Brasil: Colóquio reúne estudantes africanos em universidade brasileira para promover intercâmbio e trocas culturais

Rio de Janeiro, Brasil, 24 Jun (Lusa) – O desafio de mostrar a presença de estudantes africanos nas universidades brasileiras motivou a realização do primeiro colóquio “África no Brasil: Visão Universitária”, afirmou o promotor do evento, o guineense Lenine Djù, para quem o desenvolvimento passa pela educação.

Fonte: Expresso/Portugal

“Esta oportunidade de estudar fora não é em vão, é o sonho de qualquer jovem guineense ter uma formação académica”, disse à Agência Lusa Djù, de 26 anos, nascido em Bissau, que está no Brasil há três anos para estudar Publicidade na Universidade Federal do Rio de Janeiro.

O futuro publicitário disse que escolheu o Brasil por ser um país referência na sua área de formação.

Djù é um das centenas de jovens africanos que integra o Programa Estudante Convénio de Graduação (PECG).

Este é um dos instrumentos de cooperação educacional que o Governo brasileiro oferece a outros países em vias de desenvolvimento, especialmente da África e da América Latina, e possibilita que cidadãos de países com os quais o Brasil mantém acordos educacionais ou culturais realizem estudos universitários no Brasil, em nível de graduação.

“Muitos guineenses querem ir atrás dos seus sonhos. O meu objectivo aqui é formar-me e levar tudo de bom, conhecimento, experiência e contribuir para o processo de desenvolvimento do meu país”, complementou ao referir sentir-se “lisonjeado” por fazer parte da diáspora “que no contexto africano, geralmente são intelectuais que saem”.

Djù quer mostrar que o intercâmbio rendeu frutos e afirma que o Brasil é a sua segunda pátria.

“O Brasil proporcionou-me uma coisa que o meu país não pode, não vou esquecer, foi o Brasil que meu deu conhecimento académico”, sublinhou.

O encontro “África no Brasil” que se realiza até hoje na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), para integrar experiências dos dois continentes, é a primeira iniciativa que visa reunir estudantes universitários de países africanos e brasileiros.

Nesta instituição pública, estima-se que estudam actualmente 170 africanos de 11 nacionalidades através deste programa de convénio de graduação.

Por seu turno, o Embaixador de Moçambique, Isaac Murargy, presente na abertura do colóquio também defendeu a educação como ferramenta para a diminuição da pobreza e “de todos os males”.

No Brasil, há cerca de 400 moçambicanos que estudam em universidades brasileiras e o desafio, segundo Murargy, é aumentar a afluência de moçambicanos ao Brasil.

“O Brasil criou, desde sempre, essa abertura em várias universidades. Os estudantes têm que ter auto-estima porque o país precisa deles, num momento em que estamos no processo de desenvolvimento, e eles têm um papel a desempenhar”, afirmou o Embaixador à Lusa.

Segundo Murargy, a proximidade da língua facilita.

Para a cabo-verdeana de 23 anos, Sara Estrela, que vive há cinco anos no Brasil, a aprender Direcção Teatral, estudar num país estrangeiro é uma opção de muitos jovens em Cabo Verde.

“É sina de quem vive lá, Cabo Verde é um país muito emigratório, é uma opção ir para o estrangeiro. Eu queria ir para um lugar que tivesse a ver com a minha cara e achei que o Brasil tinha e é a referência na área de teatro”, destacou.

Estrela é uma das estudantes universitárias que participam do colóquio “África no Brasil” e dará o seu depoimento sobre a sua vida no Brasil.

O seu objectivo é não parar de estudar, mesmo após graduada.

“Eu quero continuar a estudar, fazer mestrado, quero estudar o máximo que puder, sempre”, sublinhou.

Durante as palestras, os alunos africanos darão depoimentos sobre suas experiências.

Haverá ainda exibição de filmes sobre a realidade africana e de grupos folclóricos de estudantes africanos.

 

+ sobre o tema

Projeto de escolas cívico-militares é aprovado na Alesp após estudantes serem agredidos por policiais

O projeto de lei que prevê a implementação das escolas...

Educação domiciliar e seus impactos para a convivência democrática

A educação domiciliar, também conhecida internacionalmente como homeschooling, tem...

Candidatos do Rio Grande do Sul terão isenção no Enem

O ministro da Educação, Camilo Santana, anunciou que todos...

Liberdade para Ensinar e Aprender: Pesquisa Nacional Analisa Violências Sofridas por Educadores/as no Brasil

O Observatório Nacional da Violência contra Educadoras/es (ONVE), sediado...

para lembrar

Malala ‘é guerreira’, diz brasileira que dublou discurso da paquistanesa

Yolanda, de 15 anos, vive no Capão Redondo, em...

Programa Erasmus oferece bolsas integrais na Europa

O Erasmus, programa promovido pela União Europeia para fomento a...

Inscrição para vestibular das Fatecs começa nesta sexta

  As inscrições para o processo seletivo das Faculdades de...
spot_imgspot_img

FGV e Fundação Itaú oferecem bolsas de mestrado em comunicação digital e cultura de dados

A FGV-ECMI (Escola de Comunicação, Mídia e Informação da Fundação Getúlio Vargas) vai oferecer 30 bolsas integrais para o mestrado em comunicação digital e...

Projeto de escolas cívico-militares é aprovado na Alesp após estudantes serem agredidos por policiais

O projeto de lei que prevê a implementação das escolas cívico-militares na rede estadual e municipal de ensino foi aprovada na noite desta terça-feira (21) na...

Educação domiciliar e seus impactos para a convivência democrática

A educação domiciliar, também conhecida internacionalmente como homeschooling, tem sido objeto de debate em diversos contextos nacionais e internacionais, mobilizando famílias, a sociedade e...
-+=