Brasil será avaliado pela ONU quanto à eliminação da discriminação racial

Avaliação serve para saber como está o cumprimento de convenção internacional assinada pelo Brasil

O Brasil passará por uma avaliação da Organização das Nações Unidas (ONU) este ano quanto ao que está fazendo para eliminar a discriminação racial. A informação foi dada, nesta quarta-feira (3/8), pela assessora de direitos humanos para o Alto Comissionário das Nações Unidas Angela Pires, durante o 17° Congresso da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), que ocorre em São Paulo. 

A avaliação corre de tempos em tempos para saber como está o cumprimento do compromisso firmado pelo país de acabar com a discriminação racial. O Brasil é signatário da Convenção Internacional sobre a Eliminação de todas as formas de Discriminação Racial, firmado em 1966. Segundo Angela, o cumprimento do compromisso é um desafio para o Brasil, mas também para todo o mundo, já que nenhum lugar conseguiu eliminar 100%. Porém, ela destaca a importância da participação das organizações civis na combate a esse tipo de discriminação. “Se ninguém fala nada, só vai ter a versão do Estado”, exemplifica. 

O exame avaliará quais são as medidas que o Brasil está implantando para acabar com a discriminação, como políticas públicas. Ao fim, os avaliadores produzem um relatório com recomendações ao país. Foi assim no ano passado, quando o Brasil foi avaliado quanto ao Desaparecimento  Forçados. “Firam feitas recomendações muito duras, porque apesar de ter se comprometido em 2010 com a convenção, e uma das recomendações é a tipificação do crime, o Brasil não fez”, destaca ela. 

O Brasil é signatário de nove convenções de direitos humanos na ONU e para acompanhar o cumprimento das medidas existem 10 comitês. “O Brasil é reconhecido por ter uma Constituição que incorpora bem todos os elementos de direitos humanos. O papel das Nações Unidas é um espaço da democracia, da cooperação”, destaca Angela. 

Segundo Gustavo Huppes, assessor internacional de advocacia da Conectas Direitos Humanos, apesar de a ONU ter o poder de cobrar dos países membros o cumprimento de medidas, na prática cabe aos próprios países cumprirem ou não. “A ONU não tem poder de política, não tem poder de prisão. É um caminho complicado para chegar em uma grande punição internacional. Então não necessariamente essa cobrança implica em uma ação punitiva, é mais para arranhar a imagem para que o país possa melhorar a sua atuação”, explica. 

+ sobre o tema

Os palancas negras

Não foi o 7 x 1 que me frustrou,...

“Você matou meu filho!”: Homicídios cometidos pela Polícia Militar na cidade do Rio de Janeiro

“Você matou meu filho!”: homicÍDioS cometiDoS Pela PolÍcia militaR...

Qual narrativa é a sua?

A História dos Negros é maior, mais variada, mais bonita...

Torcida gremista faz gestos e sons racistas contra jogadores do Cruzeiro

Torcida gremista faz gestos e sons racistas contra jogadores...

para lembrar

Racismo: uma herança que violenta o Brasil

Aprovado no último dia 15 de julho, o relatório...

Cacheada não, crespa

Se tem uma coisa que vem me tirando do...

Beyoncé se manifesta sobre protestos em Baltimore

Cantora Beyoncé também pediu doações para instituição que luta...
spot_imgspot_img

Como é a vida para as mulheres no último país da África sob colonização

Ainda hoje há um país africano colonizado. O Saara Ocidental está ocupado pelo Marrocos desde 1976, depois de quase 90 anos de invasão espanhola, e esteve em guerra...

Revolucionário, mas não é para todos

Passei os últimos dias pensando no significado e na profundidade de uma postagem que li numa rede social contendo a afirmação: "Descansar é revolucionário!"....

‘Nossa missão é racializar as políticas públicas em todo país’

Nomeado recentemente  como novo secretário de gestão do Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial (Sinapir), o jornalista baiano Yuri Silva tem uma tarefa...
-+=