Brasil será avaliado pela ONU quanto à eliminação da discriminação racial

Avaliação serve para saber como está o cumprimento de convenção internacional assinada pelo Brasil

O Brasil passará por uma avaliação da Organização das Nações Unidas (ONU) este ano quanto ao que está fazendo para eliminar a discriminação racial. A informação foi dada, nesta quarta-feira (3/8), pela assessora de direitos humanos para o Alto Comissionário das Nações Unidas Angela Pires, durante o 17° Congresso da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), que ocorre em São Paulo. 

A avaliação corre de tempos em tempos para saber como está o cumprimento do compromisso firmado pelo país de acabar com a discriminação racial. O Brasil é signatário da Convenção Internacional sobre a Eliminação de todas as formas de Discriminação Racial, firmado em 1966. Segundo Angela, o cumprimento do compromisso é um desafio para o Brasil, mas também para todo o mundo, já que nenhum lugar conseguiu eliminar 100%. Porém, ela destaca a importância da participação das organizações civis na combate a esse tipo de discriminação. “Se ninguém fala nada, só vai ter a versão do Estado”, exemplifica. 

O exame avaliará quais são as medidas que o Brasil está implantando para acabar com a discriminação, como políticas públicas. Ao fim, os avaliadores produzem um relatório com recomendações ao país. Foi assim no ano passado, quando o Brasil foi avaliado quanto ao Desaparecimento  Forçados. “Firam feitas recomendações muito duras, porque apesar de ter se comprometido em 2010 com a convenção, e uma das recomendações é a tipificação do crime, o Brasil não fez”, destaca ela. 

O Brasil é signatário de nove convenções de direitos humanos na ONU e para acompanhar o cumprimento das medidas existem 10 comitês. “O Brasil é reconhecido por ter uma Constituição que incorpora bem todos os elementos de direitos humanos. O papel das Nações Unidas é um espaço da democracia, da cooperação”, destaca Angela. 

Segundo Gustavo Huppes, assessor internacional de advocacia da Conectas Direitos Humanos, apesar de a ONU ter o poder de cobrar dos países membros o cumprimento de medidas, na prática cabe aos próprios países cumprirem ou não. “A ONU não tem poder de política, não tem poder de prisão. É um caminho complicado para chegar em uma grande punição internacional. Então não necessariamente essa cobrança implica em uma ação punitiva, é mais para arranhar a imagem para que o país possa melhorar a sua atuação”, explica. 

+ sobre o tema

Capitalismo é incompatível com democracia, afirma escritor Achille Mbembe

Um dos mais importantes pensadores do mundo, o camaronês Achille...

Juventude negra, ciência e educação

Mesmo com os avanços já promovidos pela lei 12.711/2012, que nacionalizou...

STF volta a proibir a apreensão de menores sem o devido flagrante nas praias do Rio

Após audiência realizada na manhã desta quarta-feira, em Brasília, o STF determinou...

para lembrar

Juiz condena réu por injúria racial contra professora da filha

O juiz Carlos Eduardo Lora Franco, da 3ª Vara Criminal...

Polícia conclui que Seu Jorge foi alvo de racismo no RS, mas não identifica autores

A Polícia Civil do Rio Grande do Sul concluiu o caso...

Emma Watson faz discurso por igualdade de direitos na ONU

Atriz foi responsável por lançar campanha da entidade em...
spot_imgspot_img

Debate na ONU sobre a nova declaração de direitos da população afrodescendente conta com a presença de Geledés

Geledés - Instituto da Mulher Negra esteve presente na sede das Nações Unidas em Genebra, na Suíça, durante os dias 8 e 9 de...

Movimento Negro na Conferência do Clima da ONU

Depois de 13 dias respirando combustíveis fósseis, nos Emirados Árabes Unidos, andando muitos quilômetros diariamente dentro do Expo Dubai, a COP28, Conferência do Clima...

Torta de climão

Conversa vai, conversa vem, dia desses uma conhecida relatou o desconforto que sentiu ao ser tratada como "a diferente" durante uma viagem ao exterior. –...
-+=