Câncer acontece quando Lula ainda é ‘mais dominante’ no Brasil, diz ‘New York Times’

O diagnóstico do câncer do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva repercutiu na imprensa internacional neste domingo. O jornal norte-americano The New York Times publicou uma reportagem na qual afirma que o diagnóstico do câncer acontece em um momento em que o ex-presidente é visto como dominante na política brasileira.

“A revelação da sua condição acontece em um momento em que ele ainda é admirado aqui como o líder político contemporâneo mais dominante do Brasil”, escreve o jornalista do New York Times Simon Romero, do Rio de Janeiro.

“Desde que deixou a presidência, Silva, um ex-líder sindical, manteve ampla influência na política brasileira. Ele viajou muito dentro do Brasil e no exterior, fazendo discursos por cachês altos, e na semana passada ele apareceu ao lado (da presidente Dilma) Rousseff na inauguração de uma ponte na cidade amazônica de Manaus”.

O New York Times diz que a notícia sobre Lula mostra um “contraste grande” em relação à forma como o presidente venezuelano, Hugo Chávez, revelou seu câncer, em junho. Enquanto o brasileiro optou por revelar rapidamente a doença, Chávez “surpreendeu os venezuelanos” ao anunciar que já havia sido submetido a uma cirurgia, segundo o New York Times. O jornal também lembra que o venezuelano nunca revelou o tipo de câncer que teve.

Lula foi diagnosticado com câncer na laringe. A informação foi divulgada no sábado pelo hospital Sírio-Libanês, onde o ex-presidente fez exames após se queixar de dores na garganta. Ele começará quimioterapia na segunda-feira.

‘Incerteza’

Uma reportagem do jornal argentino La Nación afirma que o câncer do ex-presidente desperta incerteza entre os brasileiros sobre o futuro político de Lula.

“A inesperada notícia sobre a doença surpreendeu a todos os brasileiros e despertou uma grande incerteza sobre um eventual regresso de Lula à Presidência do Brasil, onde ele mantinha uma enorme influência política no atual governo”, escreve o jornal argentino.

O La Nación diz que o “carismático e popular” ex-presidente brasileiro terá pela frente uma “nova e inesperada batalha”.

Já o jornal argentino El Clarín destacou que a notícia sobre a doença de Lula “surpreendeu os veículos brasileiros de imprensa”, já que o ex-presidente havia anunciado que tinha começado a deixar de fumar cigarrilhas.

O El Clarín também destacou a repercussão da doença no Twitter, com várias mensagens de solidariedade acompanhadas das hashtags #vivalula e #forçalula.

O jornal espanhol El País disse que a notícia sobre Lula “correu como pólvora em todo o país”. Já o americano The Wall Street Journal destaca a importância “literal” da voz de Lula na política brasileira.

“Muito do sucesso de Lula se deve à sua voz. Como um país grande e recentemente industrializado sofrendo com uma ditadura militar, os sindicatos brasileiros estavam maduros para um rompimento nos anos 70″, escrevem os jornalistas Matthew Cowley e Tom Murphy.

“No sentido literal, Lula, um ex-sindicalista, deu aos trabalhadores uma voz”.

Fonte: Correio do Brasil

+ sobre o tema

O grande bazar de direitos

Rodrigo Pacheco, presidente do Senado, declarou nesta semana estar "muito...

Saiba o que muda no ensino médio com novo texto aprovado no Congresso

Após sucessivos ajustes, com idas e vindas entre as...

É mito pensar que todos os pobres são empreendedores, diz ganhadora do Nobel de Economia

Uma das mais respeitadas economistas do mundo quando o...

para lembrar

Em homenagem a Bob Marley, Jamaica descriminaliza maconha

As mudanças legislativas determinam que o consumo não seja...

Quando a violência de gênero promoveu mudanças na legislação brasileira

"Não tenho uma filha do teu nível, graças a...

Brasil é 38º em ranking internacional de qualidade de vida

  O Brasil é o 38º país do mundo...

O segundo turno carioca é farol para o Brasil

O bloco unidos-do-zero-zero terá responsabilidade na escolha do vencedor Por Flavia...

Brasileiras reunidas para enfrentar a extrema direita

Muito se diz que organização de base e ocupação das ruas são os caminhos mais efetivos para enfrentar a extrema direita. Difícil é encontrar quem...

63% dos municípios do país não realizam concurso para professor há mais de 5 anos

Cerca de seis a cada dez cidades do país estão há mais de cinco anos sem realizar concurso público para contratar professores para as escolas municipais. A...

Datafolha: Maioria acha que faltam vereadores negros e mulheres

O número de mulheres e negros nas Câmaras Municipais ainda é considerado insuficiente pela maioria dos eleitores de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Recife, mostra pesquisa Datafolha feita nas...
-+=