Boric defende “reação conjunta da América Latina” a “golpe” no Brasil

Presidente do Chile, constantemente atacado por Bolsonaro, disse à revista Time que o continente deve reagir para impedir possível golpe

O presidente do Chile, Gabriel Boric, defendeu que a América Latina “tem que reagir em conjunto para colaborar na prevenção” a um possível golpe de Estado no Brasil. Em entrevista à revista Time, publicada nesta quarta-feira (31/8), Boric foi questionado sobre a possibilidade de o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro (PL), não aceitar os resultados das eleições de outubro.

Perguntado sobre o que faria para apoiar a democracia brasileira, o presidente chileno defendeu atuação conjunta do subcontinente e saudou a Carta em Defesa do Estado Democrático de Direito, elaborada por juristas e pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (FDUSP).

Veja a resposta de Boric:

“Foi muito esperançoso ver a carta de São Paulo, que tem um milhão de assinaturas a favor da democracia, com a transversalidade dos signatários de [vários setores da sociedade e da política]. Foi um sinal poderoso da sociedade civil brasileira. Se houver uma tentativa como aconteceu, por exemplo, com a Bolívia [em 2020], onde se acusou de fraude que não foi, e um golpe de Estado foi validado, a América Latina tem que reagir em conjunto para colaborar na prevenção”.

+ sobre o tema

Detenção de Mano Brown exemplifica a mensagem de Cores e Valores

Pedro Paulo Soares Pereira, 44 anos, também conhecido como...

Últimas tropas de combate dos EUA deixam o Iraque

Segundo redes americanas, tropas deixam o país em direção...

Manifestações livres sobre qualquer assunto

Por Leno F. Silva De novo, mais uma...

para lembrar

O ódio que cresceu 550% na América Latina

O ódio é proporcional ao feito de redução das...

60 millones de latinoamericanos padecemos hambre y 267 millones inseguridad alimentaria

El hambre en América Latina y el Caribe está...

Declaración de la CSW 59: Pronunciamiento da sociedade civil da America Latina

DECLARACIÓN DE LA CSW59: UN DOCUMENTO DÉBIL FRENTE A...

Mulheres latinas têm 20% menos direitos legais do que os homens

As mulheres da América Latina e do Caribe têm...

O lento reconhecimento dos direitos LGBTQIA+ na América Latina

O avanço do reconhecimento dos direitos LGBTQIA+ na América Latina começou com a chegada do século 21, quando em 2002 a Suprema Corte argentina decidiu a...

Em meio a onda progressista nas eleições pela América Latina, movimento negro brasileiro viaja com lideranças políticas pelo continente para fazer conexões e conversas...

Na próxima quarta-feira (2), organizações do movimento negro, como Casa Sueli Carneiro, Instituto Marielle Franco, Instituto de Referência Negra Peregum, Movimento Mulheres Negras Decidem...

Mulheres latinas têm 20% menos direitos legais do que os homens

As mulheres da América Latina e do Caribe têm 20% menos direitos legais do que os concedidos aos homens, aponta um estudo do Banco...
-+=