais nos EUA são teste para legado de Obama

Washington - As recentes tensões raciais nos Estados Unidos...

Cáritas Brasileira envia mais de 1 milhão de reais aos africanos

    Lançada em agosto deste ano pela Conferência Nacional dos...
spot_imgspot_img

Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12),...

Estou aposentada, diz Rihanna em frase estampada na camiseta

"Estou aposentada", é a frase estampada na camiseta azul que Rihanna, 36, vestia na última quinta-feira (6), em Nova York. Pode ter sido uma brincadeira, mas...

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...
-+=