Brasil legaliza cerca de 900 imigrantes, mas insiste em cooperação

 

A situação dos imigrantes que chegaram ao Brasil pela fronteira amazônica com a Bolívia melhorou com a legalização de cerca de 900 pessoas, mas requer uma maior cooperação dos países vizinhos para conter o fluxo, informaram nesta quarta-feira fontes oficiais.

Tião Viana, governador do Acre, se reuniu com o chanceler Antonio Patriota para analisar as medidas adotadas nos últimos dias frente a uma chegada em massa de imigrantes, a grande maioria procedentes do Haiti.

— Há uma sensação geral de maior tranquilidade.

Segundo dados oficiais, dos cerca de 1.600 imigrantes que chegaram nas últimas semanas a Epitaciolândia e Brasiléia, nos limites com a Bolívia, cerca de 900 legalizaram sua situação e já contam com vistos para permanecer no país.

Também receberam atendimento médico, foram vacinados contra doenças tropicais e serão auxiliados na busca por um emprego. Apesar do governador Viana ter considerado que há uma maior tranquilidade, também disse aos jornalistas que comentou com Patriota sua preocupação com uma possível repetição do fenômeno, que o Governo Brasileiro atribui às redes de tráfico de pessoas.

Viana apoiou a intenção do Brasil de buscar apoio da Bolívia, Peru e Equador para combater essas redes e solicitou ao Governo federal um maior respaldo ao estado do Acre, que é “uma região vulnerável” pelas dificuldades que impõem as fronteiras amazônicas.

A imigração desde o Haiti por essas fronteiras começou depois do terremoto que devastou o país em 2010 e não parou desde então, embora com diversa intensidade. Para tentar colocar um freio, o Governo limitou as concessões de vistos para 1.200 por ano, mas sempre que fossem tramitados no Haiti e não em território do Brasil. No entanto, após ter outorgado vistos a 1.593 haitianos em 2011, esse número saltou até 1.900 em 2012 e já foi superado em somente três meses de 2013.

Além de haitianos, nas últimas semanas chegaram pessoas desde outros países e, segundo um balanço feito pelas autoridades do Acre na semana passada, havia 60 imigrantes senegaleses, oito dominicanos, cinco nigerianos e um bengali.

 

 + Sobre Haiti e seus imigrantes no Brasil

Haitianos

A difícil vida dos haitianos no Brasil

O épico e o trágico na história do Haiti

 

 

Fonte: R7

+ sobre o tema

Nove em cada dez adolescentes compram cigarro em comércio autorizado

Nove em cada dez adolescentes, entre 13 e 17...

Pena de morte?!

Hoje, ouvi um relato sobre um assalto. O ônibus...

552 vagas de aprendiz no curso de aprendizagem industrial – SABESP

A Companhia de Saneamento Básico do Estado de...

6 alimentos que um especialista em segurança alimentar diz que nunca comeria

Os dois surtos da bactéria E. coli que afetaram...

para lembrar

ONU defende direitos humanos na internet como no mundo físico

  O principal órgão de direitos humanos da...

Moraradores do Alemão que sofreram abusos de policiais ficam sem resposta

Por: Renata Mariz   Rio de Janeiro — Quase dois meses...

O que aconteceu com a nova classe média: o adeus à carteira de trabalho

O emprego como contramestre de solda num grande estaleiro...

Campanha de autodeclaração racial e étnica dos jornalistas

Campanha de autodeclaração racial e étnica dos jornalistas: “Jornalista de verdade...
spot_imgspot_img

Evento do G20 debate intolerância às religiões de matriz africana

Apesar de o livre exercício de cultos religiosos e a liberdade de crença estarem garantidos pela Constituição brasileira, há um aumento relevante de ameaças...

Raça e gênero são abordados em documentos da Conferência de Bonn

A participação de Geledés - Instituto da Mulher Negra na Conferência de Bonn de 2024 (SB 60), que se encerrou na última quinta-feira 13,...

NOTA PÚBLICA | Em repúdio ao PL 1904/24, ao equiparar aborto a homicídio

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns vem a público manifestar a sua profunda indignação com a...
-+=