Brasileiros em Paris protestam contra Marco Feliciano

Cerca de 60 pessoas participaram neste sábado em Paris, de uma manifestação contra a nomeação do deputado Marco Feliciano (PSC-SP) à presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) da Câmara dos Deputados.

”Como todos aqui, estava indignada com essa nomeação. Vi manifestações sendo organizadas que em várias cidades, tanto no Brasil como outros países e achei que poderíamos fazer algo aqui em Paris também”, explica a coordenadora do evento, Maíra Pôssas Abreu.

O deputado e pastor Feliciano tem sido chamado de homofóbico e racista devido a declarações dadas por ele em entrevistas, a pronunciamentos seus feitos no plenário da Câmara e a mensagens postadas em sua conta de Twitter.

Conhecendo apenas alguns conterrâneos na capital francesa, Maíria decidiu consultar as redes sociais em busca de grupos de brasileiros que moram na França para sondar qual seria o grau de interesse em um ato desse tipo.

”Percebi que havia uma boa quantidade de pessoas que se engajariam e criei o evento no Facebook”, relata. Após a criação do evento, ela enviou um convite online a diversos potenciais participantes e conseguiu a confirmação de 200 pessoas.

Cartazes e palavras de ordem

O próximo passo foi obter uma permissão da polícia francesa, sem a qual não poderia haver manifestação. A ideia inicial era a de reunir os participantes em frente ao Consulado brasileiro, mas ”por motivos de segurança”, a polícia não permitiu.

A autorização só foi liberada para que a manifestação ocorresse em uma praça próxima ao consulado. Alguns manifestantes até tentaram fazer fotos em frente ao edifício da representação brasileira em Paris, mas foram impedidos pelos policiais que estavam no local.

Na praça do evento, os participantes exibiram cartazes com dizeres como ”Homofobia e racismo não” e ”Racismo não é opinião” e gritaram palavras de ordem, pedindo a saída do deputado Feliciano da presidência da CDHM.

A motivação dos manifestantes era a vontade de participar da vida política do Brasil, mesmo estando longe do país.

”Moro aqui há oito anos, mas vou ser brasileiro para sempre e tenho que lutar pelos direitos do meu país”, comenta Carlos Rizzetto, que trabalha na unidade francesa de uma multinacional. ”O Brasil é tratado como uma grande fazenda e isso tem que acabar”, complementa.

Carta aberta

Uma carta aberta pedindo a saída de Feliciano da presidência da CDHM foi assinada pelos manifestantes e será entregue ao consulado brasileiro na França. A expectativa é a de que o documento seja encaminhado para a Câmara dos Deputados.

A CDHM é constituída por 18 parlamentares e tem como objetivo tratar de violações aos direitos humanos e de assuntos referentes às minorias étnicas e sociais. Marco Feliciano foi eleito presidente da comissão por 11 votos, um a mais do necessário, no dia 7 de março último.

Em entrevistas, Feliciano já deu declarações dizendo que ”união homossexual não é normal” e que ”o reto não foi feito para ser penetrado, (porque) não haveria condição de dar sequência à nossa raça”.

Ele também afirmou que ”quando você estimula as pessoas a liberarem os seus instintos e conviverem com pessoas do mesmo sexo, você destrói a família, cria-se uma sociedade onde só tem homossexuais, você vê que essa sociedade tende a desaparecer porque ela não gera filhos”.

Há dois anos, em sua conta de Twitter, ele afirmou que “Africanos descendem de ancestral amaldiçoado por Noé. Isso é fato” e que “A maldição que Noé lança sobre seu neto, canaã, respinga sobre continente africano, daí a fome, pestes, doenças, guerras étnicas”.

 

Fonte: BBC Brasil

+ sobre o tema

É impossível promover direitos humanos sem proteger as mulheres

Medo e trauma de experiências de violência muitas vezes...

Negros são mais condenados por tráfico e com menos drogas em São Paulo

Levantamento inédito analisou 4 mil sentenças de tráfico em...

Encontro nacional debate estratégias para fortalecer organizações da sociedade civil

A Constituição brasileira de 1988 só tem a abrangência...

para lembrar

Dado racial em documento trabalhista é passo no combate a desigualdades

Em 20 de abril de 2023, o governo federal sancionou...

CARE

por Sueli Carneiro Cuidado, carinho, é o que a palavra...

“Se Deus fosse um ativista dos direitos humanos”, por Boaventura de Sousa Santos

Sociólogo português Boaventura de Sousa Santos veio ao Brasil...
spot_imgspot_img

Ministério da Igualdade Racial lidera ações do governo brasileiro no Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU

Ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, está na 3a sessão do Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU em Genebra, na Suíça, com três principais missões: avançar nos debates...

Conselho de direitos humanos aciona ONU por aumento de movimentos neonazistas no Brasil

O Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH), órgão vinculado ao Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania, acionou a ONU (Organização das Nações Unidas) para fazer um alerta...

Ministério lança edital para fortalecer casas de acolhimento LGBTQIA+

Edital lançado dia 18 de março pretende fortalecer as casas de acolhimento para pessoas LGBTQIA+ da sociedade civil. O processo seletivo, que segue até...
-+=