Campanha marca Dia Mundial de Conscientização dos Transtornos Alimentares

Criadores de conteúdo e especialistas de saúde brasileiros unem-se à campanha mundial #Equity4EatingDisorders, ou #EquidadeParaTA, para levar informação relacionada a transtornos alimentares (TA) à população, com ênfase em minorias, como LGBTQIA+, negra e gorda no Instagram.

Em uma campanha da ASTRAL (@astralbr – Associação Brasileira de Transtornos Alimentares) com apoio do Instagram, especialistas e criadores discutirão mitos e verdades comumente associados aos transtornos alimentares e diferentes grupos em uma série de vídeos, cards informativos e uma transmissão Ao Vivo.

“Os grupos marginalizados costumam ter dificuldades de acesso tanto à informação quanto ao tratamento de transtornos alimentares. Por isso, este ano, além de falar sobre os tipos de TA e tratamento, a campanha tem como foco trazer informações sobre os transtornos nas minorias” diz o nutricionista Muriel H. Depin (@obarrigapositiva), especialista em transtornos alimentares e membro do Conselho Técnico da ASTRAL. 

Nos episódios da série, ativistas como Ju Romano (@ju_romano) da comunidade Body Positive e a Dra. Sophie Deram (@sophiederam.br), autora do best-seller “O Peso das Dietas”, falam sobre como o TA afeta as pessoas gordas, que têm sua imagem associada a ideia de um corpo não saudável, enquanto André Carvalhal (@carvalhando), autor, apresentador, escritor e palestrante, e o nutricionista Muriel H. Depin tratarão sobre o mito de que os transtornos alimentares são menos comuns na comunidade LGBTQIA+.  

Às 16h30 do dia 2 (quarta-feira), haverá uma transmissão Ao Vivo sobre transtornos alimentares mediada pela jornalista e escritora Daiana Garbin (@garbindaiana), com a participação da Head de Políticas Públicas do Instagram na América Latina, Natália Paiva, da psicóloga e psicanalista Patrícia Gipsztejn Jacobsohn (@patriciagj_psicanalise) e da criadora de conteúdo Luana Carvalho (@lxccarvalho). O bate-papo será disponibilizado logo após, nas contas da organização e da Daiana. 

A ASTRAL também publicará em seu Instagram (@astralbr) cards informativos no formato de carrossel, que podem ser facilmente compartilhados via Stories para que a informações alcancem ainda mais pessoas.  

Queremos que o Instagram seja um ambiente seguro, positivo e inclusivo para a nossa comunidade, especialmente para os jovens que usam a plataforma. Sabemos que muitas pessoas usam o Instagram para buscar ou oferecer apoio e ouvimos de especialistas que a intervenção precoce pode ser benéfica. Assim, desde maio, usuários que buscam termos ou tentam compartilhar publicações relacionadas a transtornos alimentares no Instagram são direcionados a uma página de recursos de ajuda que leva para o site da ASTRAL (www.astralbr.org), no qual é possível pesquisar onde procurar ajuda por região, e também ter acesso a diferentes materiais sobre assunto.  

primeiro Reels com Daiana Garbin e a médica psiquiatra Bruna Boaretto (@drabrunaboaretto) já está no ar no perfil da Astral.

+ sobre o tema

Baixa cobertura vacinal contra HPV favorece casos de câncer

Sete em cada dez casos de câncer de colo...

Alcance e capacitação profissional são desafios do SUS para tratamento de autismo

Na sala de estimulação sensorial, equipada com piscina de...

Saúde e iniqüidades raciais no Brasil: o caso da população negra

Por: Isabel C.F. da Cruz* O Núcleo de Estudos sobre Saúde...

Mortalidade materna cai 43% no Brasil entre 1990 e 2013, diz OMS

O Brasil registrou uma queda de 43% na proporção...

para lembrar

spot_imgspot_img

Apuan Design e Cultne.TV lançam filtro de Instagram para cobertura do Baile Black Bom

Criado especialmente para a cobertura do Baile Black Bom, que acontece nesse sábado (14), a partir das 17h, o filtro de Instagram do Baile...

Ingrid Silva lança filtro “Turban & Beauty” no Instagram

Em busca de mais representatividade e afirmação individual de cada um com suas características, a bailarina e ativista Ingrid Silva lança o filtro “Turban...

Geledés Instituto da Mulher Negra lança último episódio de ‘Racismo e Bullying: Como proteger jovens negras?’

Chegamos ao nosso último episódio de ‘Racismo e Bullying: Como proteger jovens negras?’ De acordo com Ministério da Saúde, a cada 10 adolescentes que tiram...
-+=