Branquidade Normativa: ‘A maioria de nós aqui é racista e nem sabe’, a afirmação do designer Taygoara Aguiar

“A maioria de nós aqui é racista e nem sabe”, a afirmação do designer Taygoara Aguiar deixou o pessoal um pouco perplexo, sabe quando a gente é criança e ouve alguém falar um palavrão? Foi mais ou menos assim, mas, logo ele listou uma série de argumentos que levou várias cabeças a balançarem naquele gesto de quem concorda.

As novelas, materiais didáticos e produtos reportam a toda hora uma realidade sem a presença do negro, esse foi um dos muitos exemplos que retrata o que Taygoara chamou de “branquidade normativa”, que é a ideia de que o normal é ser branco.

Mas chocante ainda é perceber afirmações racistas feitas por Monteiro Lobato, presente na educação das crianças, e não para por aí, já reparou que a expressão “cor de pele” serve para representar um único tom de pele que caracteriza o band-aid, a meia-calça e aquele giz de cera?

Mesmo apesar de tantos argumentos o designer ainda levantou a questão de que muitos afirmam que não existe racismo no Brasil, mas essa “afirmativa falsa” é fruto da denominação de Gilberto Freire que “cunhou o termo democracia racial para passar a imagem de um Brasil de colonização consensual e sem violência”.

Depois desse “papo” talvez os comerciais de chapinha pareçam mais chocantes para os aqui presentes do que aquela primeira afirmação inicial, a ideia é essa!

__

Taygoara Aguiar é Designer, Professor de audiovisual e computação gráfica da Escola de Belas Artes da UFBA, busca em sua trajetória profissional a produção responsável de conteúdo audiovisual, interessando-se pela divulgação da cultura local e pelo respeito à diversidade. Dedica-se ao estudo das representações imagéticas afro-brasileiras na mídia e no ambiente escolar, atuando na construção de mecanismos de descontrução de estereótipos discriminatórios nestes meios.

+ sobre o tema

Daniel Echaniz é expulso do BBB 12

  BBB: Daniel é eliminado por comportamento inadequado...

Após morte de policial, oito são mortos em Belém do Pará

O terror tomou conta de diversos bairros da região...

Eu Apoio o Tarifa Zero – Marilena Chaui

A professora e filósofa Marilena Chaui apresenta seus...

O complicado caso de racismo do Zenit

Mais uma vez o tema racismo surge no futebol...

para lembrar

Xô Racismo !

Fonte: Revista Viracão Por Paloma Klisys* O desejo de domínio, controle...

Por que fui citada por Jair Bolsonaro?

"Tem uma tal de Bianca Santana aqui, uma blogueira,...

Racismo na PSP: “A minha cunhada é de cor, não ia dizer essas coisas”

Terceira sessão do julgamento dos 17 polícias da PSP...
spot_imgspot_img

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...
-+=